MENU

14 de junho de 2009 - 18:48Curiosidades, História, Pergunte ao Capelli

Pergunte ao Capelli: o mítico Red 5

Foto: Zawtowers/Flickr

Foto: Zawtowers/Flickr

Capelli, tenho uma dúvida que me intriga há um bom tempo. Há algum motivo especial para a Williams de Mansell ter o número 5 em vermelho? A Williams de Prost em 93 tinha o número branco, a de Senna em 94 também. Vale ressaltar que quando Mansell substituiu Senna por um período em 1994, o número voltou a ser vermelho. Há algum motivo para isso? – Leonardo Duarte, Belo Horizonte/MG

Leonardo, o famoso “Red 5″ de Nigel Mansell tem um motivo sim. Como grande parte das coisas que caem no gosto popular, surgiu espontaneamente, sem grandes pretensões. E acabou virando uma marca.

Mansell iniciou sua carreira na Lotus, em 1980, correndo praticamente sempre com o número 12. Quando mudou-se para a Williams, o começo de 1985, passou a correr com o 5, fazendo par com o 6 do companheiro Keke Rosberg. Nas primeiras corridas da temporada, ambos os números eram brancos. Mas a forma similar dos algarismos 5 e 6, somada aos topos azuis dos capacetes dos dois pilotos, tornou difícil o reconhecimento dos carros à distância. Assim, a partir do GP do Canadá, quinta etapa do campeonato, a Williams decidiu pintar o número de Mansell de vermelho.

Foto: Hiroshi Kaneko

Foto: Hiroshi Kaneko

E foi justamente neste momento que Mansell passou a aparecer solidamente como um piloto de ponta, vencendo suas primeiras corridas e virando febre na Grã-Bretanha. Murray Walker, célebre narrador da inglesa BBC, passou a referir-se ao piloto como “Red 5″, e a partir daí, virou marca. Tanto que, quando Mansell deixou a Williams em fins de 1988, Thierry Boutsen o substiuiu com um 5 branco, já que não havia como confundir seu capacete azul marinho com o branco de Riccardo Patrese. E quando o Leão voltou da Ferrari, em 1991, pintou novamente seu 5 de vermelho. Mudou-se para a Fórmula Indy em 1993 carregando consigo o Red 5, e em seu último retorno à Williams, em 1994, substiuiu Ayrton Senna com um número 2, mas devidamente vermelho.

O curioso é que apenas quatro das 31 vitórias de Mansell na Fórmula 1 aconteceram em um carro sem o cinco vermelho. Foram os GPs do Brasil e da Hungria de 1989, com o 27 da Ferrari; o GP de Portugal de 1990, com uma Ferrari nº 2 e sua última conquista, na Austrália em 1994, com a Williams “Red 2″.

Comentários do Facebook

comentários

40 comentários

  1. [...] Fontes: Wikipedia, Blog Voando Baixo, Blog do Capelli. [...]

  2. Adilson Antunes disse:

    Na GP MASTERS ele também usou o “Red 5″, e o carro também era vermelho! :| Mas ai colocaram um fundo branco!rs

  3. Kleber disse:

    Caro Luiz G, vc tem que se atualizar amigo, Mansell fora campeão mundial com 6 ou 5 corridas de antecedencia quando a honda da Meclaren de Senna era ruim.

    Estou certo ou errado Capelli?

  4. Guto Andrade disse:

    Capelli! Quaro parabenizá-lo pelo seu espaço e pelas suas publicações! Sou fã de automobilismo e procurosempre aprender um pouco mais sobre o assunto. O interessante é que, à medida que eu vou procurando e lendo sobre automobilismo e carros (também sou apaixonado por carros), sinto dentro de mim o interesse crescente de ingressar em uma categoria de automobilismo, mesmo que seja pequena, só pelo prazer de correr. Como já disse, tenho aprendido, é porque conheço pouco que te pergunto: é possível sendo eu músico, com 25 anos e sem dinheiro para tal, ingressar em qualquer categoria, pura e simplesmente pelo prazer de correr? Quais categorias seriam estas e se possível, por onde começo? Muito obrigado!

  5. Fred Paniza disse:

    Olá Capelli,

    Como foi lembrado pelo Rianov, Patrese também já correu com o “Red Five” em Adelaide 87, substituindo Mansell, que havia se acidentado no GP anterior em Suzuka.

    http://img254.imageshack.us/img254/4322/patrwilladel87hrf1tl6.jpg

    Além dele, outros dois pilotos competiram com esse número, em 1988, quando Mansell ficou afastado devido a uma varicela:

    Martin Brundle no GP da Bélgica
    http://f.imagehost.org/0944/Martin_Brundle_FW12_Judd_1988_Belgian_Grand_Prix_at_Spa-Francorchamps.jpg

    Jean Louis Schlesser em Monza, no GP da Itália
    http://img511.imageshack.us/img511/4517/1988jeanlouisschlesserwni7.jpg

  6. [...] com o 27 da Ferrari; o GP de Portugal de 1990, com uma Ferrari nº 2 e sua … fique por dentro clique aqui. Fonte: [...]

  7. Tuvuca disse:

    Valeu Capelli, esse era um dos maiores mistérios da F-1 para mim.

  8. Outras equipes pintavam os números de cores diferentes para evitar a confusão entre o “5″ e o “6″.

    Acho que a Renault, quando era “15″ e “16″, pintava o “15″ de vermelho e o “16″ de branco.

    Já a Benetton do Schumacher, em 94, tinha detalhes vermelhos no bico e no aerofólio dianteiro, para diferenciá-la da do Lehto ou Vertappen.

  9. JCCyC disse:

    Luiz G: A coincidência não me passou despercebida, tanto que escolhi esses dois números combinados para os 4 últimos dígitos do meu celular! (Tenho esse número desde 2004)

  10. Tô com o Martin. A nave era matadora, o carro também:

    Martin disse:
    14 de junho de 2009 às 21:01
    Capelli, a ideia do “red five” usado pelo locutor inglês vem do filme Guerra nas Estrelas (antigo ep. I, atual ep. IV). É o código da nave de combate utilizada pelo Luke Skywalker. Esse é também um dos motivos, penso eu, para o apelido ter caído no gosto de todos. Aqui está a X-Wing: http://www.flickr.com/photos/kelvin255/2249596567/
    Um abraço! E parabéns pelo blog!

  11. fernando amaral disse:

    PS: primeira volta a Interlagos desde os anos 70, época da qual assisti alguns GPs.

  12. fernando amaral disse:

    Torci muito pro Mansell alcançar o Senna em Interlagos em 91. Era a primeira vez que eu ia a Interlagos ver ao vivo e queria ver era disputa, não procissão. Mas, se ele não tivesse quebrado, teria alcançado o Senna só em 6ª marcha, e não haveria disputa do mesmo modo.
    Fiquei ma memória com a impressão de ter escutado o som da quebra do cãmbio do inglês, que rodou no S – eu estava no meio da reta oposta, no setor G.
    Foi aplaudido e gozado pelo público, com o qual sempre teve muita empatia.
    E já disse uma vez que achava sensacional a curva do Laranjinha.

  13. Abreu disse:

    O Piquet teve uma trajetória vitoriosa usando o nº 5 nos seus dois primeiros títulos mundiais, em 1981 e 1983. Lembro do primeiro teste dele na Williams nº 5 em Paul Ricard no final de 1985, e acreditava por razões óbvias que esse seria seu algarismo em 1986. A coisa começou a cheirar mal quando foi confirmado que o Mansell continuaria com o 5 e Piquet ficaria com o 6, sendo também que o próprio Mansell disse na época que não aceitaria a condição de segundo piloto. Aí veio o acidente do Frank Williams e… Ainda bem que o Piquet teve força mental, técnica e malandragem para reverter em 1987. E Com o ” White Six ” estampado no carro.

  14. Klaus disse:

    Eu ouvi falar de uma lenda de que o “Red 5″ também se referiria ao “Guerra nas Estrelas”. “Red 5″ era o codinome do Luke Skywalker na Esquadra que atacou a “Estrela da Morte” no 1o Filme da Série.

    Agora se é verdade….

  15. fernando amaral disse:

    e as cores do número vermelho sobre o branco e este sobre azul lembram a bandeira do UK.

  16. Hamilton disse:

    adoro a pintura daquela Williams e essa história do “red five”.

    lembro de uma revista Grid antiga, creio que de 1994 ou 1995, que mostrava que na F-3 sul americana uma equipe patrocinada pela Caixa Econômica Federal usava pintura idêntica à da Williams Camel-Canon, números 5 e 6. E a partir de certa corrida, o 5 passou a ser pintado de vermelho, para tirar ainda mais onda de Williams.

  17. Bruno R. disse:

    Capelli, certo então. Pq eu acreditava que era preto, até pela semelhança ao capacete do Stefan Bellof. E pelo fato de serem as cores da Bélgica…

    http://www.stefans-helmpage.de/thierry_boutsen.htm

    De toda forma, esse capacete me remonta ao começo dos 90s, até pelo fato dos pilotos terem uma identidade com seus cascos…

  18. Vale lembrar que o Mansell manteve o “red five” quando foi pra Indy em 1993, correndo pela Newman Haas.

  19. meunomenaoéjohnny disse:

    eu tenho uma miniatura dakela williams, rianov…

  20. Michel disse:

    Mateus, sim, era vermelho.

    http://cache.formula1.com/photos/597×478/manual/tmk0213ma05.jpg

    Este pódium é de 85 ou 86, anos em que o Senna usava o macacão preto da Lotus JPS.

  21. Mateus Fernandes disse:

    e por falar em veremelho

    o macacao do mansell acho que de 1985 a 1988 era vermelho tambem

    alguem confirma ?

  22. Luiz G disse:

    Olá Capelli…Falando em números de carros, não sei se você é do tipo que aborda coincidências “místicas”, mas você já notou que Ayrton Senna, “coincidentemente” alcançou notoriedade, justamente, com os mesmos numeros, 12 e 27 que imortalizaram Gilles Villeneuve?

    Ele alcançou seus títulos com os numeros 12 e 27 (e o terceiro com o 1, por ter ganho o título no ano anterior)

    Terá sido uma grande coincidência…ou um presságio de um mesmo fim trágico nas pistas?

    Tcharaaaam……Além da imaginação….

  23. MANDRUWA disse:

    Mansell Win or Wall!!!!

  24. pierre xavier disse:

    3 e 4 tyrrel forever

    27 era o clássico williams, depois passou pra ferrari em 81 e depois pra mclaren do senna em 90 e de volta pra ferrari em 91.

    5 e 6 foram parar na williams vindos da brabham. antes da brabham 5 e 6 eram as lotus de peterson e andretti

  25. Sidewinder disse:

    Grande Mansell! Ou passava, ou batia.

  26. Raphael Silva disse:

    Falando das vitórias, qnd o Leão não tinha o “red 5″ teve um carro vermelho, carregando o número para vencer!

    Eita! Só venceu com algum vermelho no carro!

    Abs

  27. O mítico "5" vermelho no carro de Mansell http://migre.me/2dtw #f1 #blog

  28. Mateus Fernandes disse:

    tem número que sempre iremos lembrar:

    2 – Prost
    5 – Mansell
    6 – Patrese
    12 – Senna
    26 – Lafitte
    27 – Villenueve
    28 – Berger

  29. Mateus Fernandes disse:

    Patrese foi classico com o ” six white “

  30. Lembra da Williams ‘Red 5′ do Patrese em Adelaide 87 Capelli?
    http://img99.imageshack.us/img99/1728/willf10149.jpg

    Abraços

  31. O mítico Red 5 do Mansell (via @ivancapelli): http://migre.me/2aVr #F1 #F1BR

  32. Martin disse:

    Capelli, a ideia do “red five” usado pelo locutor inglês vem do filme Guerra nas Estrelas (antigo ep. I, atual ep. IV). É o código da nave de combate utilizada pelo Luke Skywalker. Esse é também um dos motivos, penso eu, para o apelido ter caído no gosto de todos. Aqui está a X-Wing: http://www.flickr.com/photos/kelvin255/2249596567/
    Um abraço! E parabéns pelo blog!

  33. taí algo que eu sempre quis saber e nunca pensei em te mandar um email, capelli.
    Mansell com o red five marcou época!rs

  34. Bruno R. disse:

    O capacete do Boutsen não era preto, com os detalhes em amarelo e vermelho?

  35. Luiz G disse:

    Pena que Mansell nunca conseguiu (na F1) se tornar o “Red One”.

    …Mas ele teve essa honra na F-Indy.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>