MENU

19 de agosto de 2009 - 23:22Análises

A verdade está de volta

Depois de tantas patuscadas, é com alguma surpresa que recebo a notícia das regras para a Fórmula 1 em 2010, anunciadas hoje pela FIA. Não vi nenhuma maluquice, invencionice ou estupidez. Fazia tempo que isso não ocorria.

Em resumo, ficou definido que:

– Estarão proibidos os reabastecimentos durante a corrida;
– A fase final do treino de classificação acontecerá com os carros leves, acabando a babaquice de dar voltas de tanque cheio;
– Sistema de pontos para definição do campeão mantido (xô, medalhinhas do Bernie);
– Proibição de testes e KERS serão mantidos.

Embora ache que a proibição total de testes durante a temporada seja um tanto exagerada, entendo a sua motivação. O KERS poderia ter caído, não faria falta nenhuma, mas muito dinheiro foi investido no seu desenvolvimento. Então, é preciso fazer com que ele continue em uso, ainda que seja só para prestar contas.

Mas as novidades no treinos de classificação e a proibição do reabastecimento são as melhores notícias. Poder ver novamente os pilotos só com o cheiro da gasolina no carro, andando o mais rápido que podem em busca da pole position, trará mais realidade para as posições de largada. Agora o pole será pole porque é o mais rápido, não o que escolheu a estratégia mais maluca (alguém lembrou da pole de Alonso na Hungria?). O Q3 de tanque vazio traz a verdade de volta aos treinos de classificação. Isso é bom para o espetáculo, bom para o público e bom para os próprios pilotos.

E as corridas sem reabastecimento, no meu entender, mudarão bastante o panorama da Fórmula 1. Agora os pilotos não disputarão mais “mini-corridas” de 20 voltas. Será preciso poupar pneus no começo, quando o peso dos tanques cheios aumentam o desgaste. Pilotos poderão arriscar corridas sem pit stop, caso a relação composição da borracha/abrasividade da pista permita. E a gente vai saber que quem está na frente está na frente mesmo, não porque tem menos combustível, dando às corridas um ar de falsa competitividade.

Poderemos ter corridas chatas e sem ultrapassagens? É lógico que sim. Mas antes isso a um monte de trocas de posições inúteis via box. Como diz o Panda há tempos: “melhor uma corrida chata de verdade do que uma emocionante de mentira”. E, pela primeira vez em muito tempo, vejo que nenhuma das novidades visa enrolar o espectador. Se foi reflexo da briga entre FIA e FOTA, não sei. Mas a perspectiva para 2010, se não é de um campeonato emocionante – coisa que não dá para prever -, será de uma temporada pelo menos honesta. E isso já está bom demais.

FIA e FOTA, não estraguem tudo. Por favor.

Comentários do Facebook

comentários

34 comentários

  1. Renan do Couto disse:

    Capelli, como foi dito acima, os pilotos terão de usar os duros e os macios??

    Mas não é tudo reflexo da FIA e da FOTA. A proibição do reabastecimento já era prevista antes de tudo. Isso já nos levava a crer que a classificação seria de tanque vazio. E as medalhas não iriam para a frente de forma alguma.
    E a FIA trouxe novas equipes, mesmo sem o teto para o ano que vem.

    Por isso, o sucesso (ou não) do campeonato do ano que vem é 75% responsabilidade da FIA.

  2. Tempest disse:

    “melhor uma corrida chata de verdade do que uma emocionante de mentira”
    Gostaria de ver ele dizendo isso em 1992. Ou nem precisa ir tão longe. Gostaria de ver ele dizendo isso em 2004.

  3. Rianov disse:

    OFF:
    Capelli, dê uma olhada nesta raridade! http://f1nostalgia.blogspot.com/2009/08/brincadeiras.html

    Provavelmente a maior raridade que tenho!

  4. Gustavo disse:

    Achava, acho e continuarei achando o KERS uma furada para o espetáculo.
    Em 2008 vc até via pilotos disputando freiadas no final da reta, fazendo curvas lado a lado… Com o kers isso diminuiu mais ainda, porque o cara que estiver atrás já passa o carro da frente quase no meio da reta se o cara da frente não tiver o mesmo equipamento. Como foi dito acima, parece que mantiveram apenas para prestar contas de tanto investimento.
    Triste.

  5. Klauss disse:

    FIA e FOTA, não estraguem tudo. Por favor. (2)

  6. Airton Vargas disse:

    Não fiquei sabendo se continuará a regra do Parc Fermé entre o final da classificação e a corrida. Isso porque, se não puder mexer nos carros, estes terão de fazer o Q3 com a configuração para tanque cheio, limitando o desempenho.

  7. Borges Borsatto disse:

    Que seja uma corrida de verdade, com o mais rápido largando na pole. E se tiver que ser chata, concordo, que seja honesta.

    Desonesta é a Indycar (quando fora de Indianápolis, a única corrida de verdade da categoria!), com suas bandeiras amarelas, pit aberto/fechado, splash’n go e outras baboseiras que só enganam o espectador, mas que ‘incrivelmente’ resultam quase sempre em vitórias de Ganassi e Penske.

    Nascar, então, é pura enganação, nem vale a pena comentar. A ‘Estoque’ Global, pior ainda!

  8. PAULO SANTOS/RJ disse:

    Outra coisa: pode acontecer de ter gente com pneu estourado por causa de ousadia.

    O que vocês acham?

  9. Thiago Leopoldo disse:

    @Carlos Colangelo

    1) Os pilotos serão obrigados a usar pneus macios e duros durante a corrida, ou acabou essa frescura?
    R.: Não acabou, a regra é a mesma. Porém há a possibilidade de há grande possibilidade de a Brigestone utilizar compostos mais próximos em desempenho do que foi utilizado na primeira metade desta temporada. Não foi especificado no documento, mas haverão mudanças nos pneus para a próxima temporada.

    2) As equipes podem mecher no carro entre a corrida e treino? Podem fazer a q3 com um pneu e lagar com outro? E outros ajustes, podem ser feitos também?
    As regras do parc fermé são as mesmas deste ano, ou seja:
    – Sim, poderão trocar os pneus;
    – Não, não poderão fazer ajustes entre treino e corrida.

  10. Marcius disse:

    Bom demais a pole ser disputada de tanque vazio. Nada mais de esperar horas pra saber peso e etc…

    [OFF-TOPIC] – tava dando uma olhada na nuvem de tags ao lado, maior quatindade de topicos e da Ferrari…adivinha quem esta em segundo lugar….RUBENS BARRICHELO!!!

  11. Edisonlsm disse:

    Bom, ao menos com o fim do pit stop acaba o jogo de equipe (Ou será que não? @[email protected])

    Mas eu só sei que adorei Q3 de tanque vazio, agora sim o mais rápido vai largar na pole!

    Qual é a graça de saber que o pole não tem chance de ganhar a corrida (Vide Alonso)?

  12. Odabeb disse:

    Não li todos os comentários, mas o do Carlos (um dos primeiros) me chamou a atenção. Acho que os carros deveriam ser liberados, depois dos treinos, para as equipes mexerem no que quiserem. Seria bom, pois os engenheiros poderiam fazer ajustes para tentar “virar o jogo” nas corridas. Agora, não sei até que ponto isso demandaria custo maior para as equipes. Mas seria interessante se isso ocorresse…

  13. Gustavo disse:

    Acho muito bom o fim do reabastecimento. Agora, as ultrapassagens terão que ser na pista e não porque alguem ficou 2 voltas a mais de tanque vazio. Acredito que um modelo interessante para as corridas seria dividir em 2 baterias. Faz o treino classificatório e esta definida a ordem de largada da primeira bateria. Inverte as posições de chegada e faz a segunda bateria. Certamente a segunda bateria seria muito mais interessante e divertida do que a primeira.

  14. Sidewinder disse:

    Hummm… Vamos ver no que vai dar.

  15. Luiz Sergio disse:

    Kers é ainda o diferencial das equipes ricas para as pobres, esse ano Mclaren e Ferrari só sairam do final do grid pelo Kers.
    Penso que o ano que vem, não veremos a Red Bull e Branw na frente.

  16. Pandini disse:

    Capelli, fiquei honrado com a menção ao meu nome. Obrigado!

    Sobre as trocas de pneus, o trabalho é muito mais rápido que o do reabastecimento. Na fase 1984-1993, em que os reabastecimentos eram proibidos mas as trocas não, a Ferrari trocou os pneus de Stefan Johansson no GP de Portugal de 1986 em um tempo absurdamente baixo – não lembro ao certo, mas era algo entre 4,5 e 5,5 segundos.

    A menos que a troca de pneus permaneça obrigatória (e não duvido que só tenha continuado por esquecimento dos responsáveis pela elaboração das novas regras), as equipes poderão muito bem optar por fazer corridas sem paradas, pois o tempo perdido na entrada e saída do box permanecerá o mesmo. Aí, valerá a finesse do piloto em conservar pneus durante a prova toda sem ser lento, como acontecia nos anos 70 e começo dos 80.

    Também saúdo as novas regras, as melhores desde que a FIA começou a descaracterizar a F1 no final de 2002. Faltaram apenas duas coisas, na minha opinião: voltar o sistema de classificação com sessão única, como era até 2002, e restabelecer uma contagem de pontos decente, que valorize as vitórias e não a regularidade. Eu, particularmente, gostaria que voltasse a ser o bom e velho 10-6-4-3-2-1, mas sei que politicamente é muito difícil – as equipes menores chiariam pacas diante do aumento de possibilidade de terminar o ano com zero ponto na tabela. Então, que se mantenha os oito, dez ou mesmo quinze primeiros, mas com uma proporção decente. Uma alternativa: 100-60-40-30-20-10-9-8-7-6-5-4-3-2-1. Alguém poderia alegar que isso descaracterizaria as estatísticas de pontos, mas não tenhamos ilusões: elas já estão distorcidas há muito tempo, antes mesmo de a pontuação atingir os oito primeiros.

    Abraços,

    LAP

  17. Perfeita análise, Capelli. O tempo que o qualifying foi disputado com “tanque cheio” manchou até as estatísticas de poles da F1 pois esses poles não eram realmente os mais rápidos em uma única volta.

    Agora só falta ter um treino de classificação na sexta-feira. A minha sugestão seria a de transferirem o Q1 pra sexta-feira com apenas meia-hora. Aí, no sábado seriam disputados o Q2, com meia-hora e o Q3, com 20 minutos.

  18. O F1 Fanatic fez um post na mesma linha que o seu, e concordo integralmente com ambos. Acabou a Fórmula Brawn! O reabastecimento só serviu para tirar a emoção da pista e levá-la para o pit lane. Os engenheiros devem estar tristes, mas 2010 vai ser um ano muito melhor para os outros milhões de espectadores.

    Quanto ao KERS, faço eco à opinião do britânico citado… Ao menos ele fez mais para a emoção nas corridas que o novo pacote aerodinâmico.

  19. Joshué Nunes Fusinato disse:

    concordo contigo Capelli quanto ao reabastecimento. agora poderemos ter novamente corridas como Jerez/86 e Mônaco/92, onde o Senna, com pneus desgastados, segurou o Mansell com pneus novos e voando na pista.

  20. Oi Capelli;

    Vou comentar o mesmo que comentei lá na “lojinha” do Gomes:
    O KERs infelizmente funciona ao contrário do esperado.Na maioria das vezes exatamente ao contrário do esperado, pois serve para evitar ultrapassagens ao invés de facilitá-las.

    Os tanques maiores vão complicar a vida dos projetistas que recém estavam começando a digerir os novos carros desse ano, não sei se muda aerodinãmica, mas muda no mínimo o centro de gravidade e impacta no balanço do carro, que vai mudar a suspenão e trá-lá-la. Agora eu sempre usei o fórum desse blog pra expor meu ponto de vista. Tanque ainda maior + KERs, e as apólices de seguro de pilotos e mecânicos com certeza vai aumentar. Os homens bombas lá do oriente médio vão morrer de inveja, e não descarto algum deles se inscrever como piloto, pois se é pra explodir (mesmo que seja em nome de Deus) que seja divertido.

    As retirada das mantas traria muitos custos, pois o que daria de batidas…. E aí vem uma questão de segurança.

    O sistema de pontos foi sugerido timidamente pela FOTA 12-9-6 (ou sete) para os três primeiros acho, mas não tiveram a mesma força para forçar isso que tiveram para barrar o teto, curioso isso, não é?

    RodrigoBM

  21. PAULO SANTOS/RJ disse:

    Sobre as mudanças, acho o seguinte:

    – Estarão proibidos os reabastecimentos durante a corrida – realmente, com os carros pesados, vai depender, como disse o Capelli da relação composto/pista para se completar uma corrida sem pit-stop. O pessoal do box virarão ilustres torcedores de luxos. Só no final das corridas é que teremos emoção. Mas com Alonso, Massa, Hamilton, Vetel, acho que alguma coisa pode mudar no meio delas;

    – A fase final do treino de classificação acontecerá com os carros leves, acabando a babaquice de dar voltas de tanque cheio – aí sim é que vamos ver quem é piloto de verdade, e qual o carro mais preparado para a temporada, pois os pilotos vão dirigir no limite. Cometer um erro pode significar largar lá trás. E quem conseguir ultrapassar, ainda que um pouquinho esse limite, faz a pole. Aí aposto de Weber, Vettel, Massa e Alonso;

    – Sistema de pontos para definição do campeão mantido (xô, medalhinhas do Bernie) – acho que o Bernie deveria ir para o COI, pois lá se distribuem medalhas aos vencedores;

    – Proibição de testes e KERS serão mantidos – é um excelente artifício para ultrapassagensm, mas é caro e deixa os carros mais pesados. Imaginem o Robert “girafa” Kubica dentro de um carro com o Kers. O carro deve ficar pesando uma tonelada. E se o Montoya voltasse: duas toneladas. Já essa proibição de treinos teve como argumento a Crise Mundial. Quem deve saber o que economizar, ou que gastar são as equipes. E sem os treinos não tem como acertar os carros. Acho que essa medida é tendenciosa e foi criada para beneficiar “alguém”. Não sei quem.

    Abraço a todos.

  22. Mudanças nas regras trazem a verdade de volta à F1 http://bit.ly/Qr51h

  23. Marco Toyota disse:

    O Rodrigo está correto. Exceto as alterações acordadas para 2010, todo o restante do regulamento de 2009 se mantém. Portanto, os pilotos deverão efetuar ao menos uma parada para troca de pneus (a menos que se use pneus para chuva durante a prova).

    De volta aos bons tempos!!! Apesar de não mudarem as regras aerodinâmicas, acho que os tempos serão mais honestos e os pilotos com mais sensibilidade devem se destacar. Não vai ser fácil tocar um F1 com tanque cheio, ser rápido e ainda economizar combustível prá chegar até o final da corrida. Sem falar dos pneus…

  24. Rodrigo disse:

    Capelli…
    “Pilotos poderão arriscar corridas sem pit stop, caso a relação composição da borracha/abrasividade da pista permita.”..
    Que eu saiba , a obrigatoriedade de 2 compostos ainda existe…
    Então é obrigatório pelo menos 1 pit.
    Abraços.

  25. As novas regras da #F1 para o ano que vem. Algumas surpreendentes – http://bit.ly/Qr51h

  26. Kleber "ChapZ" disse:

    “Pilotos poderão arriscar corridas sem pit stop, caso a relação composição da borracha/abrasividade da pista permita.”
    Minha dúvida é a mesma do Carlos.
    Se ainda não obrigados a usar pneus macios e duros, isso não seria possível, Capelli.

  27. Oswald Martins disse:

    Ainda sou mais ou menos da opinão de pegar o regulamento de 1991, da um Ctrl C e vamo embora!

    Com essas novas regras, se eles querem voltar aos bons tempos, começaram bem. Agora, o trânsito vai ser bem interessante nessa classificação.
    Imagine Mônaco!

  28. Carlos Colangelo disse:

    Capelli,

    Ficaram algumas dúvidas:
    1) Os pilotos serão obrigados a usar pneus macios e duros durante a corrida, ou acabou essa frescura?
    2) As equipes podem mecher no carro entre a corrida e treino? Podem fazer a q3 com um pneu e lagar com outro? E outros ajustes, podem ser feitos também?

    Sds,

    Carlos

  29. Bruno A. disse:

    e também tem o aspecto da própria engenharia do carro. hoje, os tanques tem capacidade pra o que? 130kg de combustível? (nao sei mesmo).
    pro ano que vem, o carro terá de ser desenhado levando-se em conta que é preciso render tanto com tanque cheio quanto com tanque vazio. Eu acho bem provável que haverá engenheiros fazendo desenhos de carros priorizando performance em diferentes pontos das corridas, o que pode (e vai) levar a alguns finais de prova surpreendentes.

  30. Rodrigo Dias disse:

    Daqui a pouco vem o Bernie com suas medalhinhas.

  31. Rafael Costa disse:

    sem reabastecimento? vai ser muito chato.

  32. @ivancapelli Mudanças nas regras trazem a verdade de volta à F1. http://bit.ly/Qr51h -> mais uma perfeita do sumido Capelli.

  33. Capelli disse:

    Mudanças nas regras trazem a verdade de volta à F1. http://bit.ly/Qr51h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *