MENU

8 de maio de 2012 - 21:39Automobilismo, Colunas, História

Coluna de hoje – Nosso doido favorito

Insano, alucinado, doido, destemido, kamikaze. Mas, acima de tudo isso, um baita piloto. Assim era Gilles Villeneuve, cuja morte completa 30 anos hoje, num terrível acidente durante o treino de classificação para o GP da Bélgica, em Zolder. O canadense teve uma passagem meteórica pela Fórmula 1, mas permanece até hoje vivo na memória dos fãs, ainda que tenha disputado apenas quatro temporadas completas na categoria. Sua passagem foi fugaz, mas apaixonante.

Gilles estreou na F1 em 1977, com um terceiro carro da McLaren, no GP da Inglaterra. Foi indicado por James Hunt, a quem havia batido em uma prova de F2 no ano anterior. Chamou a atenção com um nono lugar no grid e na corrida chegou a andar em 6º lugar, embora tenha terminado em 11º, fora da zona de pontos. No entanto, foi o suficiente para chamar a atenção de Enzo Ferrari. O comendador ligou para Villeneuve, que imediatamente abandonou seu acordo de disputar mais três corridas pela McLaren e passou a negociar com a equipe italiana, visando a temporada de 1978. Niki Lauda, então primeiro piloto e brigado com toda a equipe, conquistou o título mundial com duas corridas de antecedência e mandou avisar que não sentaria mais em nenhum dos carros vermelhos. Foi a oportunidade de Villeneuve, que estreou pela Ferrari naquele ano mesmo, no GP do Canadá. Ali nasceria uma parceria para toda a vida, literalmente.

Continue lendo no site Grande Prêmio.

Comentários do Facebook

comentários

14 comentários

  1. George McCrae disse:

    CAPELLI, ME RESPONDA ESSA TAMBÉM, MUDANDO UM POUCO O ASSUNTO SOBRE GV. PORQUE NÃO FAZ UMA MATÉRIA SOBRE OS MAIORES BOATOS DA F1 ATÉ HOJE, COMO EXEMPLO: SENNA NA FERRARI, EMERSON TAMBEM NA FERRARI, GILLES NA WILLIAMS OU O GUGELMIM NA WILLIAMS EM 1986. AGUARDO A TUA RESPOSTA ME AMIGO GREMISTA. SOU TRICOLOR TAMBEM.

  2. George McCrae disse:

    Capelli da Leyton-House 16, me responda uma coisa? Caso não existisse esse 8 de maio do ano que nasci, GV iria mesmo para a Williams em 1983 em virtude do desentendimento com Pironi?

  3. George McCrae disse:

    Quanta falta faz o número 27… número de pilotos arrojados como Gilles e Jean Alesi.

  4. Daniel Faria Batista disse:

    Sem duvida era um excelente piloto. Me lembra muito um outro ferrarista, que só ganhou uma corrida, mas tinha a mesma paixão e coragem. Lembrado até hoje pelos tifosi. Jean Alesi.

  5. mrjairo disse:

    sabe pq não existem mais pilotos como gilles???
    pq hoje assim como no futebol…todos correm (jogam) por dinheiro,,, contratos que não te permitem nada…james hunt era playboy, amanhecia bebendo curitndo sentava a bota no domingo de manhã…inadmissivel aos olhos dos “donos” do espetáculo hoje…muita regra…não se pode disputar uma freada…ultrapassar por fora…ou uma ou outra ousadia sequer…a dita comissão que assiste as corridas ce acha no direito de punir ou não o piloto mais arrojado…pode??? sinceramente pior do q tudo isso é essa tal de asa móvel que facilita a ultrapassagem apenas em lugares pré estabelecidos por algum cartola,,, ultrapassagem??? tem a coragem de chamar isso de ultrapassagem??? vc pode utilizar e eu não…bem feito quem manda estar a frente…

  6. ALAN disse:

    na minha opinião o maior e melhor pega da f1 de todos os tempos foi no gp de Dijon,em 1979,nas voltas finais com Gilles e Rene Arnoux disputando a 2º posição.Eu já vi o video umas 100 vezes,e não me canso de olhar.Realmente e de causar calafrios.Quem nunca viu dá uma olhada no youtube,vale a pena.Até hoje nunca vi nada igual,e é muito provável que nunca veja.

    • luis fernando-rio de janeiro disse:

      se isso acontecesse hj os dois seriam desclassificados e nunca mais correriam nem de carinho de rolimã,os comissários estão cada vez piores.

  7. Marcos Gonçalves disse:

    Homenagem merecida ao Gilles, que marcou época apesar de não ter sido campeão.

  8. R.CASAGRANDE disse:

    Eu considero Senna e Schumacher melhores apenas por serem mais completos, mas em termos de arrojo e paixão, o Gilles não é superado por ninguém. O Hamilton hoje é bastante agressivo e dá show, mas não é nem 5% do que o Gilles fazia. Eram tempos que permitiam isso, e a F1 não tem mais espaço para esse tipo de coisa…
    PS: bem que poderiam fazer homenagens a Jim Clark e Ronnie Peterson, que foram outros grandes de todos os tempos.

    • Gerhard Berger disse:

      Alguns dizem que Ronnie Peterson, falecido em 1978, era mais alucinado que Villeneuve.

      Villeneuve tem parte de sua fama por ter sido um piloto Ferrari.

      Interessante lembrar que Villeneuve e Peterson eram conhecidos “boa-praças”. Eram de boa convivência e gostavam de fazer amigos. Deve ser parte do espírito apaixonado.

      • Carlos Gil disse:

        O Ronnie Peterson não era mais alucinado que o Gilles Villeneuve, era “apenas” outro exímio equilibrista ao volante.
        O que os unia era o seu controlo do carro, mesmo quando ultrapassavam os seus limites, eles eram reconhecidos como sendo habitualmente mais rápidos que os carros que tripulavam, e ambos foram sempre espectaculares em pista.
        O que os diferenciava é que o Peterson já tinha mais de vinte anos de monolugares e estava no seu oitavo ano de F1, e era já um piloto maduro e bem mais experiente do que o Villeneuve, pois apenas se encontraram em pista nos primeiros GPs do canadiano, final da temporada de 1977, e a de 78 até Monza.
        E de facto Peterson e Villeneuve eram aquele tipo de pessoa de que todo o mundo gosta, eram até algo íngénuos, talvez também por isso nunca chegassem a ser campeões.
        Mas adoravam pilotar flat out muito para além dos compromissos de outros, e por isso ainda hoje são lembrados.
        Foi um previlégio puder assistir a GPs com esses dois Pilotos em pista.
        Até sempre.

  9. Daniel Pescadinha disse:

    Parabéns pelo texto exato. Hoje se fala tanto de pilotos que às vezes pecam pelo excesso, como Hamilton, ou que dão show, como “o mito” Kobayashi. Para mim, são apenas sobras do arrojo de muitos pilotos do passado, dos quais Gilles talvez seja a referência. Parece saudosismo de velho, mas a F1 dos anos 70-80 fica melhor a cada ano que passa…

  10. Gerhard Berger disse:

    Belo texto e excelente comparação com Senna e Mansell.

    Acho que Gilles foi “fantástico”, mas não o coloco entre os “grandes”.

    Obs: Acho que os últimos pilotos-paixão da F1 são Raikkonen e Kubica, apesar de não chegarem perto de Villeneuve, Peterson, Mansell ou Senna.
    Kubica, inclusive, também teve sua carreira interrompida num grave acidente.

  11. Ótima homenagem a um dos maiores pilotos que a Fórmula 1 já viu. Villeneuve deve ser sempre lembrado, assim como Ayrton Senna, Michael Schumacher, entre outros. São pessoas que mostraram o que é determinação, talento, esforço, oportunidade, possibilidade, enfim, todas as coisas boas que um cidadão deve ter em sua personalidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>