MENU

5 de abril de 2009 - 17:05Curiosidades, História

GP da Malásia é o 5º da história com pontos pela metade

Foto: Reprodução/Grande Prêmio

Foto: Reprodução/Grande Prêmio

Interrompido depois de 31 voltas em função das fortes chuvas em Sepang, o GP da Malásia contou apenas metade da pontuação para os pilotos, por não terem sido completados 75% das voltas previstas. Em toda a história foi apenas a quinta vez, em 805 corridas válidas pelo Mundial de Pilotos, que uma prova terminou assim, apenas a segunda em um circuito permanente. Todas as outras três ocorreram em pistas de rua.

A primeira vez em que metade dos pontos foram contados aconteceu no GP da Espanha de 1975, quando o Embassy-Hill de Rolf Stommelen voou em direção ao público no Montjuich Park, matando três fiscais, um fotógrafo e um espectador. A corrida foi interrompida com apenas 29 das 84 voltas previstas e a vitória ficou com Jochen Mass, da McLaren. Seria sua primeira e única conquista na Fórmula 1. E também foi a única vez em que o motivo da interrupção não foi a chuva.

No mesmo ano, outra prova contou apenas metade dos pontos. Foi o GP da Áustria, em Zeltweg, disputado sob muita chuva. Eram previstas 54 voltas, mas a corrida foi encerrada com 29, pouco mais da metade. A pista estava encharcada e a vitória ficou com a zebra Vittorio Brambilla, que cruzou a linha de chegada rodando e batendo seu March laranja na mureta dos boxes. Ainda deu a volta da vitória com o bico quebrado, numa cena hilária.

Nove anos depois, em 1984, uma nova interrupção obrigou uma prova a contar apenas metade dos pontos. Foi no famoso GP de Mônaco de 1984, quando Ayrton Senna deu show com a Toleman e chegou em segundo lugar depois da bandeira vermelha ser acionada, na 31ª das 76 voltas previstas. A vitória ficou com Alain Prost.

Há 18 anos, a corrida mais curta da história da Fórmula 1. Com diversos pilotos rodando e batendo nos muros e protestos veementes de Ayrton Senna por causa da falta de aderência com a chuvarada que caiu no circuito de rua de Adelaide, o GP da Austrália de 1991 foi encerrado com apenas 14 voltas, com vitória de Senna.

Nos últimos anos, outras corridas foram terminadas com bandeira vermelha, mas tiveram os pontos contados integralmente por já terem sido cumpridos mais de 75% das voltas previstas. Em 2003, Fernando Alonso e Mark Webber bateram na curva do Café, encerrando prematuramente o GP do Brasil. Em 1997, bandeira vermelha após um acidente com Olivier Panis no Canadá, quando o francês fraturou uma perna. E em 1990, Alex Caffi bateu no Estoril e se machucou, dando fim precoce ao GP de Portugal.

Comentários do Facebook

comentários

26 comentários

  1. Interessante que a corrida poderia ter continuado depois que o “chuvaréu” passou, mas faltou iluminação.

    Acho que a última corrida interrompida antes do fim por falta de luz natural foi o GP da Itália de 78, já que a corrida teve bandeira vermelha depois do acidente na largada (que tiraria a vida de Ronnie Peterson), demorou umas 2 horas para ser reiniciada e próximo ao fim da corrida começou a escurecer, daí a bandeirada veio na volta 40 ao invés da 52 como previsto.

    Outra curiosidade: até os anos 70 era muito raro uma corrida ser interrompida com bandeira vermelha, mesmo que caísse o mundo ou alguém morresse. Mesmo as 24 Horas de Le Mans de 1955 não foram interrompidas, mesmo com o acidente que resultou numa mega-tragédia e a morte de cerca de 100 espectadores.

    Li em algum lugar que a primeira corrida de F1 a ter bandeira vermelha foi o GP da Inglaterra de 73, por conta de um mega acidente na reta dos boxes que envolveu uns 10 carros na segunda volta.

  2. Thiago Schauenberg Pereira disse:

    Saudações coloradas Capelli!!!

  3. Luiz Aguiar disse:

    Capelli,

    Posso estar enganado, mas um título do Barrica seria semelhante ao título do Scheckter em 79. Em 79 Villeneuve tinha mostrado mais pilotagem do que o companheiro, porém por tudo que havia sido feito por Scheckter em sua história na F1 quem merecia o título(dos dois da Ferrari) era realmente ele. Torço para que o Barrica e Button disputem em pontos e que no final das contas R.Brawn dê prioridade ao Brasileiro. Seria uma ótima forma de encerrar a carreira,.. em 2010 viria o Senninha,..

  4. Paulo Renato Pinheiro disse:

    @Paulo Santos/RJ

    Então pode-se dizer que essa corrida foi somente para “inglês ver”….
    Me desculpem pela piada infame…
    Abs.

  5. Sidewinder disse:

    E aí Capelli, quando a rádio GP volta ao ar? Justamente agora que os campeonatos estão ficando emocionantes?

  6. Mal, Capelli… Eu não li a “segunda”… Ato falho…

  7. Eduardo Casola Filho disse:

    @Cassio

    Talvez o Stefan Belloff, infelizmente seja menos lembrado por ter uma carreira bem menos curta que o Senna, afinal ele morreu em 1985 durante uma corrida de turismo em Spa quando bateu com o Jacky Ickx, se tivesse um pouco mais de tempo poderia dar trabalho lá na frente.

    @Eduardo

    A mulher que pontuou foi a italiana Lela Lombardi, que chegou em sexto na corrida de 1975 na Espanha, aliás, poderemos ter uma mulher em 2010, com essa equipe americana que pode sair do papel, as chances de termos a Danica Patrick é grande, embora, pelo que vi na corrida da Indy hoje, a Danica deu uma fechada no rapaz brasileiro que tava estreando, quero ver o que vai dar se na F-1 ela der uma fechada dessas no Alonso…

  8. PAULO SANTOS/RJ disse:

    Tá certo. A FOM é inglesa, liderada pelo Bernie, que é inglês. O Presidente da FIA é ingles, Max Mosley. O carro sensação do momento é inglês, de um dono também inglês. Lógico que quem seria beneficiado em matéria de horário, não seria o Brasil, mas o… INGLÊS.

    Mas esse horário, perto de escurecer o mundo, foi uma loucura, e atrapalhou umas das melhores corrdias dos últimos tempos.

    Acho que os… INGLESES… poderiam rever suas considerações.

    Nessa corrida só faltou a Arca de Nóe passar boiando.

    Abraço a todos.

  9. Eduardo disse:

    E foi no GP da Espanha de 75 uma mulher pontuou pela primeira vez, não foi?
    Meio ponto, pelo que eu me lembro. Esqueci o nome da moça.

  10. Leandro disse:

    Capelli, entrando agora no grande premio, tem uma foto da corrida em que está escuro, como se estivesse de noite. Essa foto é verdadeira? Na televisão parecia que estava tão claro… Eu acho que essa foto é modificada.

  11. E se a regra maluca das vitórias tivesse vingado? O Button levaria meio ponto por hoje?

  12. Sérgio disse:

    Puxa vida, Capelli, tem informação demais por aqui. Quando vejo essas notas egressas do baú capellesco, lembro-me daquelas sequências “do fundo do baú” que você publicava. A propósito, a foto desse post retrata muito bem a última peripécia do Tio Bernie: o carro está fora da pista, a terra está reluzente de tão molhada, e a lanterna do carro mais parece um borrão, de tão escura que estava a pista. Espero que ao menos sirva de lição, pois o nº de trapalhadas por corrida neste ano está preocupante.

  13. Cassio disse:

    capelli eu tenho uma dúvida quando o Galvão tava falando de pilotos que ocrriam de óculos o stommelen corria de ou não de óculos

  14. Cassio disse:

    e mérito ao Bellof no de monaco nada né impressionante

  15. Felipe Fugazi disse:

    O GP da Austria eu já tinha ouvido relatos, dizem que esse Brambilla se envolvia em mais acidentes que o De Cesaris.
    Mas eu deixo uma pergunta, Cingapura é perto da Malasia, tambem é quente pra caramba, chove muito…e se chove lá, dá pra correr em circuito de rua, debaixo de chuva, com iluminação artificial?

  16. Eduardo Casola Filho disse:

    Capelli, aquela corrida do Brasil em 2003, teve uma curiosidade:

    Que após a bandeira vermelha que acabou a corrida, a vitória foi dada ao Kimi Raikkonen, e se não me engano, foi dado apenas metade dos pontos, mas depois perceberam que o Fisichella tinha dado mais uma volta, o que fez completar os 3/4 da corrida e a pontuação foi configurada igual.

    Mas pra manter uma esperança brasileira, essa corrida de Monaco de 1984, do show do Senna, que acabou antes, dizem que a pedido do Prost, pois só ganhou 4,5 pontos, se continuasse, talvez ganhasse, talvez ficasse em segundo e ganhasse 6 pontos (provavelmente aconteceria do jeito que tava o Senna), mas foi esse meio ponto que fez o Prost perder o título daquela temporada para o Lauda.

  17. ola Capelli, posso replicar esse posto no meu blog……é um dado interessante, logico que botarei os devidos creditos……..ao contrario do que aconteceu comigo…..espero que não seja incoveniente?!

  18. Capelli disse:

    GP da Malásia é o 5º da história com pontos pela metade. http://migre.me/lnw

  19. “Em toda a história foi apenas a QUINTA vez, em 805 corridas válidas pelo Mundial de Pilotos, que uma prova terminou assim, apenas a segunda em um circuito permanente. Todas as outras TRÊS ocorreram em pistas de rua.”

    3 + 1 = 5 ?!

  20. joao disse:

    tambem axei o cockpit do rosberg parecido com o do senna de 94

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>