MENU

21 de março de 2009 - 19:19Curiosidades, História

Regras esdrúxulas

Bernie & Max, tantando conquistar o mundo

A semana que passou foi permeada pela polêmica levantada pela brilhante dupla “Bernie & Max”, que chocou o mundo ao mudar as regras que definiam o título mundial de pilotos da Fórmula 1 a menos de dez dias do início do campeonato. Depois da reação negativa das equipes, os dirigentes da FIA e da FOM desistiram de impôr a medida e o campeonato deverá seguir como se espera: quem faz mais pontos leva o título. Porém, não é a primeira vez que Pinky e Cérebro têm ideias brilhantes, muito pelo contrário. Além de algumas regras esquisitas que chegaram a ser implantadas, ainda houve outras que, felizmente, nunca saíram do papel.

Dentre as maluquices que realmente aconteceram, ganha destaque a regra para os treinos de classificação em 2005. Para aquela temporada, foi inventada uma classificação extra aos domingos pela manhã, horas antes da corrida. As posições de largada eram definidas pela soma dos tempos da classificação de sábado e do treino extra de domingo. Uma regra difícil de acompanhar e com horários absolutamente fora do usual. O piloto dava uma volta e seu tempo precisava ser somado ao do dia anterior para saber em que posição ele largaria. Algo absolutamente esdrúxulo.

Com isso, o treino de sábado foi esvaziado, pois a reação do público foi: “para que ficar uma hora vendo uma classificação que não define nada?”. Houve queda na audiência aos sábados e as transmissões do treino de domingo na Europa tiveram uma audiência ridícula, sendo que nem sequer foram exibidos em alguns países. Por aqui, você acordava para ver a corrida e só nessa hora sabia quem largaria na frente, a não ser que tivesse disposição para levantar às cinco da manhã aos domingos, entrar na Internet e acompanhar a sessão. O sistema, obviamente, foi extinto depois de seis corridas. A partir do GP da Europa, sétima etapa do campeonato, o pole position voltou a ser definido no sábado.

Antes disso, em 2004, já haviam tentado uma alteração igualmente estúpida para a classificação. Os pilotos entravam na pista, de um em um, e davam uma volta rápida. Terminada essa fase do treino – que já durava quase 50 minutos -, os tempos obtidos indicavam a ordem na qual eles voltariam à pista para dar as voltas que realmente valeriam para a formação do grid. O mais lento era o primeiro a ir para a pista e o mais rápido era o último. No geral, o formato do treino passou a ter quase duas horas, praticamente o tamanho de uma corrida. Chato de acompanhar e inútil, ainda durante a temporada o sistema foi modificado, com os tempos de sexta passando a valer para a ordem de entrada no treino de classificação de sábado. Algo que, se não era muito lógico, pelo menos não obrigava ninguém a ficar quase duas horas vendo um carro dar uma volta na pista por vez.

Mas Bernie & Max ainda tiveram pelo menos outras duas ideias ainda mais absurdas que, felizmente, nunca passaram de balões de ensaio. Em 1989, incomodado com três vitórias consecutivas de Ayrton Senna no começo do campeonato, que se desenhava um passeio fácil do brasileiro (e acabou não sendo), Ecclestone foi a público defender uma “punição” ao vencedor. Sim, isso mesmo. Na época, não havia reabastecimento e os pit stops não eram obrigatórios. Então, Bernie passou a defender que o piloto vencedor de uma prova deveria obrigatoriamente fazer uma parada para troca de pneus na corrida seguinte. Se vencesse duas seguidas, deveria parar duas vezes na prova seguinte. Se ganhasse três, então três pit stops, até que finalmente parasse de ganhar. Fico imaginando essa regra em 2004, Schumacher seria capaz de vencer corridas até com seis paradas de box.

E a cereja do bolo veio da mente brilhante de Max Mosley, em 2002. Depois de um ano de domínio absoluto da dupla Ferrari/Schumacher, o presidente da FIA passou a defender um “rodízio de pilotos”. Antes de cada corrida, pilotos e equipes seriam sorteados aleatoriamente. Seria possível ver Schumacher na Minardi, Montoya na Jaguar, Alex Yoong na Ferrari. De tão absurda, a ideia nem foi levada a sério e logo foi esquecida. Mas suscita um pensamento preocupante: é na mão destes sujeitos que está a maior categoria do automobilismo mundial. Se ela sobreviver a eles, sobreviverá a qualquer outra coisa.

Comentários do Facebook

comentários

50 comentários

  1. [...] era obrigatório (mais detalhes sobre regras sem pé nem cabeça, veja no Blog do Capelli). Não é o caso do que você vai ler [...]

  2. rubrns filho disse:

    Capelli , porque estas regras não são elaboradas por montadoras, construtores donos de equipes, engenheiros e pilotos? ou seja um conselho geral.

  3. rubrns filho disse:

    Capelii e Outros.
    alquem lembra … ? da confraternização que o AYRTON SENNA realizava; em que ele convidava pilotos para uma corrida de Kart?
    Bem resumido: O melhor tempo para a “CORRIDA” , sempre largava em Último, o segundo melhor em penultimo da fila; e assim sucesivamente. Esta prática? se realizada na F1; Seria ou poderia ser considerada uma REGRA ESDRÚXULA? OBRIGADO A TODOS E AO MESTRE CAPELLI, aprendo muito neste SITE.

  4. rubrns filho disse:

    encontrei aqui dois profetas, e os parabeniso por seus comentrios.
    Será; que os criadores de Regras não querem trasformar a F1, em uma copa do mundo de pilotos e costrutores?
    Os melhores e mais economicos se encontrariam de tantos em tantos anos.
    REGRA MAIS ESDRÚXULA QUE ESTA SÓ NA CABEÇA DE UM LOUCO!
    não permitam que os criadores de regras leiam isso. KKKKKKK
    A ferrari ja mostrou como responder estas Gegras Esdrúxulas.

    SIM…….
    G. AMORIM (23/03/2009 as 11:07hs), e VAGNER (as 11:41hs)

  5. [...] adoção do safety-car e do reabastecimento no início da década de 90, as sucessivas formatações da classificação, ou mesmo a recente e malograda sugestão na mudança do sistema de pontuação, são exemplos do [...]

  6. [...] Bernie & Max, que chocou o mundo ao mudar as regras que definiam o título. fique por dentro clique aqui. Fonte: [...]

  7. Gustavo AM disse:

    A mais ridícula que foi praticada foram os dois treinos com tempos somados em 2005, completamente maluca e para deixar qualquer um sem interesse pelos treinos.
    Agora, aquela de sortear equipe seria uma imbecilidade, Schumacher na Minardi, Yoong na Ferrari ia ser dose.

  8. Grün disse:

    Brilhante texto, brilhante pesquisa, brilhante encerramento. Só você para colocar todas estas pérolas no mesmo baú… Parabéns!

  9. Guga. disse:

    Ah, e outra, o sistema de pontos nunca deveria ter mudado! Parece coisa de criança que não sabe brincar!

  10. Guga. disse:

    Tem mais algumas, acho que em 2007 as trocas de pneus nas corridas foram proibidas, era patético ver o pit stop, os mecanicos ficavam olhando os pneus, loucos pra troca-los! Esse novo regulamento também é dificil, todo mundo sabe que quanto mais acostumadas com as regras, mais as equipes se tornam competitivas, graças a isso a temporada de 08 foi o que foi. A não ser que tenhamos uma espetacular temporada esse ano (duvido), as novas restrições terão sido um belo tiro na culatra.
    Para o ano que vem temos duas boas pragas também: A proibição dos cobertores eletricos para pneus (Pinky e Cerebro devem ter brigado com o fabricante) e a proibição do reabastecimento! GENIAL! As largadas vão parecer uma jogada de boliche, essas medonhas asas dianteiras voando por todos os lados e todo mundo vai partir com exatamente a mesma estrategia, a mesma quantidade de gasolina! Jesuis amado…
    Outra coisa absurda é esse lance dos treinos, que obriga o piloto a largar com a mesma quantidade de gasolina do ultimo treino, o que leva a os tempos de Q2 serm melhores que os do Q3! Sou a fovor disso acabar também, põe o carro na ponta da agulha no sabado, só com um vapor de gasolina e destrincha um tempo, coisa simples, vamos ver quem é o mais rapido.
    Com isso, teriamos a volta do Warm Up, uma excelente oportunidade para carros que tiverem mal melhorarem.
    A proibição dos treinos também é exdruxula, as dos tuneis de vento então…
    Em suma, tá tudo erado!

  11. Gabriel de Amorim disse:

    E, só sustentando a tese, um fundo público de Abu Dabhi anunciou ontem a aquisição de 9,1% do patrimônio (tem acento ainda???) acionário da Mercedes-Benz!!! É uma tentativa de voltar aos lucros. Se não der resultado, acho perfeitamente possível que tomem ações de cortes de gastos, as quais incluiríam até mesmo sair de competições automobilísticas como DTM e F1!!!

  12. Gabriel de Amorim disse:

    @Thiago Leopoldo
    Cara, tem um ditado que diz “em tempos de guerra, urubu é frango!” E é mais ou menos por aí, mesmo. Competição a Indy tem, porque não limitou seus pilotos – embora alguns com qualidades de condução duvidosas – a meros passageiros de seus carros. O que falta à F1 é menos previsibilidade e mais ação. FElizmente há nomes surgindo, como Vettel, Hamilton (este já consolidado, assim como Kubica) e o Senna, que podem fazer diferenças e digladiarem-se (no melhor sentido da coisa) pelas vitórias!!! Fato é que limitar os materiais para construção de pastes do carro não limita a criatividade dos engenheiros e tampouco vai atingir o público que acompanha a corrida apenas para saber quem vai ganhar e não está nem aí para quantos cavalos tem motor tal ou quantas libras por polegada tem o pneu dianteiro a mais que o traseiro. Não me parece haver espaço para desperdício de dinheiro (a Brawn sequer tem patrocínio master ainda). Por estes fatos, sustento tudo o que havia escrito pouco acima!!!

    Bom GP da Austrália!!!

    Abraços!!!

  13. Thiago Leopoldo disse:

    @Gabriel de Amorim
    Isso seria tudo muito bonitosse a F1 fosse uam Indy da vida, felizmente não é.

    @KBK
    Se sobreviviver… se…

    @Rodrigo
    Essa pontuação e a idéia das vitórias é quase a mesma coisa.

    @Vagner
    Montezemolo entregou o jogo de porque não podem simplesmente montar uma liga paralela. Patrocinadores iriam embora, montadoras fugiriam e garageiros evaporariam. Fora muitos contratos a serem quebrados e multas a serem pagas.

  14. Gabriel de Amorim disse:

    Vamos lá!!! Se querem ver uma F1 competitiva e mais barata, por que não limitam os materiais utilizados em cada parte da fabricação do carro – motor, caixa e freios, principalmente, adotam um cockpit padronizado produzido por uma empresa tipo Lola, Reynard (com licitação, óbvio), párem de criar regras absurdas que venham na contramão disso – a adoção do KERS é um gasto absurdo para os tempos de crise!!!, adotem motores turbocomprimidos de cilindradas menores para gastar menos, mudem o combustível para algo renovável – dá-lhe álcool!!! e, principalmente, pontuem até o 10º – 15, 10, 8, 7, 6 , 5 ,4 ,3 ,2, 1 valorizando a vitória com mais pontos e esquecendo-se do sub-vencedor. Façam corridas em locais tradicionais, esquecendo essa de locais muito distantes, repartam melhor os lucros com as equipes e ajudem na reforma e melhoria de alguns autódromos???
    Ah. ia me esquecendo!!! Tirem o Max!!!!

    Abraços!!!

  15. Paulo de Tarso Moraes disse:

    essa do rodízio de pilotos soa como piada!!!

    inacreditável!!!

    pinky e cerebro total! ótima comparação!

  16. Luiz G disse:

    Dois, verdadeiros, idiotas!

  17. KlauSS disse:

    É… Compare essas maluquices do Mr. Mosley na F-1, com as suas fantasias NAZI fora do circo, e veja que o cara é maluco em sua totalidade… Levar a sério caras como esse é um desrespeito a gente séria de verdade..

  18. Hamilton disse:

    me lembro que na época dos acidentes em Ímola em 1994, apareceu um deputado federal com um projeto para colocar limite de velocidade nas corridas de automóvel no Brasil… e também tinha ouvido falar de uma outra proposta para colocar lombadas nos autódromos brasileiros… alguém se lembra dessas coisas?

  19. KBK disse:

    “Se ela sobreviver a eles, sobreviverá a qualquer outra coisa.”

    Boa.

  20. Rodrigo Dias disse:

    E o velho continua querendo colocar o campeão como aquele que obtiver mais vitórias. E faz comparações idiotas.

    Medo dessa trupe.

  21. Rodrigo disse:

    Excelente texto!

    Parabens!

    Nao sabia que estavam cogitando aquela regra para 1989….

    Se querem fazer com que o vencedor de mais provas ganhe o titulo, é simples:

    1- 20 pontos
    2- 8
    3- 6
    4- 5
    5- 4
    6- 3
    7- 2
    8- 1

    Com certeza quem vencer mais será campeão!

  22. pezzolo disse:

    capelli, excelente texto! lembro bem de 2004 o galvão surtando na classificação da austrália com o treino de duas horas!
    se minha memória não falha, e ela sempre falha, em 2004 na sexta corrida eles não extinguiram o treino antes da classificação, só colocaram uma hora antes, então quando começava a transmissao da classificação ‘ oficial” tinha acabado o treino que definia a ordem de entrada.

  23. Fabio disse:

    Concordo com o Rodrigo. Você escreve muito bem, Capelli. E esse post traz uma ótima perspectiva histórica aos mandos e desmandos da categoria máxima do automobilismo. No final das contas, a FIA é uma estrutura em que poucos mandam e lucram.

  24. Essa ideia de 89 é ridícula!
    A classificação de 2005 não fica muito atrás.

  25. Diego Camargo - Floripa/SC disse:

    Vendo essas coisas loucas , pensei: “Acho que leles nunca viram uma corrida de F1….”. Sério, não da para pensar de outra maneira.

    Abraço.

  26. Eduardo Casola Filho disse:

    Eu acho que Bernie e Max estão mais para Debi e Loide do que para Pinky e Cérebro!

  27. F1 ao vivo disse:

    RT: @ivancapelli: Outras ideias absurdas de Bernie Ecclestone & Max Mosley: http://migre.me/c3T

  28. Nino Barlini disse:

    Capelli, me permita fazer algumas correções:

    - Como o Carlos Colangelo disse, em 2005 o grid era definido pela soma dos tempos das sessões de sábado e domingo, e não sexta e domingo.

    - O mesmo era em 2004. Nas duas primeiras corridas daquele ano, as sessões eram disputadas como se fossem uma só. Na Áustrália, o Baumgarnter foi o último piloto a andar na primeira parte do treino. Ficou em último lugar, e só deu tempo para ele entrar nos boxes, reabastecer e voltar à pista . Era impossível para as emissoras de TV começarem a transmissão no início da segunda parte, porque não havia horário certo para ela começar. A partir do Bahrein, os duas partes seriam separadas. O Q1 começava 1 hora antes do Q2, e assim ficou até o fim da temporada. O único ano onde a sexta-feira indicava a ordem das voltas no sábado foi em 2003.

  29. Danilo disse:

    Fico imaginando se Schumacher conseguiria blá blá blá… Sennismo é duro!

  30. Alexandre de Aguiar disse:

    Poderia ser pior, Capeli !

    Vai que o Scaglione arranja uma boquinha na FIA ?? hehehe

  31. Carlos Colangelo disse:

    “As posições de largada eram definidas pela soma dos tempos da classificação de sexta e do treino extra de domingo”. Acho que você está enganado Capelli… Pelo o que eu me lembre, as posições de largada eram definidas pela doma dos treinos da classificação de SÁBADO e do tal treino extra de domingo.

    Sds,

    Carlos

  32. Pedro leal disse:

    Vi hoje na transmição a America Le Mans no Speed que o Bernie havia dito ao Max que as equipes eram totalmente a favor dessa nova regra do campeonato se decidido pelo nº de vitórias, bom se é verdade eu num sei, nais se for é uma puta sacanagem do Bernie xD

    Exelente post Capelli!!!
    Parabens!!!

  33. Kamikaze disse:

    Capelli, em 1989, o presidente era Jean Marie Balestre. Max Mosley assumiria a FIA em 1991.
    E, que zona, hein, sobre os treinos. De 2002 a 2008 tivemos 8 formatos de treinos diferentes!!! Eca!

  34. rodrigo salame disse:

    capelli.

    o que mais me impressiona, não é o assunto em si.
    é como vc consegue escrever textos tão bons em cima desses assuntos.

    parabéns.

    abraço

  35. Vagner disse:

    Capelli,

    excelente post, recuperando as “principais” idéias dessa dupla, que hora outra vivem brigando mas se entendem quando o assunto é invencionices.

    Mas eu tenho uma dúvida que talvez possa ajudar esclarecer…Pq as equipes (principalmente agora unidas com a criação da FOTA) não conseguem se livrar disso tudo e fazem uma competição organizada por elas mesmas (nos moldes da NBA)?

    Não consigo acreditar que isso não ocorre somente por conta da marca “F1″ (que sabemos pertence ao anão/FOM). Sem as principais equipes e pilotos (Ferrari, Mclaren, etc), essa marca perde o valor. Organizar um evento com outro nome poderia ser traumático no início, mas melhor do que aguentar tudo isso. Penso que mesmo mudando de nome, financeiramente poderiam até ganhar mais (justamente o que estão reclamando).

    Quando criaram a GP2, falaram que na verdade era o primeiro passo do plano de Max (tombo no anão), para logo em seguida sugerir outro campeonato para substituir a F1, chamando-se GP1. Mas livrar-se de Eclestone para ficar ainda amarrado a Mosley, também não adianta.

    Perdoe-me a ignorância, mas se seria possível organizar um campeonato automomilismo sem anuência da FIA?

    abraço

  36. João Soares disse:

    No mundo da finança empresarial costuma-se dizer que uma empresa só é mesmo boa se até um idiota conseguir gerir a empresa sem a levar ao fundo, é que mais cedo ou mais tarde vai mesmo estar um idiota à frente da empresa.
    Aparentemente a f1 é um bom negocio… eles andam lá há tanto tempo…

  37. Perfeito. O rodízio de pilotos é mais uma das idéias que considero ter sido criadas apenas para gerar buzz, dar uma mexida no noticiário especializado, para só então, depois da tempestade, as coisas voltarem ao normal. E ninguém me convence de que a maioria desses absurdos não parte da cabeça de Bernie Ecclestone. Quanto mais velho, mais gagá e mais bobo.

  38. R/T disse:

    E não é de surpreender que estjam no comando, nem são exceção, a maioria das empresas, grandes principalmente, tem facinora e imbecis em seus postos de comando, alçados pelo acaso, Q.I. (quem indica) ou qualquer outra razão alheia a competencia e talento, fazer o que, é assim desde que as coisas existem

  39. Shindi Uehara disse:

    O fim do carro reserva,fim do warm up,pneus sulcados,sistema de pontuacao{2003},motores de 2400cc/porra se e pra limitar os giros do motor 1 ano depois era melhor deixar os 3000cc e limitar estes em 16000rpm.Nesta parte de custos fizeram muita merda.

  40. Léo Engelmann disse:

    Meu… Eles deveriam ser agricultores. É muita abobrinha.

  41. felipe guimaraes disse:

    ah siimm!!!

    nao foi nessa epoca (2004) que o rubinho freiou e o schumacher ficou rodando só para entrar mais cedo na pista devido ao risco de chuva ???

    corrige ai se eu estiver errado…

    Deby e Loid…

  42. felipe guimaraes disse:

    kkk

    mto bom capelli, sempre atualizado…

    –só uma perguntinha: tem gente falando quee nao vai querer abu dhabi (se é q se escreve assim) no calendario da F1 porque é circuito de rua.
    isso é verdade ou abu @#$# será em um autodromo ???

    ah sim, queria ver mais fotos da reforma de suzuka…

    vlw

  43. Rodrigo Dias disse:

    Essa do rodízio de pilotos eu não lembro. Coisa mais louca.

    Saudades da época em que os pilotos iam pra pista pouco se preocupando com pneus, com quanto de gasolina usava e tal. Agora é tudo estratégico e sem graça…

  44. Jobson disse:

    Eu até já tinha sugerido isso em outro post seu! Para mim os pneus sulcados foram a pior coisa já imposta na F-1, além da não troca de pneus nos finais de semana(2005) e treinar com o tangue cheio também é pessímo.

  45. Capelli disse:

    Outras ideias absurdas de Bernie Ecclestone & Max Mosley: http://migre.me/c3T .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>