MENU

20 de março de 2012 - 11:12Análises, Automobilismo, Colunas

Coluna de hoje – A Williams está de volta

O campeonato mal começou, uma única corrida num circuito tão particular quanto o Albert Park não é o melhor dos parâmetros para se tomar posições definitivas, mas é inegável que o desempenho da Williams no GP da Austrália impressionou todo mundo. Embora Bruno Senna tenha sofrido um acidente no começo que prejudicou bastante sua corrida, o que Pastor Maldonado fez foi impressionante. E, por mais rápido que o venezuelano seja, a consistência de sua corrida se deve a um bom carro. É isso, senhores: a Williams está de volta.

Lógico, não é a Williams que conhecemos num passado já nem tão recente assim. Não vai brigar por títulos, vitória só se algo fora de série acontecer, mas deve marcar pontos com consistência. Maldonado disse depois da prova: “Acho que nós somos mais rápidos que a Ferrari, mais rápidos que a Sauber e a Forca India, também”. E ele tem razão.

Analisando os tempos de volta do venezuelano durante a corrida em comparação com os da Ferrari de Fernando Alonso, a conclusão é até óbvia. Maldonado podia estar em um bom dia, é um piloto veloz, mas não é nenhum Alonso. E ele conseguiu manter um ritmo tão consistente quanto o do espanhol, muitas vezes até melhor. E enquanto a Ferrari sofria com os pneus macios, que duraram apenas 13 voltas, a Williams fez 16 no primeiro stint, com carro pesado, e depois conseguiu repetir a mesma estratégia por mais 21 voltas. Desequilibrada, a Ferrari não pôde fazer dois stints com macios, optando pelos médios já no primeiro pit-stop. Conclusão: a Williams é equilibrada e consome adequadamente os pneus.

Outra informação importante antes de analisar os tempos de volta é que Fernando Alonso ficou praticamente dois terços da corrida a uma distância superior a dois segundos em relação ao carro da frente, o que significa que correu praticamente com pista limpa, podendo fazer tempos de volta sem ser prejudicado pelo carro da frente. Maldonado, por sua vez, ficou cerca de metade da prova sempre com alguém à sua frente, precisando negociar ultrapassagens e tendo seu ritmo de prova tolhido. Além disso, o piloto da Williams errou na quinta volta, quando escapou da pista e perdeu mais de cinco segundos. Ainda assim, perseguiu Alonso até o último giro, quando bateu.

A tabela com o tempo médio de cada piloto deixa bem claro que Maldonado está com mais do que razão. Ao menos na Austrália, a Williams esteve à frente da Ferrari. Descontando a volta em que o venezuelano saiu da pista, já que o objetivo é avaliar a consistência dos tempos, o primeiro e o segundo stints de Maldonado foram melhores que o da Ferrari. Impressiona, também, perceber que os dois carros fizeram o segundo stint com o mesmo número de voltas (21), mas tendo a Williams pneus macios, contra médios da Ferrari.

No último stint, Maldonado e Alonso andaram praticamente no mesmo ritmo, descontando a volta final, já que nela o piloto da Williams bateu e Alonso reduziu a velocidade para cruzar a linha de chegada. Fica claro que a Ferrari detinha o desempenho da Williams, que era mais rápida e tentava a ultrapassagem.

Será muito bom para a F1 que a Williams consiga permanecer no topo. Na Malásia teremos uma noção melhor do comportamento dos carros, já que a pista de Sepang castiga mais os pneus, ao mesmo tempo em que permite mais ultrapassagens que o Albert Park. Mas minha aposta é numa Williams pelo menos entre os oito primeiros, situação que pode permanecer até o meio da temporada. Uma boa notícia para Bruno Senna.

O pouco poder econômico do time, infelizmente, pode fazer com que o FW34 evolua menos que os adversários até o final do ano, modificando o cenário. Mas é certo, a partir do que se viu em Melbourne, que o carro é muito bem nascido. Tudo o que a Ferrari não é.

Comentários do Facebook

comentários

22 comentários

  1. Fabio de Deus disse:

    Eu não sei se a Williams é tudo isso aí não… Acho que Maldonado andou muito bem, sim, mas creio que uma comparação com a Ferrari, um carro que, em condições normais teria dificuldades para andar entre os 10 primeiros, não acrescenta mto mérito à Williams. Tendo em vista desempenho de McLaren, Red Bull, Mercedes e Lotus, acho que, com muito esforço, a Williams pode brigar(com Maldonado) pelas duas últimas posições que pontuam com a Sauber, o que é uma tarefa ingrata com um Kobayashi super agressivo e um Perez que quase sempre para uma vez menos que todo mundo. Acho que a Williams evoluiu muito com relação ao ano passado, mas ainda está abaixo do padrão de 2010, fazendo uma comparação recente…

  2. leandrotullii disse:

    a melhor coisa que aconteceu com a williams foi a troca de motor, pois chassi a meu ver nunca foi problema para esta equipe que merece voltar no auge, ao lado da mclaren!

  3. João disse:

    Acho que a maior diferença foi terem trocado o motor e um dos pilotos… (será que peguei pesado em relação ao “piloto”?

  4. MArcelo disse:

    Capelli,

    Tem algum site que disponibiliza os tempos de todos os pilotos volta a volta?

    Abs!

  5. Bruno disse:

    Capelli,
    Eu concordo com você e com o Maldonado sobre a Williams ser mais rápida que a Ferrari, e até que a Force India, mas acho muito cedo para excluir a Sauber desse jeito. Nos treinos livres, Kobayashi sempre esteve muito bem e muito à frente de Maldonado e Senna e o Pérez saiu de último para a zona dos pontos… e ao contrário de seus companheiros latinoamericanos da Williams terminou a corrida. A Sauber também é rápida.

  6. Lucas R disse:

    Ao saber, na temporada passada, que a Williams voltaria a usar motores Renault, logo imaginei que ela teria um ano melhor, já que a parceria Williams-Renault sempre rendeu bons frutos. Mas, após o fim da temporada 2011 e da pré-temporada 2012 eu achei que eles não estariam tão bons assim.

    O que deu para perceber é que dessa vez a Williams “fez a lição de casa” e aprendeu com os erros. Devemos lembrar também que a Williams desse ano é totalmente diferente da do ano passado, com uma equipe técnica completamente renovada.

  7. Leandro Fonseca disse:

    Ano passado em Melbourne o Rubinho tambem fazia uma corrida otima até bater no Rosberg e nas outras pistas todo mundo viu a porcaria que era a Williams, acho meio cedo pra cravar que a Williams vem bem nesse ano

  8. Ricardo Viçosa disse:

    Capelli, o Bruno Senna disse que a Williams estava tendo problemas com o carro em curvas de baixas velocidades, e pelo que vejo, a pista da Austrália é uma das pistas com a média de velocidade das mais altas. Pergunto: O carro da Williams briga até o fim do campeonato por pontos? O problema da baixa velocidade em curvas de baixa é de fácil solução, ou veremos a equipe forte só em pistas com curvas de alta?
    Aguardo respostas!!!
    Parabéns por falar da Williams, pois é o que nos resta, já que o Massa prefiro nem comentar.

  9. Marcelonso disse:

    Capelli,

    Nem a pau abre a página do Grande Premio por aqui…Essa mudança tá complicada.
    Mas o com o tempo tudo entra no eixo.

    abs

  10. Mauricio disse:

    Deve-se algum crédito também ao motor Renault. A Williams finalmente tem um motor de verdade, depois de alguns anos se arrastando com Toyota e Cosworth.
    Com bom motor e saúde financeira (garantida por Maldonado e Senna) pra continuar desenvolvendo o projeto, as chances da equipe crescer ainda mais durante a temporada são bem boas.

  11. Victor Serrão disse:

    Cara, aqui não tá abrindo.

  12. Vinícius Lucas disse:

    Só sei que vi muita gente queimando a língua falando que a Williams brigaria com a Caterham.

    A base do carro é boa, se continuar evoluindo, pode garantir um lugar entre as 4 maiores forças da F1.

  13. Erick Breder disse:

    Pois é, já tinha feito uma análise similar (mais curta, obvio) nos comentários em alguns blogs, como o do Flávio Gomes.

    Uma questão que achei interessante também, além dessa briga com Ferrari, foi no momento em que na pista estava Rosberg, Alonso, Webber e Maldonado, nessa ordem, após Maldonado ultrapassar Massa.

    O Rosberg estava segurando Alonso e Webber, e Maldonado chegou em alguns momentos a tirar 0,5s por volta, e encostou em Webber, chegando a dar uma pressionada (lógico, que não estava no ritmo da RBR), mas estava com ritmo melhor que a Mercedes.

    Tanto que depois das paradas, já estava a frente de Rosberg, agora brigando com Alonso.

    Outro fator interessante, foi o “pós safety car” (que juntou todo mundo), quando passadas algumas voltas, tanto Alonso , quanto Maldonado (que o perseguia) abriram uma boa vantagem para Rosberg, Kobayashi, Perez, Kimi, que brigaram até o final da corrida, ali pela 7ª a 9ª colocações.

    Ou seja, se entre Rosberg, Kobayashi, Perez, Kimi, tava todo mundo embolado. Alonso e Maldonado abriram destes, o que evidencia a Williams com um ritmo muito bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>