MENU

14 de março de 2010 - 19:52Análises, Box

Mais sorte que juízo

Parecia chuva, mas não era. A poeira levantada na largada da São Paulo Indy 300, resultado do trabalho de lixamento do piso na noite anterior, dá uma dimensão do quanto de improviso cercou a realização da primeira corrida da Indy em São Paulo. E o fato de Marco Andretti ter saído ileso de um grave acidente com Mario Moraes na largada, principalmente, sinalizou o quanto de sorte tiveram os organizadores da prova, muito mais do que juízo.

Em sã consciência, ninguém pleneja um evento desse tamanho em quatro meses. Em juízo perfeito, ninguém escolhe para a corrida um lugar com problemas crônicos de alagamento. Em condições normais, esta corrida jamais teria sido realizada. Mas quando há interesses econômicos e políticos, a lógica é sempre deixada de lado.

Para os amantes da velocidade e para quem foi ao Anhembi, foi um baita de um negócio. A Indy é uma categoria interessante, a corrida foi divertida e o resultado emocionante, com Will Power assumindo a liderança nas voltas finais. Mesmo que tenha faltado água e refrigerante, não faltou emoção na pista, e isso é o principal.

O acidente entre Mario Moraes e Marco Andretti. (Foto: Bruno Terena/Grande Prêmio)

O acidente entre Mario Moraes e Marco Andretti.
(Foto: Bruno Terena/Grande Prêmio)

Porém, estamos falando de um esporte de risco e as condições do circuito improvisado no sambódromo e na marginal Tietê foi de uma irresponsabilidade ímpar. Culpa não só dos organizadores brasileiros, mas também da própria IndyCar. As condições do asfalto, cheio de ondulações, eram uma das piores que já vi até hoje. Em uma tentativa de ultrapassagem na reta da marginal, o carro de Ryan Hunter-Reay pulou tanto que o piloto norte-americano quase perdeu o controle. A drenagem ruim formou verdadeiros lagos na pista assim que começou a chover. Mas a chuva passou rápido e foi necessária apenas uma breve interrupção na prova.

Mas nada supera o mais grave dos problemas: a falta de aderência na reta do sambódromo. Durante os treinos de sábado, os pilotos escorregavam e não conseguiam usar nem 25% do acelerador, como se estivessem guiando sobre gelo. E o narrador-promotor Luciano do Valle ainda insinuava que era proposital: “É mais uma atração para o público! É mais um desafio para os pilotos!”. Patético. Nunca tinha visto nada parecido em uma competição de alto nível.

A solução encontrada foi passar a madrugada lixando o piso, a fim de deixá-lo mais áspero e aderente. Funcionou, mas a quantidade de poeira que ficou na reta tornou-se outro perigo. Na largada, quem vinha atrás não via nada, provocando uma série de colisões na primeira curva. Na mais séria delas, o carro do brasileiro Mario Moraes saltou por cima de Marco Andretti e ficou dependurado no cockpit do piloto norte-americano, com o pneu traseiro direito pressionando sua cabeça. Por muito pouco, não ocorreu uma tragédia.

Entre mortos e feridos, salvaram-se todos. A corrida foi boa, Vitor Meira e Raphael Mattos fizeram grande figura chegando na terceira e quarta posições, respectivamente. Apesar da precariedade da organização e dos graves erros, a prova deve ser mantida no calendário, confirmando o contrato de cinco anos. Para sorte dos sem-juízo.

Comentários do Facebook

comentários

73 comentários

  1. niko disse:

    apesar dos pesares ano que vem com certeza estarei lá na Indy são paulo, todos os meus amigos que foram disseram que é bem mais legal de assistir do que a f1 em interlagos.

  2. Geraldo disse:

    Gostei bastante e há muito tempo não via uma emissora dedicar tanto
    tempo ao automobilismo.
    Basta comparar com F1 que aconteceu logo cedo e deu um show de chatisse.
    O Luciano do Vale com certeza é bem menos ufanista e puxa- saco que o Galvão Bueno.
    Viva a Indy ela é muito bem vinda !!!! Obrigado Band.

  3. Fernando Melo disse:

    Capelli tenho uma dúvida:
    Quanto a usar Interlagos, sei que devido ao contrato com a FOM ele fica inviável. Mas e se for usado um traçado diferente do atual? Por exemplo, se for feito um anel externo com uma curva à direita após a descida do lago, da pra usar um pedaço do circuito antigo que leva até a junção. Você acha que neste caso pode haver brecha no contrato ou é melhor não provocar o tio Bernie?
    Outras categorias poderiam ter esta opção também.

  4. Rodrigo disse:

    Capelli corrige os nomes dos pilotos… O Mario Moraes bateu na primeira curva também, mas quem voou para cima do Marco Andretti foi o Takuma Sato.

  5. Side Show Bob disse:

    Fosse em Caracas ou em La Paz, os arranjos na pista seriam descritos como “prova inconteste da capacidade de dinamismo das administrações bolivarianas”, mas como foi em São Paulo é prova de amadorismo e de ação mambembe.
    Certa feita li a missiva de um telespectadora a cerca de um programa de TV. A resposta foi :“não me incomode, mude de canal”.
    Foi o que fiz em relação ao site Grande Premio. Não agüentava mais tanta bajulação ao PT, ao Lula, ao Delúbio, à Marta “relaxa e goza” ao Genuíno…
    Embora conhecedor dos liames entre o subscritor deste site e o pseudojornalista Flávio Gomes (pseudo, pois jornalista há que ser imparcial e não submisso ao poder), aventurei-me a acompanhar este veículo. Pelo visto equivoquei-me.
    Há evidente congraçamento “chapa-branca federal”. Fico imaginando se tais problemas com a prova ocorressem em Montevideo (país que recentemente empossou um ex-guerrilheiro, matador de pessoas desarmadas, tal e qual, acontecerá em Terra Brasilis). Provavelmente seria acolhida a prova como demonstração de que um país de terceiro mundo é mais capaz que os americanos e blá-blá-blá… e nuncaanteznaestoriadestepaiz…

    É triste.
    É deveras lamentável quando um jornalista se conspurca por ordens do poder.

  6. Luiz Sergio disse:

    Confirmado,

    SP: 95 ultrapassagens na Indy

    Confirmando a impressão que o Hélio Castroneves teve após a SP Indy 300, de que teria sido uma prova com mais ultrapassagens em pista de rua, o site oficial tem números da prova e calculou 95.

    F1= ?????????????????????????

  7. Fernando Antunes disse:

    Pois eh. Ultimamente não tenho me interessado tanto pela IndyCar. Mas confesso que não perdi um segundo deste fim de semana. E o motivo foi justamente a roleta russa que é este circuito. Com tantos bumpings e a parte do sambódromo eu só ficava esperando quando a merda ia acontecer. No fim a corrida foi bem interessante e felizmente nada grave aconteceu. Mais por sorte que por juízo.

  8. RUBRNS FILHO disse:

    Diante dos comentarios antes da prova preferi não ver.
    Na forula da Emoção amadorismo: Não.
    Deus Protegeu a Todos.

  9. Gustavo Oliveira disse:

    Fiquei estupefato com o Mario Moraes, ele nem se abaixou para ver se o Marco Andreti tava vivo, respirando, simplesmente saiu andando! Uma falta enorme de esportividade, uma demonstração horrenda de egoísmo! “Ai, minha corrida acabou tô putinho e vou sair batendo o pé, esse americano que ta aí, embaixo de um carro de mais de 600Kg que se dane!” E o resgate ainda demorou mais de 5 minutos para chegar até lá, deve ter vindo da Penha, só pode ser! De todos os aspectos terriveis, da falta total de responsabilidade, do sufoco que a Indy tá passando a ponto de topar u8ma coisa dessas, o que mais me revoltou foi isso, afinal, seria um saco o Luciano do Valle(péssimo) explicando como uma morte tão estúpida assim pode acontecer num evento tão maravilhoso!

    • Pablo Soares disse:

      Passei a ter nojo do Mario Moraes por causa dessa atitude de nem saber como tava o Marco Andretti! Playboyzinho mimado que é bancado pelo avô, isso é Mario Moraes!!

      Quanto ao socorro ao Marco, me espantou o quanto demorou e a morosidade dos fiscais que não pareciam estar ligando muito pro socorro…

      • Felipe Fugazi disse:

        Acho que o Mario Moraes teve essa atitude (triste e totalmente reprovável) por causa do acidente entre eles no inicio da Indy 500 em 2009.
        Ele tem de entender que batidas são inerentes ao esporte, e que eles são adversarios, não inimigos.

  10. JP disse:

    A transmissão da Band foi muito ruim.agora vocês já imaginaram o Luciano do Valle e o Galvão Bueno narrando juntos uma corrida.que dupla!

  11. rodrigo disse:

    Foi uma das narrações mais horriveis que já vi. Pior até que o proprio Luciano quando narrando o futebol diz: “ele tocou do lado de lá”. PQP eu não sei de que lado ele está, como vou saber qual é o lado de lá? Mais ou menos como ontem, quando disse que “a chuva tá indo pra esquerda”. Legal, mas ele estava de frente pra Marginal ou de costas? Passou da hora do Luciano se aposentar, deveriam ir ele e GB (não falemos mais Galvão, já que ele não fala Red Bull) para uma ilha deserta acompanhado do Eclestone e seus atalhos.

  12. Robson Moraes disse:

    Sobre o Luciano do Valle, uma frase do meu amigo Carlos Moyna: Ele está gagá. O Luciano, não o Moyna.

  13. Thiago Schauenberg Pereira disse:

    Apesar de toda o amadorismo da organização, o mais irritante foi o Luciano do Vale e suas sandices. Pra mim é de longe o pior narrador existente na televisão brasileira. Não consigo entende a insistência da Bandeirantes nesse cara. Eu já não gosto dele narrando futebol, mas no automobilismo o cara se supera a cada comentário.

    Faz comentários descabidos a respeito da organização da prova, confunde o nome de pilotos e equipes, não entende nada de corrida e ainda por cima acredita que o Mário Moraes “anda muito”. Da um tempo pra mente…

  14. Marcelo Vanderlinde disse:

    Como pode os caras falharam justo na pista de curling?
    Assim que mencionaram que a corrida passaria pelo sambódromo todo mundo começou a destacar que seria impossível os carros rodarem naquele local, mas mesmo assim os cabeças acharam por bem apenas tirar a tinta…
    Se não fosse por esse problema…a corrida teria recebido nota 10 (8, pode ser), já que os demais problemas não seriam tão evidenciados.
    De qualquer forma, a Indy se mostra uma categoria muito mais interessante que a F1. Uma pena que o narrador oficial é o Luciano do Valle, o que acaba afastando muita gente aqui no Brasil.

  15. Alejjandro disse:

    Capelli,

    sei que não é o assunto principal do tópico, mas aproveitanto o assunto… sempre achei que a Indy tem uma corrida mais “emocionante” que a F1, ocorrendo sempre várias trocas de posições, e sempre possibilitando que alguém que largue na frente desça e suba posições até ganhar a corrida. A que isso se deve? Chassi padronizado? Limitação de alguma coisa (motor, desenvolvimento aerodinâmico…)?

    Acho que poderia ser até um assunto para um post específico ou até pra uma matéria da Warm-Up, hein!

    Abraço!

  16. robson disse:

    Racionalmente, a corrida de rua nunca deveria ter sido realizada em São Paulo. O cenário é horrível, com a marginal lenta ao lado do retão. Eu já achava estranho a F1 correr nas ruas de Valencia, mesmo com o circuito da Comunidade Valenciana lá, dando sopa. Imagina essa corrida na marginal.

    Racionalmente, se querem fazer uma corrida bacana de rua da Indy no Brasil, tinham que fazer no Rio. O problema foi o prefeito.

    Antes que comecem com bairrismo, sou paulistano, ok?

    O Luciano do Valle está no mesmo nível do Suplicy. Completamente pinel, fora da casinha. Nem de longe lembra aquele cara que narrava jogos de Copa do Mundo no início da década de 80, ou jogos de NBA, NFL e a antiga Indy nos anos 80/90. É patético.

    Foi uma vergonha ouvir a transmissão da Band. Ridícula, como o nome – não deveria ser “Band”, é Bandeirantes, cazzo!

    A corrida foi divertida. Mas a Indy é tão divertida quanto um episódio dos Trapalhões quando o Zacarias e o Mussum ainda estavam vivos.

  17. Capelli, apesar destes pesares, gostei desta corrida de rua no Brasil. Claro, nada é perfeito, nem o GP do Brasil no Rio deve ter tido uma estrutura assim. Para um GP feito as pressas, o resultado foi bom, apesar destes inconvenientes. Quanto a transmissão, então que coloquem o Téo José. E sinceramente, acho a Indy melhor em diversos pontos do que a F1.

  18. Lucas Brunini disse:

    Momento mais constrangedor de todos os tempo: a caixinha de leite para o vencedor.

    Que mico!!

  19. ren4n disse:

    RT @ivancapelli: Mais sorte que juízo http://bit.ly/ckRZXk // ótimos comentários sobre Indy em SP também.

  20. patrick disse:

    bem po sera que eles não pensaram em lavar o piso pra não dar poeira meu deus o gente bizonha!!!!

    • Nóbrega disse:

      Eles lavaram duas vezes o sambodromo. Aquela poeira vem dos pequenos buracos que foram feitos no concreto, que quando o carro deu tração jogava tudo pra cima. Os pilotos sabiam que ia acontecer isso. Não foi o maior problema. Eles estão acostumados.

  21. Rafael Aun disse:

    Capelli,

    Não fala besteira.

  22. Vanderlei Julio disse:

    A corrida mostrou como é ruim, muito ruim o serviço das empreiteiras que vencem as licitações para asfaltar as vias públicas da cidade. Uma poça d’água como aquela que vimos numa das curvas é idêntica à que causou um acidente horrível envolvendo eu e minha família exatamente na reta da marginal em frente ao Anhembi. Graças a Deus, como na Indy, ninguém morreu, mas os alguns ferimentos só se foram com cirurgias plásticas. Fazer uma corrida de rua em tapetes de asfalto como nos EUA, Alemanha, Austrália, ótimo. Corrida de rua com a qualidade do que é feito no Brasil, só se houver um cuidado especial com a parte usada no circuito. Infelizmente, só lamentos.
    Ruim também para esperava ver a classificação no sábado à tarde, assistir ao GP do Bahrein de manhã e só depois ir ao Anhembi. Alguém perdeu um dos dois. Ou os dois.

  23. Nóbrega disse:

    Bom.. concordo com todos em relação ao amadorismo (não tem outro nome) da Band.

    Mas não concordo muito em relação aos acidentes do inicio ter sido provocado pela nuvem de poeira do “picotamento” (não lixamento) do sambodromo. Tudo bem que a nuvem pode ter contribuido, mas tanto o acidente do Sato quanto o do Mario Moraes foram culpa dos próprios pilotos sim. O Sato retardou a freada e teve que pisar mais forte, perdendo a traseira. O Moraes foi a mesma coisa, mas não pq retardou a freada. Ele viu a aproximação rápida para o carro da frente e pisou no freio, o carro perdeu a traseira e foi em direção do carro do Andretti.

    O Moraes nunca poderia estar vindo numa velocidade daquelas estando no meio de uma “cortina de fumaça”, principalmente pq ele estava em ultimo e não tinha nenhum carro atras que pudesse acerta-lo. Foi no mínimo imprudente (para não dizer burro). Não estou aqui falando que a poeira não tenha contribuido, mas isentar os pilotos de culpa tb não concordo.

    • rodrigo disse:

      Ah sim, o cara não podia vir numa velocidade daquela numa cortina de fumaça, e a cortina de fumaça não teve relação com o acidente. O que, diabos, a cortina de fumaça fazia no meio da reta? Cada um que me aparece.

      • Nóbrega disse:

        hahahaha isso mostra que tu entende pra cacete de corridas hahahaha

        Aprende a ler antes de querer comentar sobre corridas cara. Onde tu viu eu falando que a poeira não teve nada a ver com o acidente?

        Deixa eu desenhar pra vc:

        “Tudo bem que a nuvem pode ter contribuido”

        Sabe o que isso quer dizer?

        Eu sei.. Cada um que me aparece.

  24. Felipe Fugazi disse:

    A tal da São Paulo Indy 300 foi a coisa mais deprimente que já vi em termos de automobilismo, carro sambando em uma reta e pulando feito canguru em outra.
    E o narrador pendurado na genitalia dos organizadores, promotores, governantes, etc etc etc…
    A imagem transmitida é uma coisa e a narração mostra outra completamente diferente…
    Fica aquela impressão “você vai confiar nas nossas palavras ou em seus olhos que estão mentindo?”

    • ELF_TL72 disse:

      Esse tipo de amadorismo não é privilégio da Indy. Carro pular e sambar por falta de condições da pista já aconteceu na F1.
      O circuito Hermanos Rodriguez em 1991, por exemplo, era uma armadilha. Tinha até toco de madeira tapando buraco do asfalto.
      Sem contar a falta de aderência de determinada marca de pneu em Indianápolis a alguns anos atrás.
      Como disse um colega aí em baixo, pelo que foi feito em cima da hora, até que foi bom. Com planejamento nos próximos anos ficará melhor. O contrato com SP vai até 2014.
      Quanto a transmissão e narração, a primeira pode melhorar com a prática. Já a segunda, vem só piorando com o tempo…

  25. Jab's disse:

    Por ter sido feito às pressas, até que saiu melhor que a encomenda. Creio que para o próximo ano todo o traçado seja totalmente refeito retirando as ondulações. Creio que irão asfaltar o sambódromo, colocando tipo um “pano de concreto” nos desfiles de carnaval, assim ficando o aslfato. E com certeza, o traçado da de 1000 a zero nos da F-1 feitos pelo Tilk.

  26. Hedryk disse:

    Acho que é unanimidade que a transmissão foi um lixo, a narração péssima (me deu saudade do Téo José, rs), a organização “desorganizada” e que o amadorismo se destacou mais do que as ultrapassagens e a vitória do Power. Mas um detalhe, as comparações com Bélgica 1985 (ótima dica do Saarinen) ou mesmo Jacarepaguá, na minha opinião, apenas comprovam o amadorismo e incompetência, pois estamos em 2010, ou seja, ainda cometem os mesmos erros de 25, 30 anos atrás.

  27. RT @ivancapelli: "Mais sorte que juizo". Breve capellada sobre a Indy300. http://bit.ly/d3zrjy

  28. Saarinen disse:

    Aproveitando para escrever sobre os problemas já citados pelo Capelli na prova da Indy em São Paulo, envio um link do Gptotal em que o Panda relata problemas semelhantes no fim de semana do Gp da Bélgica de 1985, na coluna “O dia em que a segurança venceu”: http://www.gptotal.com.br/panda/cartas2q_08_04.htm. Ao menos lá houve o mínimo de lucidez, diferentemente do oba-oba visto na transmissão da prova.

  29. Danilo Mancini disse:

    A corrida foi muito boa, cheia de pegas e tal…

    Mas nota baixa para a pista. Traçado excelente, mas, condições péssimas. Com maior organização, ficaria muito bom.

    Nota zero para a band, que fez a transmição ficar tão ruim, que eu perdi vontade de ver a corrida (que pra mim é como ser um religioso não querer ver a missa do galo, porque o papa tava chato).

    Parabéns pro Vitor Meira, eu desacreditava nele, e foi o mais bem colocado no fim.

  30. Sheldonn Rêis disse:

    Tudo bem concordo com todos os amigos em relação às críticas, mas que a corrida foi emocionante isso foi. Não podemos negar que na Indy não faltam ultrapassagens e brigas com a faca nos dentes do começo ao fim. A F1 deveria aprender com isso.

    • fabricio stein disse:

      Um dia a F1 chega lá…. mas vai demorar alguns anos ainda. Pois este já foi pro saco.

      O que o público quer é emoção, na Indy ao menos o pessoal conseguiu ver a corrida, diferente da F1 em interlagos, onde vendem 125% dos ingressos.

  31. Fabrício Passos disse:

    É isso aí Capelli, esse povo não tem juízo. O organizador da prova, não me lembro o nome, falou na Band que ele havia testado com sua moto a aderência da parte do Sambodromo. Ele achou que estava adequado, pensou que o pneu Slick ficaria até melhor.

  32. KBK disse:

    A cena do leite no podium foi impagável.

  33. Eduardo Casola Filho disse:

    Apesar da correria e dos sustos, a São Paulo 300 foi SENSACIONAL! Apesar do jeitinho brasileiro, da narração do Luciano, a pista tinha um traçado legal e os pegas foram bons. O saldo foi positivo e a pista do sambódromo deixa no chinelo todos os Tilketródomos!!!!

    • Fernando Mozart disse:

      Concordo plenamente. Fora autoramas. Apesar dos problemas o traçado é muito louco. Outra coisa que achei legal era o fato dos boxes estarem depois da linha de largada. Quem envolveu-se no acidente no começo da corrida pode ir para o boxe sem atrapalhar os outros pilotos.

  34. ELF_TL72 disse:

    Se ano que vem tiver de novo, as ondulações na pista, a aderência do concreto e principalmente o sistema de drenagem precisam ser urgentemente revistos. Março é um mês de chuvas fortes em SP, não tem como ficar confiando na sorte como aconteceu este ano.
    A transmissão da Band é uma caca e o Luciano deveria ser enterrado no fundo do Valle. Só faltou a Band por o Neto para comentar a prova, aí ficava o inferno na terra mesmo.
    Na parte técnica, acredito que a prática, ano após ano, melhore a transmissão. Lembro quando a F1 veio de Jacarepaguá para Interlagos,a transmissão da Globo foi um show de horror. Hoje, tirando o Galvão Bobageno, está muito melhor.
    Quanto ao resgate, dá para ver que logo que um comissário se aproxima ele verifica que está tudo bem com o piloto, embora ele estivesse preso. A demora foi pelo fato de terem os carros se enroscado de forma pouco comum, em um ponto onde o guindaste era até então desnecessário por ser área de escape. O caminhão precisou ser deslocado de onde estava, vindo atrás do safety car para poder tirar um carro de cima do outro.
    Para quem não se lembra, por ser a 1ª prova, foi bem melhor do que a ocorrida no RJ a uns 15 anos atrás. Jacarepaguá com um traçado em trapézio improvisado (precisou ser reduzido, o que gerou 2 curvas obtusas em um pseudo oval) e uma série de batidas de cara p/ o muro. Tá certo que SP deu sorte, mas foi um começo melhor do muitos outros lugares por aí.

    • Edgar Guediguian disse:

      ELF,

      E o Galvão declarando a vitória do Alonso quando ele cruzou a linha ao completar a PENÚLTIMA volta? Depois quis pôr a culpa no computador. Acho que alguém deve ter dado o maior pito nele pra ele depois reconhecer que vacilou. A velha-guarda já dá (faz tempo) pinta de que não tem mais condições. Luciano do Valle ontem e hoje foi um show de asneiras. Tá na hora de renovar a turma de narradores…

      Abraços!

  35. claudino disse:

    RT @ivancapelli: "Mais sorte que juizo". Breve capellada sobre a Indy300. http://bit.ly/d3zrjy

  36. Marlon F. Jeremias disse:

    O Luciano do Valle é insuportável. Ele não consegue ser objetivo em relação a nada: aos pilotos brasileiros, à condição da pista etc. O modo “default” dele é sempre puxar o saco de todo mundo. Fora que não se dá ao trabalho nem de aprender o nome dos pilotos direito. Ridículo.

    E que transmissão patética. A Globo pode ter um caminhão de defeitos, mas sabe fazer a transmissão de uma corrida. A Band corta a imagem da câmera no meio das ultrapassagens, no meio de um pit stop importante, mostra pista vazia, e ainda por diversas vezes na câmera on-board, passa a imagem de um carro com o áudio de outro. Daí tá lá o cara de pé embaixo e a gente ouve redução de marchas no áudio. Puta coisa de amador. Eu não entendo nada do assunto, mas não é possível que seja tão complexo assim acertar pelo menos isso.

    • Alguém precisa chegar pro Luciano do Valle, bater no ombro dele e dizer “cara, com todo respeito, mas sua época já passou. Vá pra casa.”

      A narração dele puxando o saco dos “pilotos brasileiros” como se eles fossem a única coisa no universo que importasse dá no saco.

      Tenho a sensação que se ele estivesse narrando uma corrida nos EUA, um carro voasse na arquibancada e matasse 200 pessoas, e um brasileiro vencesse a corrida, ele ia dar mais destaque à vitória do brasileiro do que à tragédia.

    • Fernando Melo disse:

      O Luciano do Valle é meio ligado no automático. E pior, ele não consegue identificar os pilotos. Quando o Power passou o Hunter-Reay, ele ficou quieto, aí o comentarista falou “O Power passou…” Aí o Luciano: “Passou! Passou! Power passou!”
      hahahaha
      Outra foi depois da corrida, que enquanto entrevistavam a Bia Figueiredo, ficou vazando o áudio de uma carro acelerando. Péssima edição da Band.

      • KBK disse:

        E enquanto mostravam um carro, o audio era de outro…

      • Croatan disse:

        Realmente, o Luciano do Valle é uma ofensa à inteligência de quem assiste. Durante a ultrapassagem do Power, já no finalzinho da corrida, um silência constrangedor. O “mute” do narrador foi um indício claro de que, apesar de berrar com entusiasmo durante toda a corrida, sequer sabia quem eram os pilotos na imagem da band.

        O pior de tudo foi comemorar a ultrapassagem como um lindo momento do automobilismo, o que fez com longos segundos de atraso, avisado por uma boa alma da equipe da band.

        Não satisfeito em tornar explícita a própria ignorância, o narrador ainda fez outra. Depois que alguém da equipe mencionar que TOny Kanaan havia elogiado bastante o Power, Luciano passou a exaltar o nome do piloto, dizendo que o mesmo “acelerava muito” e que tinha o aval do brasileiro.

        Ridícula a transmissão da band.

    • MarceloPOA disse:

      Viu??? E ainda falam mal do Galvão. Nada é tão ruim que não possa piorar. Já pensou F1 com Luciano do Valle???? Fala sério.

      • Pablo disse:

        Nivelando por baixo fi? heheheh

        O Galvão narrou a chegada da corrida ontem uma volta antes.

        Fora que ele nunca acerta os nomes dos caras, se engana constantemente sobre os pilotos que ele diz conhecer tão bem e por ai vai :-)

        Na média ele é o melhor mesmo, como a média é mediocre, ficamos assim mesmo. Abraços!

      • Doka Rossi disse:

        E tem como falar bem do Galvão??? Só quem gosta mesmo…
        Já pensou a F1 sem o Galvão, mas com o Reginaldo narrando??? Entendeu a diferença??? Todo lixo pode melhorar, sim, basta que se faça a escolha correta – nivelar por baixo pode ser mais fácil, o duro é escolher corretamente.

        • Vantoil Lima Jr. disse:

          Calma aí vai… você fala que o Galvão só fala merda (e fala mesmo), mas olha o que você escreveu…

          Lógico que só quem gosta mesmo do Galvão vai falar bem!!! Quem não gosta fala mal :P

      • KBK disse:

        Há alguns dias estava conversando com um amigo e concordamos que a Maísa seria melhor narrando que o luciano do valle.

    • Jonas Martins disse:

      O Luciano do Valle é patético! Não sabe o nome dos pilotos, não sabe o nome das equipes, não sabe porra nenhuma! E a Band tem o Téo José que, se não é o melhor narrador do mundo, pelo menos entende de corrida…

    • Elcio disse:

      Muitos criticam o Galvão Bueno, mas aguentar o Luciano do Valle é impossível. Acho que ele sofre de puxassaquismo crônico. Haja saco!

    • Luiz Paes disse:

      Concordo!!!!
      Como eles querem aumentar a audiência se não conseguem identificar nem os pilotos brasileiros na pista?
      Só identificavam o Helio Castro-Neves e o Tony Kanaan… Só nas últimas voltas “viram” o Raphael Matos e o Vítor Meira. A coitada da Bia figueiredo, não foi mostrada na pista uma única vez (será que eles pegaram a doença da Globo e não queriam falar o nome do patrocinador dela?) era só falar: Carro azul e amarelo…

    • Racer-X disse:

      O LDV não consegue pronunciar Ryan Hunter-Reay. Durante toda a transmissão só “Hunter”. ; )

    • Gustavo F. Teixeira disse:

      Como apreciador do automobilismo (tais como milhares) merecíamos o mínimo de seriedade da Band na escolha do narrador da corrida. O mínimo: conhecer regras, carros e pilotos. Em 36 anos de vida nunca vi uma transmissão tão ruim, tão desatenta e desconhecedora do assunto.
      Horrível. E a prova apesar dos pesares teve momentos esportivamente emocionantes que passaram batidos na transmissão (perdidíssima) ou na narração … narração ? houve narração ?.

      Gustavo F. Teixeira

  37. Edgar Guediguian disse:

    E quanto ao acidente do Marco Andretti, vi um video tipo compacto da corrida (http://www.youtube.com/watch?v=gyDmOrdViDI) e percebi uma morosidade tanto na chegada da equipe de emergência quanto na necessária retirada do piloto daquela situação de extremo risco. Sei lá, estou sendo exagerado ou foi isso mesmo que ocorreu?

  38. Edgar Guediguian disse:

    Capelli,

    Quando soube do traçado escolhido, logo pensei: tragédia anunciada. E quase o meu palpite (e o da maioria) tornou-se realidade na figura do Marco Andretti. Enfim, as imagens dos treinos e da corrida são mais que suficientes para provar que seria a maior burrada promover essa corrida nos moldes de hoje.

    A propósito, à parte de Interlagos, o Brasil proporciona algum circuito que poderia abrigar a Indy de maneira decente? (não digo “mais” decente pois decência foi o que faltou por parte dos organizadores)

    Abraços

    • Jonas Martins disse:

      Certo que Curitiba poderia receber a Indy sem problemas… mas parece que os proprietários do autódromo estão com problemas financeiros…

  39. Fábio de Lima Cunha disse:

    Capelli, corrigindo os problemás técnicos da pista (principalmente o asfalto), a SP Indy 300 poderá ser uma prova de rua de alta qualidade? Eu particularmente gostei do traçado, a reta da marginal proporciona um otímo ponto de ultrapassagem, e pelo o que pareceu, a região ofereceu boas instalações para as equipes trabalharem, mas o asfalto ofuscou totalmente a corrida.

  40. RT @ivancapelli: "Mais sorte que juizo". Breve capellada sobre a Indy300. http://bit.ly/d3zrjy

  41. Capelli disse:

    "Mais sorte que juizo". Breve capellada sobre a Indy300. http://bit.ly/d3zrjy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *