MENU

27 de maio de 2012 - 13:14Análises, Automobilismo

Cada vez melhor

Senhoras e senhores, temos um campeonato! O GP de Mônaco pode não ter sido grande coisa, pelas próprias características do circuito, mas do ponto de vista histórico, foi legal demais. O vencedor, Mark Webber, foi o sexto diferente em seis corridas disputadas, um fato inédito na F1. Fernando Alonso, com a Ferrari underdog, foi terceiro e voltou para a liderança da tabela. Apenas três pontos separam os três primeiros do campeonato: Alonso tem 76, Webber e Vettel têm 73. Na prática, um empate técnico.

A Red Bull salta na frente por ter sido a primeira equipe a vencer duas provas na temporada e por isso é líder do mundial de construtores. Porém, não dá para cravar que seja a grande favorita e que vá continuar vencendo com frequência. É um campeonato assim, de altos e baixos, e a regularidade cada vez surge mais importante.

Até porque ainda há outras variáveis que estão – por enquanto – fora da disputa. Inacreditável que Lewis Hamilton, por exemplo, não tenha ganho nenhuma prova até aqui. Cedo ou tarde vai ganhar, e não duvido que seja daqui a duas semanas no Canadá. Foi lá que conquistou sua primeira pole e vitória na Fórmula 1, é um circuito no qual normalmente vai bem (quando não bate). A Lotus é outro time cuja vitória está batendo na trave. Se Kimi Raikkonen conseguir ser um pouco mais cuidadoso com seus pneus, entra na briga. E também não dá pra desconsiderar Michael Schumacher. Tá velhinho, não é mais o gênio de outrora, mas a pole-que-não-valeu em Mônaco serviu para mostrar que não é carta fora do baralho. E até Felipe Massa, que neste final de semana não deixou nada a dever. Tivesse conseguido uma posição de largada melhor – tinha condições, mas foi atrapalhado na volta rápida -, brigaria fácil pela ponta.

As últimas voltas do GP de Mônaco, com menos de três segundos separando seis carros que brigavam pela vitória, são o retrato perfeito do equilíbrio da categoria em 2012. Fosse um circuito com um pouquinho mais de espaço, teríamos uma profusão doida de ultrapassagens no momento em que a garoa caiu e juntou todo mundo. Não rolou, mas é Mônaco, faz parte. Webber, justamente o cara que reclamou que “muitos vencedores atrapalham um campeonato”, foi ironicamente o detentor da sexta vitória sortida. É o campeonato mais doido, embolado e imprevisível que já tive o prazer de acompanhar. A Pirelli acertou na mosca com estes pneus mutantes.

Hoje, por exemplo, a estratégia-padrão era de duas paradas. Sebastian Vettel tentou tirar um coelho da cartola, não foi para a pista no Q3 para guardar um jogo de supermacios e poder ficar mais tempo com eles na pista do que os demais, que largariam com pneus usados. Saiu em nono e poderia, até, arriscar uma só parada. Porém, o clima esfriou um pouquinho, não havia sol, e os pneus supermacios resistiram muito além do previsto, cerca de 30 voltas. Assim, a segunda parada foi descartada e a estratégia de Vettel não funcionou como o esperado. De qualquer forma, ganhou posições e terminou a corrida em quarto.

A grande variável da corrida foi a chuva, que ficou só na expectativa. Todo mundo ficou esperando ela para daqui a cinco minutos, num ciclo eterno que nunca se confirmou. Nas últimas voltas, uma garoa mais forte caiu, juntou-se o pelotão da frente, houve um prenúncio de uma briga histórica pela vitória, mas logo depois parou e o trenzinho de Webber ganhou contornos finais. Quem arriscou tudo e perdeu foi a Toro Rosso. Jean-Eric Vergne vinha uma excepcional sétima posição e, assim que começou a garoar, parou para colocar intermediários. Se a chuva apertasse, ganharia a corrida. A chuva parou e ficou se arrastando na pista com os calçados errados. Foi apenas 12º.

Lição da corrida: previsão meteorológica na F1 é tão confiável quanto ler o horóscopo.

Comentários do Facebook

comentários

5 comentários

  1. Vitor disse:

    Se considerar quem tem carro pra vencer, poderiamos ter Hamilton, Kimi, Grosjean, Massa. Somando aos 6 vencedores, teriamos 10 vencedores diferentes no ano. Isso ja existiu no passado?

    Sem contar azarões como Senna, Perez e o mito. Aí seriam 13. Sonhar não custa nada.

  2. Felipe Fugazi disse:

    Ironias da vida:
    - Schumacher tão contestado, marca o melhor tempo da qualificação, e mostra que ainda tem lenha pra queimar.
    - Webber que criticou o grande numero de vencedores na temporada, vai a Mônaco, e se torna o sexto vencedor em seis corridas.

  3. Tá na hora de a F1 voltar a usar o sistema antigo de previsão.

    http://homepage.ntlworld.com/phqfh1/wx-stone2.jpg

    Este nunca falhou.

    • Rodrigo disse:

      hhahahahahaha…. muito bom….

      Mas tem uma coisa: em Interlagos-2009, quando caiu aquele dilúvio nos treinos de sábado, a Rádio Bandeirantes tava falando com um cara ao vivo que fazia as previsões. E dava uma baita raiva: “olha, tem umas nuvens mais pesadas chegando, e a chuva vai aumentar daqui sete minutos”. Pimba, chuva forte. “Olha, a chuva diminuiu, mas tem outra nuvem chegando em 12 minutos”. Chuva forte de novo. “Tem umas nuvens vindo da região de Sorocaba. Em uns 25 minutos vai chover bem forte”. E, de novo, no tempo certo, vinha a chuva. Deviam contratar esse cara….

    • Ron disse:

      KKK!!!
      Fazia tempo que eu não via isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>