MENU

29 de março de 2012 - 10:30Automobilismo, Curiosidades, História

Foi segundo… mas valeu como vitória

A grande performance de Checo Perez em Sepang no último domingo deixou os fãs do automobilismo com um sentimento agridoce. Se por um lado ficou a excitação de ter assistido a uma bela corrida que revelou um novo talento, por outro ficou uma certa frustração pelo fato da grande vitória, o momento épico, não ter acontecido.

Pouco cotado, com um carro de equipe média e largando apenas na nona posição, Perez brigou pela vitória com autoridade, pressionou Fernando Alonso até o final e colocou no bolso os mais recentes campeões mundiais, Lewis Hamilton e Sebastian Vettel. Se a vitória não veio, foi por um erro no final, um detalhe.

Seguindo minha tradição de procurar paralelos no passado, lembrei de pelo menos outros quatro eventos semelhantes, quando um “underdog” surgiu do nada e meteu medo nos cachorros grandes. Como Perez, todos eles terminaram a corrida na segunda posição, batendo na trave de um grande feito histórico. Ainda assim, grandes momentos.

Ayrton Senna – GP de Mônaco de 1984

Era apenas a quinta largada de Ayrton Senna na Fórmula 1. E apenas a segunda vez que a Toleman levava para a pista o modelo TG184, já que a equipe havia disputado as primeiras corridas do ano com o carro do ano anterior. Mais tarde se descobriria que se tratava de um dos melhores chassis daquela temporada, mas até então, a Toleman não passava de uma mera figurante que nunca tinha sequer conquistado um pódio na categoria.

Saindo da 13ª posição do grid, ninguém imaginava que o grande destaque da corrida seria aquele carro brancão, com patrocínio de café e máquina de lavar, meio desengonçado. Mas a condução de Ayrton Senna naquele chuvoso GP de Mônaco o alçou imediatamente à condição de futuro gênio da Fórmula 1. Na primeira volta, foi beneficiado por alguns acidentes e saltou direto para nono. Dali para a frente, começou uma emocionante escalada de posições até chegar ao segundo lugar. Ultrapassou a Williams de Keke Rosberg e a McLaren de Niki Lauda, deixando todos estupefatos.

Tinha tudo para vencer, vinha descontando a diferença para o líder Alain Prost de maneira vertiginosa, até que a direção de prova viu por bem encerrar a corrida com apenas 31 das 76 voltas previstas. Uma decisão correta, já que as condições eram mesmo extremas e apenas oito dos 20 carros que largaram ainda estavam na pista. A chance de não terminar ninguém era grande, assim como a de alguém terminar machucado. Ficou a sensação de coito interrompido, já que a ultrapassagem de Senna sobre Prost era iminente, mas não dá para condenar a atitude da organização da corrida.

O curioso de toda a história é que Senna cruzou a linha de chegada à frente de Prost, que encostou o carro na reta quando viu a bandeira vermelha ao lado da quadriculada. Enlouquecido, achou que tinha vencido e saiu comemorando numa imaginária volta da vitória. Nas cabines, Galvão e Reginaldo chegaram a aclamar o brasileiro como vencedor do GP. Mas quando Ayrton descobriu que em caso de interrupções assim o resultado que vale é o da volta anterior, ficou com cara de poucos amigos. Depois, no pódio, relaxou e percebeu que aquele segundo lugar tinha gosto de vitória. Era a senha que outras viriam no futuro. E vieram.

Jean Alesi – GP dos EUA de 1990

Alesi mal tinha começado sua carreira na Fórmula 1, mas já tinha dito a que veio. Logo em sua estreia, no GP da França de 1989, chegou a andar em segundo lugar e terminou a prova em quarto, com uma fraca Tyrrell. Em 1990, nos Estados Unidos, continuava na Tyrrell e fazia sua primeira corrida de abertura de uma temporada. Não se esperava muito de sua equipe, já que vinha de uma temporada errática no ano anterior (um pódio, alguns pontos marcados, mas falhando em se classificar para o grid em algumas etapas).

Porém, a equipe havia trocado o fornecedor de pneus, estreando em Phoenix os compostos da Pirelli. E os pneus levados pelos italianos fez um sucesso danado naquela pista. Num treino de classificação muito louco, os carros com Pirelli levaram vantagem sobre os Goodyear, gerando resultados curiosos. Pierluigi Martini colocou uma Minardi na primeira fila. Andrea de Cesaris foi o terceiro com Dallara, enquanto Jean Alesi conseguiu um quarto lugar para a Tyrrell. Imaginava-se que tudo tinha sido um brilhareco proporcionado por um bom pneu de classificação e que na corrida as coisas seriam diferentes, mas não foi bem assim.

A profecia chegou a se comprovar logo nas primeiras voltas, com as Minardi e Dallara ficando para trás, enquanto os melhores carros como a McLaren de Senna e a Ferrari de Prost vinham ganhando posições. Porém, Alesi conseguiu imprimir à corrida um ritmo capaz de levá-lo à vitória. Arrancou bem na largada, pulando de quarto para a ponta logo na primeira curva, fez uma série de voltas mais rápidas e foi administrando a liderança com maestria, como fosse um veterano, não permitindo a aproximação de Gerhard Berger, que vinha logo atrás em sua prova de estreia pela McLaren.

Berger errou e bateu, e Alesi conseguiu manter certa vantagem na ponta até mais ou menos metade da corrida, quando passou a ser pressionado pela McLaren de Senna. Seu carro, ainda um modelo do ano anterior, não foi suficiente para conter a eficiente McLaren-Honda do brasileiro e acabou cedendo a ultrapassagem, mas não sem antes vendê-la bastante caro. Senna tentou ultrapassar, mas tomou um xis na curva seguinte. Uma volta depois, tentou outra vez a manobra no mesmo lugar, mas Alesi novamente tentou dar o troco. Não tracionou tão bem, mas conseguiu ainda emparelhar com a McLaren por mais três curvas até, finalmente, ser batido.

Foi bravo, foi heróico, seria a primeira vitória da Tyrrell em sete anos, mas não deu. Alesi terminou em segundo lugar e ali carimbou seu passaporte para ser piloto da Ferrari no ano seguinte. Por bastante tempo foi visto como um potencial campeão de Fórmula 1, mas nunca conseguiu estar na equipe certa na hora certa. Naufragou nas sucessivas crises da Ferrari e terminou a carreira com apenas uma vitória, bem menos do que seu talento prometia – e merecia.

Ivan Capelli – GP da França de 1990

Capelli já não era nenhum novato na Fórmula 1, pelo contrário. Já estava na categoria desde 1985, sempre em equipes pequenas e médias. Estava na March/Leyton House desde 1987, onde fez grandes apresentações em 1988, terminando o campeonato em sétimo lugar, com dois pódios. Porém, a equipe vinha em declínio desde então. O projetista era Adrian Newey, que fazia carros aerodinamicamente perfeitos, mas que tinham muitas dificuldades em terrenos acidentados. Tanto que nem Capelli nem Mauricio Gugelmin, seu companheiro de equipe, haviam conseguido classificação para largar no GP do México de 1990, disputado na ondulada pista do Autódromo Hermanos Rodriguez.

Porém, na etapa seguinte, em Paul Ricard, a situação seria bem diferente. Num circuito de asfalto bastante liso, a perfeição aerodinâmica da criação de Newey encontrou um habitat perfeito para brilhar. Os motores eram os fracos Judd, mas ainda assim o time conseguiu preparar carros competitivos para a corrida. Capelli classificou-se em sétimo no grid e Gugelmin, em nono.

Não se esperava que as Leyton House teriam algum destaque na prova, no máximo eram candidatas a pontuar. Mas a estratégia bolada pela equipe deu um banho em todo mundo. Com carros equilibrados e que consumiam poucos pneus, os dois pilotos partiram com pneus duros para uma corrida sem pit stops, enquanto todos os demais estavam de macios, prevendo uma parada. No começo da prova, tudo normal, com McLaren e Ferrari brigando pela ponta. No entanto, logo após a parada para troca de pneus, surgiu na frente uma dobradinha em azul piscina. Capelli na frente, Gugelmin em segundo, e nada de eles pararem para trocar pneus.

O ritmo de corrida de ambos era bom e uma dobradinha ao final da prova passou a ser possível. Porém, pressionado por Prost, o motor Judd de Gugelmin abriu o bico a vinte voltas do final. O francês da Ferrari passou, assim, a perseguir Ivan Capelli, que se defendia bravamente. Apesar da pressão de Prost, a vitória parecia iminente até que… o motor da March começou a falhar a três voltas do fim. O italiano conseguiu continuar na pista, mas não teve mais qualquer chance de brigar pela ponta. Se arrastando, cruzou a linha de chegada em segundo. Um belo resultado, mas a vitória passou raspando.

Foi o último pódio de Capelli, que continuou afundando com a Leyton House, que mais tarde naquele ano teria seu proprietário preso por fraudes no Japão. O italiano teve ainda uma chance na Ferrari em 1992, mas pegou um dos piores carros da equipe em toda a história e não soube lidar com a situação. Foi dispensado antes do fim da temporada e tentou reerguer a carreira na Jordan no ano seguinte. Depois de duas corridas, obscurecido pelo estreante Rubens Barrichello, percebeu que já não tinha mais espaço e abandonou a Fórmula 1, sem nenhuma vitória.

Damon Hill – GP da Hungria de 1997

Campeão mundial em 1996, mas demitido pela Williams logo após a conquista do título, Damon Hill foi buscar abrigo na Arrows em 1997. A equipe havia sido comprada por Tom Walkinshaw no ano anterior, mas continuava sendo o que sempre foi: um time médio que de vez em quando aprontava uma ou outra. Ainda assim, nos últimos oito anos havia feito apenas um pódio absolutamente ocasional, com Gianni Morbidelli no GP da Austrália de 1995, uma corrida em que quase ninguém chegou ao fim e que o próprio Hill havia vencido com duas voltas de vantagem para o segundo colocado.

A contratação do atual campeão foi mais uma jogada de marketing para atrair as atenções (e patrocínios) que o número 1 estampado na carenagem traz do que exatamente um planejamento para crescimento da equipe. O carro era bem fraquinho e os motores Yamaha nunca disseram o que tinham vindo fazer na Fórmula 1. Logo na estreia, no Albert Park, Hill penou para conseguir classificação para o grid. Seu companheiro, o pay-per-drive Pedro Paulo Diniz, ficou fora da zona dos 107% e só pôde largar depois de um pedido de clemência à direção de prova.

Porém, contra todos os prognósticos, durante a temporada a Arrows evoluiu bastante. Principalmente em circuitos mais travados, nos quais a potência de motor não era determinante para um bom resultado. De repente, em Hungaroring, 11ª etapa do campeonato, Hill obteve uma impressionante terceira posição no grid.

Na corrida, o desempenho do então campeão mundial foi ainda mais incrível. Na largada, ultrapassou a Williams de Jacques Villeneuve e pulou para segundo. Acompanhou a Ferrari do líder Michael Schumacher por cerca de dez voltas, até ultrapassá-la no final da reta. Ninguém acreditava, mas havia uma Arrows na liderança!

Mas não duraria muito tempo, pois Heinz-Harald Frentzen veio escalando o pelotão com sua Williams até ultrapassar Hill, tornando-se o novo líder. Porém, seu carro quebrou quatro voltas depois, devolvendo a ponta para a zebra em azul e branco. E Hill seguiu dominando a prova, para absoluta surpresa de todos que acompanhavam. Não só manteve a ponta como foi abrindo de maneira espetacular. A poucas voltas do fim, tinha mais de 40 segundos de vantagem para Jacques Villeneuve. A vitória era certa, bastava aguardar a bandeira quadriculada.

Só esqueceram de avisar o sistema hidráulico da Arrows, que entrou em colapso e não permitiu mais que o inglês acelerasse seu carro de forma correta. A duas voltas do fim, começou a virar parciais muito lentas e Villeneuve começou a descontar a diferença. A aproximação foi inevitável até que, na metade da última volta, o canadense ultrapassou Damon Hill. Apesar da manobra espetacular, com o piloto da Williams lembrando seu pai ao atirar seu carro na grama para consumar a ultrapassagem, pouca gente ficou feliz. A vitória, merecida, deveria ter sido de Hill e da Arrows. Mas eles tiveram que se contentar com um segundo lugar.

Foi o último pódio da Arrows, que dali para frente entrou em crise até fechar as portas melancolicamente, em 2002. Hill, porém, mudou-se para a Jordan e teve a honra de dar ao time irlandês sua primeira vitória na Fórmula 1 no ano seguinte, na Bélgica. Por sinal, as belas temporadas do inglês com carros inferiores, depois de quatro anos de Williams, serviram para não deixar dúvidas quanto ao seu talento. Hill aposentou-se em 1999 deixando uma imagem bem mais positiva do que a que tinha em 1996, quando foi campeão. Ironias da vida.

Comentários do Facebook

comentários

26 comentários

  1. Sidinei Gadelha disse:

    Eu incluiria na lista também, o segundo lugar do Fisichella no Gp da Bélgica de 2009.

  2. pe de chinelo disse:

    o shumi foi o maior safado de todos os tempos na f1 provocou o acidente deproposito no hil pro hil nao ser campeao antecipado

  3. Sandro Marques disse:

    Como é bom ter alguém para relembrar fatos tão marcantes. Do Alesi para cá eu vi todas. Apesar das tantas facetas dos gênios da F1, ver zebras como estas acaba sendo mais especial do que muitas vitórias dos protagonistas.
    Viajei muito nas lembranças. Deveria haver uma cota para corridas assim durante a temporada. Mas aí cortaria o grande barato da história toda, a imprevisibilidade, acho que é isso que faz essas corridas serem tão interessantes.

    Obrigado pelas lembranças Capelli.

    P.S.: Eu adorava ver as loucuras do Mansell, mas teve uma corrida que eu xinguei muito ele. Foi na mesma época desta do Alesi, se não me engano, em que o Leão, mesmo desclassificado, tirou o francês e o Senna da prova .

  4. Daniel disse:

    Muito bom post. Também acho interessante quando pilotos surgem “do nada” e conseguem grandes corridas com carros medianos. Infelizmente, isso é cada vez mais raro.

    Bom, lembro de um caso que talvez se encaixaria: Olivier Panis vencendo com o Ligier-Mugen em Monaco/96. O francês simplesmente veio passando todos, mas contou com uma “ajuda” francesa, quando os motor Renault do Williams do Hill quebrou (coisa rara!).

  5. Joao disse:

    Eu nunca torci pro Damon Hill, até essa corrida, que com certeza fez ele ganhar muitos torcedores tambem.

  6. Joao disse:

    Essa do Hill me fez chorar no dia, e pra mim é um dos momentos mais tristes do esporte, mais até que meu time rebaixado na Série C.

  7. Rodrigo disse:

    Capelli, só agora estou vendo seu blog com mais calma. Pra variar, muito bom. Me lembro de sempre passar por seu blog para ver os tais pitacos de treinos e corridas, era muito bacana. Não sei quando esse blog entrou no ar, mas tá muito bom! Sucesso!

  8. Vitório Bahia disse:

    Ótimo post Capelli!
    Uma dúvida que não tem nada a ver… alguém aí sabe se existe algum app com o living timing da F1 disponível para celulares de sistema Symbian. (C3 da Nokia, o famoso smart fone de pobre…rs)

    Abraços!

    • MArcelo disse:

      Pelo menos para o iOS, o live timming oficial deixou de ser gratuito… e ainda tão cobrando os olhos da cara!!!

    • Rodrigo disse:

      Vitório, até ano passado era gratuito. Eu acompanhava por ele, na casa da namorada. Fui empolgadão pra ver esse ano e não tem mais. E nem sabia que estavam cobrando por esse serviço, de outros sistemas. O meu é um 5530, mas acho que é a mesma porcaria…

    • Vitório Bahia disse:

      putz gril…. que osso hein! pelo visto as maravilhas do ‘mundo sem tributos’ da Internet ainda não chegaram ao universo dos celulares…
      Porque quando se tratam de PC’s, via de regra, você praticamente não precisa pagar por nada, em termos de software.. Até o Windows dá pra conseguir pela Internet!

      Enfim, vamos aguardar…

    • Lucas R disse:

      Aplicativo oficial somente para iOS, Android e BlackBerry. E pelo “precinho” de $ 19,99 ou “modestos” R$ 58,12.

      Há uma versão gratuita chamada de “Basic”, que não faz nem o básico. É apenas uma demo da versão gratuita. Segue mais ou menos aquela linha de “fãs da F1 não pagam, mas também não levam!”.

      Quem tem Android pode baixar o F1 Live Stream, um app gratuito não-oficial, que oferece basicamente o mesmo que já temos na página oficial da Fórmula 1 para desktop.

      Como o meu Nokia 5200 não roda nada disso, eu não pude testar esses aplicativos para ver se são realmente bons.

  9. Felipe Goltz disse:

    Putz, que corridas, essas citadas no post. Lembro como se fosse ontem, a epopeia de Damon Hill com a Arrows em Hungaroring em 1997. Até hoje não entendo como o Hill conseguiu ser tão rápido, em condições absolutamente normais de corrida, com aquela carroça que tinha nas mãos. Mas o Capelli, vaidoso que é, fez questão também de lembrar a sua “quase-vitória” em Paul Ricard para os leitores do blog. Não perde uma chance de se vangloriar. Coisa de gremista, mesmo.

  10. Gabriel disse:

    Quanta história triste rapaz!!! não conhecia nenhuma história dessas e da até pra chorar com tamanha injustiça em cada um dos casos… a história do Damon então, que coisa heim!!!

    Obrigado pela história Capelli, valeu em muito a leitura.

    abracos

  11. Fernando Cataldo disse:

    Nelson Piquet Jr. GP da Alemanha em 2008. Cadê? E não concordo com seu critério para não colocar o Fisichella em SPA 2009. Mas enfim, de que adianta eu concordar se você é estrela e ainda vai me dar uma zuada por aqui, né?

  12. ALEX disse:

    Essa do Hill eu me lembro qdo vi em 1997.. ate tentei acha a corrida toda mas nao consegui… aqui tem o link das ultimas voltas e a ultrapassagem do Villeneuve: http://www.youtube.com/watch?v=HSa9o6SwtiI foi incrivel mesmo…

  13. Fabio disse:

    Capelli, e os bons momentos de Fisichella na Force India, em Spa e Monza, cabem nessa descrição?

    • Capelli disse:

      Ele foi bem, mas também não brigou pela vitória, né? Largou na pole, andou na frente no comecinho, depois ficou pra trás.

      • Sanzio disse:

        Ô se brigou! Mas toda vez que descontava tempo, estava chegando perto da Eau Rouge, onde a Ferrari tinha larga vantagem por dispor do KERS. Só perdeu por causa disso.

        • Júlio Lima disse:

          Concordo com o Sanzio. Fisichella brigou e muito. Em minha opinião, até mais do que o Perez que, na hora em que chegou mesmo, errou e não teve mais chance.

          O Fisichella, ao contrário, passou quase a corrida toda forçando a passagem sobre o Raikkonen.

  14. Rodrigo Felix disse:

    Maneiríssmo post.

    Highlights: coito interrompido, pay-per-drive…. kkkkkk

    Parabéns tb pela imparcialidade ao falar do seu imbuste…. o capelli de mentira…kkk

    Essa do Hill me faz chorar até hj… foi, de longe a maior injustiça da F1… mais pelo piloto, bom caráter e filho de Grand Hill do que pela Arrows, que era obscura e tom walkinshaw, que era amiguinho de briatore nos tempos de benetton….

    Mas como foi bem dito, a vitória de Spa em 1998 sacramentou o talento de Hill e calou os críticos

    Valeu Capelli!

  15. Mauricio disse:

    Olá Capelli!
    Houve também o segundo lugar do Barrichello com a Stewart em Mônaco/97. Acho que poderia entrar nessa lista também, pois era a temporada de estreia da equipe, e um piloto que buscava um recomeço.
    Abraço!

    • Capelli disse:

      Por este aspecto, sim. Mas Rubens e a Stewart nem sequer beliscaram a liderança… foi uma bela corrida, mas diferente dos casos citados, não houve a iminência de uma vitória.

      • Rodrigo Felix disse:

        Não houve iminência de vitória no q diz respeito a performance da Stewart/Rubinho, mas o Schumi errou numa volta, passando reto na Sainte Devote.. por sorte tinha área de escape… mas serviu pro Galvão quase infartar…kkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>