MENU

19 de outubro de 2008 - 6:13Análises

Rapidinhas – GP da China

Foto: Bridgestone

Foto: Bridgestone

- Anticlímax. Se há um termo para definir o GP da China, não imagino outro mais apropriado. Enquanto imaginava-se uma disputa ferrenha pela vitória, com Lewis Hamilton e as Ferrari brigando segundo a segundo, até com possibilidade de chuva, a realidade materializou-se numa corrida sem graça, decidida nos primeiros metros, antes da primeira curva.

- Não que a culpa pela monotonia chinesa tenha sido do circuito, dos carros ou da ausência de chuva. A grande verdade é que a competência do binômio McLaren-Hamilton transformou uma corrida apertada numa vitória fácil. O inglês venceu com méritos, largando bem e disparando na frente, confirmando o domínio visto nos treinos livres e na classificação.

- E isso reflete o que é a Fórmula 1. Salvo raras exceções, as grandes emoções acontecem no erro, no inesperado, no imprevisto. Falei disso aqui no ano passado. E quando sobra competência, o resultado é o que se viu na China. Pole position, melhor volta e vitória do melhor piloto da temporada, apesar dos erros cometidos ao longo do ano. Não é para menos que a era Schumacher, que combinou a equipe mais organizada da história com o piloto mais competente, transformou a categoria numa sucessão de corridas monótonas por anos e anos.

- Tenho predileção pelo Lewis ligado no modo vaca-louca, mas a verdade é que, para ser vencedor, é necessário controlar o ímpeto. E hoje o inglês foi perfeito. Corrida de campeão.

- O segundo lugar de Felipe Massa foi o máximo possível para a Ferrari, visto o assombroso domínio da McLaren de Hamilton. Ainda precisou da ajuda do companheiro de equipe, que cedeu posição nas voltas finais.

- Não vejo motivos para críticas, é reta final da disputa pelo título mundial e o jogo de equipe, nestes casos, é perfeitamente aceitável. Inaceitável é uma atitude como essa no começo da temporada, quando o primeiro piloto já lidera com grande vantagem. Não há motivos para excomungar a escuderia italiana. Foi assim no GP do Brasil do ano passado, foi assim hoje e será assim sempre que necessário. Como também já foi no passado com outras equipes.

- Com sete pontos de vantagem a uma prova do fim, Lewis Hamilton encaminha o título mundial. Salvo alguma grande besteira ou uma quebra mecânica em Interlagos, leva o campeonato. Precisa apenas de um quinto lugar, algo perfeitamente possível. Óbvio, até.

- Sobre a corrida em si, a largada definiu tudo. Assim que Lewis saiu com vantagem da primeira curva, com Raikkonen em segundo e Felipe em terceiro, estava escrito o resultado final. Não havia como as Ferraris buscarem a McLaren e o restante da corrida seguiu um script sonolento. Principalmente quando já são mais de cinco da manhã.

- Fernando Alonso, quarto, está impressionante na reta final do campeonato. O espanhol, mais uma vez, dá mostras do quanto seu trabalho é capaz de levantar uma equipe. No último quarto de campeonato a Renault transformou-se na terceira força da Fórmula 1, jogando a BMW para escanteio.

- BMW, aliás, que agora ficou sem chances matemáticas de ser campeã com Robert Kubica. Só a vitória de Lewis já eliminaria o polonês da disputa, mas o segundo lugar de Felipe Massa, somado ao seu sexto lugar, tirou do narigudo de Cracóvia inclusive as chances de ser vice-campeão.

- Oitavo lugar para Nelsinho Piquet, que coloca mais um ponto no bolso. Como levantaram Marcus Lellis e Chico Luz, do Grande Prêmio, mesmo contestado, o filho do tricampeão é o brasileiro que mais pontos marcou em seu ano de estréia na Fórmula 1. É lógico que hoje a pontuação é diferente, é lógico que ele tem uma Renault na mão. Mas a verdade é que, mesmo com altos e baixos, Nelsinho não faz um campeonato tão horrendo quanto parece. Talvez seja tudo uma questão de quebra de expectativa.

- Rubens Barrichello, em sua penúltima corrida de Fórmula 1 (até que se prove o contrário), terminou num bom 11º lugar. Uma posição bem elevada para as pretensões da Honda. Seu companheiro Button, por exemplo, só chegou na frente do Fisichella, em 16º.

- Heikki Kovalainen, que abandonou, decepcionou outra vez. Não teve culpa pelo pneu furado, mas mesmo assim, outra vez fez uma corrida muito abaixo da média. Chegaria em quinto ou sexto, se muito. Pouco para alguém cujo companheiro, com o mesmo carro, dominou a corrida por inteiro.

- Aliás, Fernando Alonso ultrapassou o finlandês da McLaren hoje no mundial de pilotos, jogando Heikki para o sétimo lugar. Ruim é pouco para definir o ano de Kovalainen, que teve como ponto alto uma vitória casual na Hungria, herdada a três voltas do fim.

- Não é para menos que a McLaren tem dificuldades no Mundial de Construtores. A Ferrari abriu hoje em Xangai mais quatro pontos na liderança, tendo agora 11 de vantagem. Para os carros prateados levarem o caneco, só um milagre em Interlagos.

- Milagre que, por sua vez, fica sendo esperado por Felipe Massa no GP do Brasil. Precisa ganhar e ainda torcer para que Hamilton não seja mais do que sexto. Difícil.

Comentários do Facebook

comentários

11 comentários

  1. João disse:

    E agora já ninguém fala das super-capacidades de Massa nas qualificações, depois de ter sido batido por Räikkonen duas vezes seguidas mesmo tendo o carro mais leve??

  2. Cassio disse:

    mto bomk esse seu novo lugar

    quero q vc me esclareça uma coisa
    a TR é verdade que elea teve um de seus píores findi esse ano?????
    desculpe os erros de portugues

    ja levou só se estourar o pneu
    nas voltas finais que nem o Mansell a vinte e poucos anos
    Mas o Kova que mediucridade é essa em companheiro

    3 vezes no pódio kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Abreu disse:

    É só uma opinião. Talvez atualmente exista três níveis de pilotagem. Hamilton e Alonso num primeiro nível. Massa, Raikkonen, Vettel e Kubica num segundo e Rosberg, Piquet, Glock e Kovalainen num terceiro. Hamilton e os quatro últimos oriundos da GP2. Fato é que o Hamilton sobra na turma dos cinco da GP2, mas o Piquet não está muito fora do padrão. Tanto é que tem dois pontos em relação ao Rosberg, com três temporadas, e com pouca diferença de equipamento. Piquet tá merecendo mais um ano, seja na Renault ou em outra equipe.

  4. ANDREZZA DE ABREU disse:

    Concordo contigo, seria muito vergonhoso os erros do ano passado se repetirem e muita incompetência. Talvez Felipe tenha alguma chance se Lewis largar mal e vier pra cima, pois o inglês sobre pressão parece até outro piloto, enquanto felipe me parece lidar melhor com isso, mas pouco provável, a não ser que Deus ou San Ganchao, famoso santo espanhol, venha dar uma ajudinha a nós brasileiros e puna hamilton pela sua arrogância desmedida hj em entrevista coletiva após a corrida, acho que nem ele nem a mclaren são os mais indicados para cantarem vitória de alguma coisa porque o campeonato só acaba quando termina…
    Mesmo assim, é uma pena para Felipe que se mostrou um guerreiro esse ano, superando sua próprias limitações, errou? errou, mas quem não errou esse ano?
    um titulo pra o brasileirinho da ferrari seria bem justo, por tudo que le teve que aguentar essa temporada, vítima da equipe que o atrapalhou e da imprensa que o atacou de todas as formas quando as performances não foram das melhores…
    Torço pela McLaren, mas na reta final do campeonato meu coração brasileiro falou mais alto, só posso desejar força para Felipe e sorte pq ele vai precisar de toda, mas quem sabe? talvez ele tenha a tal estrela dos campeões…

  5. Ricardo Lacerda disse:

    A Ferrari deve levar o título de construtores, pois a McLaren é equipe de um piloto só. Como esse Kovalainen é limitado. Se não estou enganado, ele só subiu ao pódio 3 vezes esse ano.

  6. Sheldonn Rêis disse:

    Capelli acompanho seu blog há muito tempo e concordo com quase tudo que escreves, mas permita-me discordar de uma afirmação sua.
    Geralmente atribuímos qualidades a esportista quando estes conseguem bons resultados. É inegável que o Lewis Hamilton é um excelente piloto e que tem um talento natural, algo que o Felipe Massa não possui de maneira tão latente, no entanto, apesar dos dois excessos cometidos nas duas primeiras corridas da temporada, o piloto brasileiro se mostrou um competidor forte e extremamente consistente. Quando tinha carro para brigar pela vitória brigou e quase sempre venceu, salvo quando esta não foi dele tirada pela própria equipe. Felipe não contou com algo que o Lewis tem de sobre: sorte. Esse também é um fator determinate para se ter êxito no campeonato.
    Lewis é melhor piloto do que o Felipe? Talvez, mas com certeza o nome da temporada foi Felipe Massa, que provavelmente não será campeão, mas nos trouxe de volta essa bela emoção de disputarmos um campeonato de F1 ponto a ponto tal qual o mito Ayrton Senna o fez por várias vezes.
    Assim como todos os brasileiros, estou de coração cortado pelo Felipe, mas o nosso piloto é bom demais.
    Forza Felipe, se nessa não deu, o próximo ano vem aí.
    Obs: Equipe Ferrari, que atuação pífia. Deviam todos pedir desculpas ao Felipe e ao Raikonnen.
    Desabafei.

  7. Hugo Becker disse:

    O segredo para Hamilton manter-se equilibrado em um momento decisivo como esse, parece ser um só: não se ver atrás de ninguém. O inglês é excepcionalmente rápido e talentoso, mas o que ativa sua porralouquice, definitivamente, é ter qualquer adversário à sua frente. Isso ocorreu no Japão, mas não ocorreu na China. A vitória veio sem nenhum susto. O título está nas mãos dele.

    http://mottorhome.blogspot.com

  8. Francisco Luz disse:

    Capelli, obrigado pela deferência, mas a matéria sobre o Nelsinho melhor estreante é do Marcus Lellis, não minha. Eu só fui o colaborador.

    E Hamilton já levou essa, impossível de repetir 2007.

  9. Fabio disse:

    Capelli, você está falando como a McLaren e o próprio Hamiton, pelas entrevistas deles, nes momento, pra RTL alemã. Já se consideram campeões, não estão tendo vergonha de mostrar isso. A diferença, Capelli, é que você não ganha nada pra dizer isso. A RTL sim, e muito, da patrocinadora Mercedes.
    Brasileiro torcendo pra estrangeiro….por isso tem tantos aqui fazendo coisa inomináveis.

    • Capelli disse:

      Fábio, não há qualquer torcida nos comentários. O fato é que a McLaren só não será campeã se for muito incompetente. Está tudo com eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>