MENU

13 de novembro de 2007 - 23:01Curiosidades, História

Philippe Adams – símbolo do fim da Lotus


Adams no cockpit da Lotus: bastou acionarem os motores para a alegria acabar rapidinho.

Philippe Adams não mereceria qualquer menção na história da Fórmula 1, nem sequer em notas de rodapé, não fosse o fato de ter sido, provavelmente, o pior piloto da história a ter guiado um carro da lendária equipe Lotus.

Praticamente falida e precisando desesperadamente de dinheiro, a outrora vencedora Lotus se viu obrigada a alugar um de seus cockpits para pilotos aventureiros nas últimas provas da temporada de 1994, como forma de garantir sua sobrevivência pelo menos até o final do ano. E um dos pay-per-drivers que bateram à sua porta foi Philippe Adams, um belga sem muita história no automobilismo (duas vitórias na F3 inglesa em 1992 e só), mas com uma mala cheia de dinheiro.

Negócio fechado, dinheiro no banco, lá foi o feliz Philippe disputar três corridas de F1 pela equipe que um dia teve gênios do estirpe de Ayrton Senna, Emerson Fittipaldi, Jim Clark e Graham Hill ao seu volante. A estréia, vejam só, seria justamente em casa: no GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps.

Logo nos treinos de sexta pela manhã, com chuva, começou o pesadelo: em sua primeira volta rápida, Philippe Adams perdeu o controle de sua Lotus na entrada da reta dos boxes e foi direto e reto ao guard-rail. Treino interrompido, equipe trabalha para reconstruir o carro, o piloto volta para a pista e “bam!”, arrebenta novamente seu carro na reta dos boxes. Dessa vez, batendo de traseira.


Imagem rara: a Lotus de Adams alinhada e com as quatro rodas no asfalto.

E assim se seguiu o final de semana, com Adams perdendo o controle do carro e rodando por diversas vezes. O belga conseguiu ainda classificação para a corrida, na 26ª e última posição, a longínqüos 13s do pole position Rubens Barrichello. Do companheiro de equipe, Johnny Herbert, levou “apenas” 6 segundos.

Durante a corrida, com tempo seco, até que Adams conseguiu se manter um pouco mais na pista. Porém, na 16ª volta, teve de abandonar. Motivo? Perdeu o controle da Lotus e rodou, ficando atolado na caixa de brita.

Pelo contrato com a equipe, Adams cedeu o cockpit novamente para Alessandro Zanardi para o GP da Itália, mas retornou para sua segunda participação duas semanas depois, em Portugal. O resultado foi menos vexatório, mas não menos pífio. O belga largou em penúltimo lugar, a 2 segundos do companheiro Herbert e terminou a prova na 16ª e última posição, a 3 voltas do companheiro de equipe.

Adams deveria disputar ainda o GP da Europa, em Jerez, mas foi dispensado pela Lotus. “Dinheiro não é tudo”, deve ter concluído a equipe, provavelmente procurando encerrar com um mínimo de dignidade sua participação na Fórmula 1. Ao final da temporada, depois de alugar o cockpit para Mika Salo nas duas últimas provas, a equipe fechou suas portas, dando fim a uma história de quase 40 anos, 79 vitórias e 6 títulos mundiais.

Philippe Adams nunca mais foi visto na Fórmula 1. Junto com ele e com a Lotus, desapareceram também os belgas. Ele foi o último piloto nascido na Bélgica a competir na categoria, que já está há mais de 13 anos sem representante do país.

Comentários do Facebook

comentários

11 comentários

  1. Anonymous disse:

    Mandrake, você esqueceu de Éric Bernard. Ele, após “tirar férias” da Ligier, também correu pela Lotus.

  2. Capelli disse:

    Rafael, o Gachot não nasceu na Bélgica, mas sim em Luxemburgo. Ele tinha nacionalidade belga, mas era nascido em outro país.

    Repare que o texto fala que Adams “foi o último piloto nascido na Bélgica a competir na categoria”.

    Abraço,

    Capelli

  3. Rafael disse:

    Há uma informação errada ai.

    Ele não foi o último belga na F1. Seu compatriota Bertrand Gachot, disputou a temporada de 1995 pela equipe Pacific

  4. Meko disse:

    fabio, o comentário da Cassio se deve a que Irvine chocou o carro da Herbert na prima volta do GP italiano do 1994.

  5. Fábio Mandrake disse:

    Irvine nunca pilotou pra Lotus.
    Em 1994 pilotaram a Lotus, Phillipe Adams, Pedro Lamy, Johnny Herbert, Alessandro Zanardi e Mika Salo.A equipe conseguiu 5 sétimos lugares.

  6. Anonymous disse:

    maldito seja junto com o Irvine acabou com a lotus po era tão dificil pilotar um f1?

    mas o carro é bonito pelo mesmo não tanto quanto as camel,John Player Special e castrol mas era bonita

    cassio

  7. Leandro Kojima disse:

    Pela foto dele no cockpit, bem ao estilo “vou colocar depois no meu orkut”, dá pra ver como o rapaz é sério…

  8. Leonardo disse:

    “Imagem rara: a Lotus de Adams alinhada e com as quatro rodas no asfalto.”

    Eu ri muito quando li isso! Muita mancada!!!

  9. Kadu Nogueira disse:

    Capelli, você esqueceu o Piquet na lista dos gênios que guiaram pela Lotus…

    Abraço,

    Kadu

  10. bafo disse:

    considerando que o cara tinha vencido 2 corridas na F3, imaginem o que os pilotos “ruins” lá teriam feito na F1.

  11. Fábio Mandrake disse:

    Que falta faz belgas como Jacky Ickx e Thierry Boutsen!O último desse belo país a sentar num F1 foi Bas Leinders testando a Jordan e a Minardi em 2003 mas não teve talento nem grana pra representar bem seu país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *