MENU

19 de maio de 2010 - 10:21Análises, Box, Colunas

Pela humanização do ídolo

* Coluna publicada na edição 2 da revista Warm Up.

Estamos em 2010, um ano no qual são lembrados os 50 anos de nascimento de Ayrton Senna e os 16 anos de sua morte. E desde março a gente acaba vendo de tudo um pouco por aí. E, confesso, me assusto.

Que sua família e seu Instituto têm todo o direito de lhe prestar homenagens, não há qualquer dúvida. Mas sinto um certo incômodo ao ver, pela internet, pela televisão e em todas as mídias possíveis, uma tentativa de canonização de um ser tão humano quanto outro qualquer. Não vai aqui uma tentativa de desvalorizar o grande piloto que Ayrton Senna foi, nem sequer de pichar sua memória. Mas, sim, de colocar as coisas no que julgo ser o seu devido lugar.

Senna foi um ídolo nacional, um dos maiores expoentes de um esporte de alto nível e de alcance mundial. Alguém que pode e merece ser lembrado por tudo o que fez. Mas que desde sua morte vem, forçadamente, sendo alçado a uma categoria de semideus, de onipotente, de oásis de todas as virtudes humanas. Menos, muito menos.

Que lembrar de Ayrton Senna nos remeta a coragem, destemor, persistência e obstinação, tudo bem. O que, no fim das contas, é uma commodity entre pilotos de corrida. E são atributos que, convenhamos, Chico Landi teve mais que todos os pilotos dos últimos trinta anos somados.

Amor à pátria? Não duvido do carinho que pudesse ter a seu país natal, mas é sempre bom lembrar que a primeira empunhadura da bandeira brasileira após uma vitória foi uma brincadeira interna com os mecânicos franceses da Renault que trabalhavam com ele na Lotus. Mais do que um ato redentor para um povo, na essência do gesto estava uma simples provocação entre colegas.

Portador de talento natural, sujeito de família e esportista também são valores que lhe caem bem. E que também servem para Guga, Maria Esther Bueno, Emerson Fittipaldi, Pelé ou César Cielo. Todos grandes campeões e que, em comum com Ayrton, são heróis do esporte nacional.

Ayrton Senna é isso: um herói do esporte, tão grande quanto Oscar Schmidt ou Bernardinho. E tão humano quanto Diego Maradona. Mas não é e nem nunca foi alguém acima do bem ou do mal, o embaixador da boa-vontade, o sujeito bondoso e benevolente sem manchas no currículo. Senna era (ainda bem) humano.

Como quando na Lotus, em 1986, vetou a entrada de Derek Warwick na equipe. O britânico era uma jovem promessa, falava a mesma língua da equipe e dividiria a atenção, tanto do time quanto da imprensa. Senna fez certo, eu provavelmente faria o mesmo. Mas, dependendo do ponto de vista, foi uma atitude ruim.

Tão ruim quanto a ocorrida no final dos anos 80, quando Ayrton tentou expulsar Reginaldo Leme da Rede Globo. Os dois ficaram anos sem conversar, mas a atitude de vetar entrevistas e prejudicar o trabalho do competente jornalista por causa de uma desavença pessoal mostrou o quão baixo um ser humano pode ser quando assume uma postura vingativa.

Se Senna hoje é um bastião da ética e da moral na vida, é bom lembrar que nas pistas as coisas nem sempre foram assim. Como em Mônaco, no começo de carreira, quando ficou andando devagar pela pista numa classificação para atrapalhar os pilotos que buscavam roubar-lhe a pole-position. Ou como nos famosos e infames duelos com Alain Prost, quando, empunhando a espada da vingança, valia tudo sob o argumento de ter sido injustiçado.

Senna não era tão bom, nem tão ruim. Era humano. Humano capaz de negar um autógrafo ao menino Felipe Massa, humano capaz de doar dinheiro para instituições de assistência à criança e a hospitais. Humano capaz de ser arrogantemente deseducado com uma tradutora numa entrevista coletiva e humano capaz de chorar de emoção depois de uma difícil vitória. Um humano que deu um soco na cara de um novato atrevido e que também desceu do carro no meio de um treino para socorrer um colega que sofrera um acidente.

Nada do que foi dito aqui é desabonador. Sei que o texto parece herético, mas não deveria parecer. Se parece, é porque o tempo todo se tenta atribuir qualidades sobreumanas a alguém que, assim como eu e você, era demasiadamente humano.

Vencedor, campeão, gênio das pistas. Mas humano.

Comentários do Facebook

comentários

252 comentários

  1. Leandro disse:

    Parabéns Capelli pela sua neutralidade, você é um dos melhores do automobilismo…É brabo aguentar o radicalismo de alguns Sennistas tentando colocar o Senna como superior ao Schumacão, só porque o Senna proporcionalmente em n°s de GPs ele foi tão eficiente quanto o Schumacher…é brabo ver o alguns Piquetistas tentando colocá-lo no mesmo patamar do Senna ou até superior…esquecendo que todos os mecânicos e eng. que trabalharam com os 2 disseram que o Senna é melhor….todas as listas mundiais colocam o Senna entre os 5. Por isto que o nosso país não cresce o pessoal tem QI baixo 87…não sabe fazer uma análise correta.

  2. Gabriel disse:

    Vim parar aqui ao pesquisar sobre as melhores corridas da F1.
    Acho que entendi o intuito do texto e parabenizo pela forma como colocou seu ponto de vista.

    Mas, como a Alessandra escreveu, tb nao acho que a maior parte das pessoas vejam ou viam o Senna como um ser humano sem falhas. Pelo contrario, ele era extremamente humano, com garra, dedicacao, sensivel, emotivo e emocionante. Quem nao se lembra do troco que deu em Prost em 1990? Isso tudo para mim me faz ve-lo como ainda mais humano, com erros como todos nos temos. Mas ele nao escondia essa emocao, ele era autentico. Amava o que fazia e isso contagiava todos nos (ainda mais por fazer tao bem feito!).

    Quando o Senna morreu eu tinha 11 anos. Assistia F1 desde os 7. Na epoca tinha ido morar no exterior e sentia uma falta imensa do Brasil e dos meus amigos daqui. O Senna ja era meu maior e unico idolo naquele tempo e minha ida ao exterior fortaleceu essa ligacao. Para mim ele representava o Brasil (e ainda o faz). Com ele eu me sentia mais perto do meu pais! E quando ele partiu, esse conforto que sentia sumiu… quanta saudades desse ser humano brilhante. Brilhante por seus acertos e erros, pela sua genialidade e pelas imperfeicoes.

    O Senna foi ate entao a minha (e creio a de muitos) maior perda. Ja perdi meu pai, avos muito queridos. A unica coisa que nao consigo superar e a perda do Senna. Esse vazio e impressionante. Talvez eu sinta isso por ele parecer fazer parte da familia, por ele ser tao humano!

  3. Alessandra disse:

    Na verdade não acho que as pessoas tratam ele como um Deus acima do bem e do mal. Todo mundo sabe que ele era uma pessoa com defeitos e qualidades. O que eu percebo é que ainda existe uma dor, um pesar muito forte pela sua partida, pelo menos para aqueles que gostam dele. Um sentimento inexplicavél que mesmo após quase 20 anos está lá sem cicatrizar. Quando eu lembro daquele 1 de maio eu sinto exatamente o que eu senti naqueles dias que se seguiram após a sua morte. A tristeza na minha casa, na minha rua, na minha escola e a percepção exata que aquela tristeza não era só minha ou da minha familia , o Brasil inteiro e ouso dizer que o mundo todo sentiu aquela dor. Lembro no dia seguinte na sala de aula, uma classe inteira chorando a morte de uma pessoa que nem conheciamos, não consigo esquecer disso, aquele fato nos uniu na mesma dor. Confesso que já quis tentar entender como ele conseguiu causar tamanha comoção, verdadeira e espontanea. Talvez um dia algum estudioso explique.
    Acho que quem não viveu aquela epoca nem consegue entender o que aconteceu, mas garanto foi muito forte.
    Talvez é preciso aceitar que o Brasil (a maioria) ainda gosta muito dele e pronto.
    Não é santificar ninguem não, somente é muito amor e saudade, só isso.

  4. Tatiana disse:

    Olhe, eu sou super fã do Senna e tenho que dizer: teu post foi um dos melhores que já li! Tu em nenhum momento tentaste minimizar o que Senna fez pelo nosso esporte e tenta mostrar que o Senna é “gente como a gente.” Todos os posts que eu já vi querendo “desmistificar” o Senna, soaram ofensivos. Sempre eram tendenciosos. Sempre acabavam com “Piquet foi melhor” e blablabla. Para mim, Fittipaldi, Piquet e Senna foram 3 dádivas da F1 para nós brasileiros. E não adianta ficar diminuindo nenhum endeusando nenhum. Confesso que esse negócio do Senna ter recusado dar autógrafo pro Massa me deixou chocada com o nível de arrogância, considerando que o Massa era um menino na época. Mas ninguém sabia o que se passava na cabeça do Senna e se ele estava feliz no momento e “aberto ao público” no momento. Resumindo: Todos nós somos seres humanos e farinhas do mesmo saco.

  5. Pizzuto disse:

    Thanks a lot for giving everyone an extraordinarily memorable chance to read in detail from this site. It is often so brilliant and packed with a lot of fun for me and my office acquaintances to search your site nearly thrice in a week to read through the latest items you will have. And definitely, I’m certainly astounded considering the exceptional ideas you serve. Certain two points in this post are really the most beneficial we’ve ever had.

  6. Luciano disse:

    Pois é, Capelli… Fico lendo os comentários belicosos dos Sennamaníacos aí embaixo, (como sempre fundamentalistas, arrogantes, formados naquela escolinha Buenista), e penso aqui com meus botões: Será que esses sujeitos assistiram as mesmas corridas que nós assistimos? Ou estão vivendo de documentários, depoimentos, cinema, e retrospectivas feitas nesse Século? Se eles são da nossa época, estariam hoje acometidos por uma amnésia seletiva? Exemplificando: Ninguém se lembra daquela ridícula batida em Adelaide/92, na qual Senna enfiou o carro pra cima do Mansell, como se estivesse numa corrida (suja) de Nascar? Ou aquela catimbada antidesportiva contra o Prost, na Alemanha em 1991, muito depois das encrencas de Suzuka em 89 e 90? E o erros cometidos em Mônaco/88, Estoril/89? ? E a pirraça contra Reginaldo Leme, como você mesmo mencionou? Ninguém se lembra desse Senna?

    Tem muito moleque hoje, com vinte primaveras completadas, que se arvora em catedrático da mitologia automobilística. Esquecem-se que o próprio Senna, ao lançar sua marca comercial, esculpiu uma frase que traduz comedimento: “driven to perfection”. Ou seja, o próprio Ayrton afirmava que DIRIGIA RUMO À perfeição, e não, que era a PRÓPRIA perfeição! Seus feitos memoráveis, como em Estoril/85, Suzuka/88, Interlagos/91, Donington/93, mostram o quão ele PODIA SER perfeito ao volante. Mas daí dizer que o cara era invulnerável a erros… Quanta infantilidade.

    Gostaria que alguém como o José Padilha rodasse uma biografia do Ayrton. Será que as pessoas gostariam de ver um Senna “despido” da mitificação? Cresçam, meus coleguinhas. Automobilismo não é futebol, não há espaço para esse fetichismo imbecil!

    Parabéns pelo artigo, Capelli.

  7. Jorge Alain disse:

    Muito bom o artigo heim véi?!

    Sou digamos, um fã de Senna, mas concordo com teu ponto de vista.

    A mídia tenta forçar uma visão mítica do cara, de um deus, alguém superhumano, que nunca cometeu erros, que não tinha defeitos, que era bonzinho o dia todo.

    Ora lá né? Porra, ele é humano.

    Apesar de Cristão devoto, ele não era santo, e fazia lá suas merdas, principalmente nas pistas, e algumas fora delas, como foi citado em alguns comentários acima.

    É bom textos como esse aqui pra por esse pessoal de volta na realidade de um mundo onde todos um dia já cometeram erros, sendo esses os fodões da sua época, ou apenas alguns “qualquer”.

    Abraço, e mais uma vez, parabéns pelo ótimo texto.

  8. Jorge Alain disse:

    Muito bom o artigo heim véi?!
    Sou digamos, um fã de Senna, mas concordo com teu ponto de vista.
    A mídia tenta forçar uma visão mítica do cara, de um deus, alguém superhumano, que nunca cometeu erros, que não tinha defeitos, que era bonzinho o dia todo.
    Ora lá né? Porra, ele é humano.
    Apesar de Cristão devoto, ele não era santo, e fazia lá suas merdas, principalmente nas pistas, e algumas fora delas, como foi citado em alguns comentários acima.
    É bom textos como esse aqui pra por esse pessoal de volta na realidade de um mundo onde todos um dia já cometeram erros, sendo esses os fodões da sua época, ou apenas alguns “qualquer”.
    Abraço, e mais uma vez, parabéns pelo ótimo texto.

  9. http://bit.ly/dB0h2V ~ Sou fã do Ayrton Senna e tambêm por isso mesmo tenho razões pra sempre recomendar este artigo do @ivancapelli =).

  10. Glauber disse:

    Chico quem? hahaha

    Piada esse teu comentário. Típico de um Piquetista ou Schumista.

    Se tu nao gosta dele fala abertamente, amigo. Trata-se do melhor piloto da história. Não tinha essa de monotonia nem de deixar o companheiro passar. Com certeza nenhum de nós é “semideus”, tu nem precisava dizer isso.

    Era só tu dizer: Nao concordo q ela seja o melhor da história. Pronto. Fica com tua corrente minoritário de brasileiro vira-lata torcedor de estrangeiros, como o Flavio Gomes.

    Cambada de brasileiros do Paragua frustrados.

    • Pedro Neto disse:

      Tu é mal educado hein camarada?
      Vivemos em uma democraciae alem do mais o Blog é do Capelli.
      Desacelera viuva!!

    • Luciano disse:

      Que feio… São pessoas assim que costumam fundar aquelas “torcidas” que só levam violência e animosidade para os estádios. Bota mal-educado nisso! Mas, pelo menos, mostra o nível desses pretensos entendedores de automobilismo. Liga não, Capelli, essa criança não sabe o que faz…

  11. @pilarfreitas @moarruda_ @Nemetscek mto bom o texto do @ivancapelli sobre Senna: http://vai.la/1yNP (vou repostar no fds)

  12. é nesse naipe mesmo! RT @moarruda_ @Nemetscek @rogeriotomazjr @pilarfreitas UMa opinião sobre o Senna do: @ivancapelli http://vai.la/1yNP

  13. Nemetscek disse:

    (cont.) do meu desapontamento com o Sebastião Salgado (humano). RT @moarruda_ @rogeriotomazjr @pilarfreitas @ivancapelli http://vai.la/1yNP

  14. Nemetscek disse:

    Muito interessante. Me lembrou do meu desapontamento (cont.) @moarruda_ @rogeriotomazjr @pilarfreitas @ivancapelli http://vai.la/1yNP

  15. @Nemetscek @rogeriotomazjr @pilarfreitas UMa opinião sobre o Senna do: @ivancapelli http://vai.la/1yNP

  16. Wislow disse:

    Olha estava procurando um bom blog de f1 e me deparei com este artigo! ja vi que nao é aqui que eu vou achar! pelo jeito só mais um modinha “do contra” ou revoltadinho de internet! entendo um poouco onde vc quis chegar… mas meu caro, minhas palavras sao as mesmas do amigo jean amaral no post acima! pode nao ter sido um Deus mas foi sim o maior piloto de f1 ja visto e o maior idolo do brasil de todos os tempos! alguem que faz o brasil inteiro chorar com sua morte, nao foi um qualquer! ele nao foi um Deus e nem foi perfeito, mas foi alguem que vou admirar pro resto da minha vida, alguem que nunca vou esquecer, que mostrou o valor do brasil pro mundo em um esporte europeu em que viviam querendo derruba-lo! meu caro acho que vc esta mais pra querer ser “diferente” do que pra entendedor de f1 e sua melhor época! senna foi brutalmente injusticado por um frances (mesma nacionalidade de prost, isso vc deve saber neh) e no ano seguinte estava sendo garfado denovo. no seu lugar eu faria a mesma coisa mil e uma vezes, pq se hj em dia eles passam por cima dos brasileiros na f1, senna na sua época nao deixava! entao amigo, até entendo que a globo manipula certas coisas mas com senna nao. ele foi sim tudo que foi, nao só aqui como no mundo inteiro, como no japao (nao tem globo la né?) onde é um heroi, como pra alonso ou hamilton, sera que eles assitiam a globo? acho que nao.
    antes de quere criar comentarios tendenciosos, entenda melhor a historia! no mais é isso. um abraço de um fã do senna com mto orgulho!

  17. Felipe F. disse:

    CAMBADA DE FDP !

    O SENNA FOI O MELHOR MSM E CHORA PIQUEZADA E SCHUMACADA !

  18. Jean Amaral disse:

    Tenho 22 anos, mesmo não tendo perfeita e total compreensão na época, eu era um fan e sabia o suficiente para deixar muitos adultos de boca aberta quando o assunto era automobilismo…enfim, não existem palavras para descrever o que senna representa, sei que é Algo que não existe atualmente, você se lembra quando enterramos ele? digo nós porque o brasil todo havia perdido uma figura altamente inspiradora. Se Acha que a mídia o transformou nesse ídolo, tente explicar porque meus olhos e de muitas outras pessoas se enchem de lágrimas quando assistem algum vídeo dele. Falando nisso, está para sair o filme dele, como será sua bilheteria?

    • Luciano disse:

      Argumento pífio. Seus olhos também se encheriam de lágrimas por Tiradentes, Princesa Isabel e Getúlio Vargas, se você estudasse essa História que nos empurram até hoje como verídica. O Brasil precisa de ídolos; a mídia ajuda a construí-los. Mas não lhe julgo, pois como diria Sêneca: “A opinião pública é a pior opinião que existe.”
      Nesse século de banalidades, acaba sendo normal se emocionar com a pretensa santidade de um aristocrata cosmopolita, bon vivant, que curtia a vida em Monte Carlo, flertava com inúmeras “modelos”, e, nas horas vagas, bancava o filantropo.

  19. LUCIO ANTONIO BEZERRA DE MELO disse:

    BOA NOITE COMANDANTE CAPELLI LENDO TEU TEXTO NÃO O CLASSIFICO COMO DESINTERESSANTE MAS A VERDADE É QUE A FALTA DE CAPACIDADE E COMPETENCIA DOS PILOTOS HJ EM FOCO É TANTA QUE SE CHEGA A MÁXIMA DE QUASE SE ENDEUSAR UM GRANDIOSO E RARÍSSIMO PILOTO COMO O GRANDE SENNA ORA VEJAMOS COMPARÁ-LO COM QUEM???!!!!!!SCHUMACHER ??? HAMMILTON????VETTEL???COM QUEM PODERÍAMOS COMPARAR NOSSO COMPATRIOTA SUPER PILÔTO !!!ORA VEJAMOS QUE EU SAIBA NUNCA PRESENCIEI SENNA PEDINDO A EQUIPE VIA RÁDIO PARA QUE UM OUTRO PILÔTO DA EQUIPE O DEIXASSE PASSAR POR ORDEM DESSA SÃO ÊSSES TIPOS DE PILÔTO SE É ASSIM QUE PODEMOS CHAMAR POIS NÃO MERECEM A ALCUNHA DE PILÔTO PROTÓTIPOS DE PILÔTO COMO ALLONSSO VETTEL E HAMMILTON ESTÃO FADADOS AO ESQUECIMENTO PRECOCE COMO ACONTECEU COM SEU COMPARSA SCUMMACHER QUE SÓ ULTRAPASSOU OS RESULTADOS DO SENNA COM êste já falecido e depois de quanto tempo??? respostas neste ou p/ esse blog!!

    • Luc disse:

      Patético!
      PilÔto?!?!?!
      ALLONSSO?!?!
      HAMMILTON ?!?!?!
      SCUMMACHER ?!?!?!
      Você deve ser um dos que a Globo lobotizou!!!

    • Carlos Alberto disse:

      Sei que vou ser exacrado. Mas sob minha ótica, melhores que Ayrton, foram: Fangio, Clarck, Lauda, Stewart, Gilles Villeneuve, Didier Pironi,Piquet, Mansel e sem dúvida alguma Schumacher. Quem é do meio sabe o que quer dizer “o piloto vendeu o carro”, pois todos os citados, sabiam “comprar o carro novamente”, e o endeusadio Senna não sabia. Qunto a ser patriota,o Landi deu de dez nele, recusou um convite para assinar com a Ferrari, por esta não ter cocordado que seu caro fosse amarelo (cor do Brasil na FIA)…

      • Luciano disse:

        Concordo contigo, com exceção ao Schumacher. Ele pode ter 7 títulos, uma penca de recordes, mas creio que a partir de 2000 ele contou com uma maré pra lá de favorável, não só na Ferrari, como na Fórmula 1 como um todo… Mas, ainda sim, um grande piloto. Os demais que você citou, além de grandes, tornaram-se lendas. Coisa que o Schumi, na minha opinião, não alcançará.

  20. LUCIO ANTONIO BEZERRA DE MELO disse:

    BOA NOITE COMANDANTE CAPELLI LENDO TEU TEXTO NÃO O CLASSIFICO COMO DESINTERESSANTE MAS A VERDADE É QUE A FALTA DE CAPACIDADE E COMPETENCIA DOS PILOTOS HJ EM FOCO É TANTA QUE SE CHEGA A MÁXIMA DE QUASE SE ENDEUSAR UM GRANDIOSO E RARÍSSIMO PILOTO COMO O GRANDE SENNA ORA VEJAMOS COMPARÁ-LO COM QUEM???!!!!!!SCHUMACHER ??? HAMMILTON????VETTEL???COM QUEM PODERÍAMOS COMPARAR NOSSO COMPATRIOTA SUPER PILÔTO !!!ORA VEJAMOS Q

  21. Fritz A. M. disse:

    Não vou comentar, não vale apena depois do li acima, uma lástima de texto

    • Luciano disse:

      Só tenho a lamentar por você. No mínimo, és um jovem fanático e entusiasta, que sequer tem idade (maturidade já deu pra perceber que não tem nenhuma) para avaliar a profundidade histórica e crítica da dissertação do Capelli. Senna era humano sim! E deu demonstrações disso dentro e fora das pistas, tanto positivas quanto negativas. E por falar em negativas, você por acaso assistiu ao GP da Austrália de 1992? E o da Alemanha em 1990? Veja e tire conclusões mais sensatas…

  22. onassis bruno disse:

    Muito Equilibrado o texto. Concordo em gênero,número e grau. Mas além disso tudo está uma tendência a projetarmos qualidades sublimes a nossas paixões. Idealizamos nossos amores e projetamos neles as qualidades que gostaríamos, no fundo, que fossem nossas. Não é muito diferente com os nossos ídolos. No mais, quanto mais inalcançável for o ser idealizado melhor para o alimentar a idealização.

  23. Murilo disse:

    Perfeito. Não existe deus nesse esporte, com certeza. Senna foi o melhor da F1 moderna, e pode estar no patamar de Fangio e Clark, mas não era super-herói.

  24. Jose Henrique disse:

    È isso mesmo.

  25. Renato Togawa disse:

    Capelli, não sei se você lembra, mas no ano passado, falei sobre meu TCC: “Ayrton Senna: Herói na vida, mito na Morte – Análise da influência da Rede Globo de Televisão sobre sua imagem mítica”.

    Minha conclusão é bem similar ao seu texto: Senna era um talentoso piloto, mas não era perfeito, muito menos um deus. Uma pessoa que, como qualquer ser humano, também errava.

    Parabéns pelo texto,
    Abraço… o/

  26. Rafa disse:

    Como você escreve uma coisa dessas, você tá loco??? To zoando…rsrs

    Perfeita dissertação Capelli. Parabéns!

  27. josé wellington porto disse:

    eu concordo com você, pois é preciso mostrar que o andor é de barro… em relaçao a “humores”, lembro de experiências boas com Emerson Fittipaldi, Luiz Pereira Bueno, Marinho Amaral, Walter Barchi (que para para conversar comigo aonde eu o encontro, embora ele saiba que já estou fora do jornalismo há décadas), Johnny Ceccoto, John Surtees (um dos meus ídolos de infância), o Muffato (o “prefeitão”), entre outros. lembro também de dois “gozadores”, que armavam cenas, mas que considero humanos e gentis,”gente boa”, o controvertido Paulão Gomes e o Pedro Victor Delamare…

    • Thales disse:

      Fico muto satisfeito quando encontro alguma postagem na internet que faça referencia a Pedro Victor de Lamare.
      Tinha 10 anos quando vi pela primeira vez o Opala 84 rasgando o Tala Larga em Tarumã. Estava contaminado….
      O automobilismo entrava no meu sangue…
      Queria ver mais materias sobre Pedro Victor…
      Abraço

  28. Paula Valias disse:

    Leitura obrigatória para TODOS os brasileiros: http://tinyurl.com/3a6p9la

  29. MARCELO disse:

    Humano, sim. Prova disso é que ele chamava de “presente” o talento que possuia. Some a isso: iniciativa, foco, estar no lugar e hora certos, e muito importante: ter ao seu lado as pessoas certas. O resultado é a história que ele escreveu. Pena que foi curta.

  30. Cassius Clay Regazonni disse:

    Quanto maluco tem por aí, é capaz de surgir uma igreja com esses fanáticos. IGREJA DO SANTO SENNA DOS ÙLTIMOS DIAS.

    Ainda bem que apareceu o Schumy para pulverizar as conquistas do brasileiro e mostrar que o Senna era um grande piloto, nada mais que isso.

    Perto do Schumy o Senna é quase um perdedor.

    90 vitórias contra 41.

    7 títulos contra 3.

    Mais pole positions.

    Se o Senna fosse vivo estaria muito puto com o alemão.

    • Carlos Alberto disse:

      Concordo, se o Senna estivesse vivo estaria puto……

    • Heberthy disse:

      Falou de Senna, segura as paquitas do Schummy.

      O que vocês não compreendem é que os números neste caso ajudam o brasileiro. Como um sujeito que vc considera um grande piloto, com números expressivamente menores que os do alemão, ainda pode ser considerado por muitos (e isso vide mundo inteiro e não brasileiros pq além de ser unânimidade aqui, há anos não temos a realização de pesquisas de tal gênero: melhor de todos os tempos, etc…) o melhor de todos os tempos? Para quem viu o Senna de perto guiando como Jon Ramirez, Barnard, Murray, Bernie, Stewart, Lauda, Mansell e até o próprio Prost, ficou claro que diante de seus olhos não estava apenas um grande piloto, mas sim “o piloto”. O Bernie mesmo, que vc deve concordar comigo, entende quase nada de f1, e trabalhou com tantas feras, incluindo o Piquet, já disse: Não trata-se de números. “Vê-lo guiar era como ver o Ronnie (Peterson), Villeneuve (Pai) e Clark (Jim). Algo que não vi em nenhum outro piloto. Por mais que o Schumacher seja considerado um profeta do esporte, num duelo direto, ainda colocaria meu dinheiro no Senna”.

      Os números são matemática: se o Webber for campeão do mundo 8 vezes com uma super Red Bull, então ele seria o maior piloto de todos os tempos? Pra quem viu o Senna ou o Fangio guiar, talvez não…

      Com relação ao artigo, o cara criou uma fundação antes de morrer a ajudava diversas instituições de caridade. A sua Fundação ainda atende centenas de crianças e mesmo assim, ele nunca teria deixado de, se possível, fechar o Schumacher ou Prost. Trata-se de um esporte onde apenas 1 vence. Fora das pistas o seu lado humano imperava. Ou acha que todos aqueles que ainda guardam boas lembraças dele, incluindo o Frank Williams, que teve pouco tempo ao seu lado, colocaria o seu nome na ponta dos seus carros só pq qualquer um morreu dentro de um deles?!

  31. Schumi disse:

    Outro mito. Nesta citada prova de Interlagos ele perdeu só a terceira marcha. O que já é bastante.

  32. walter disse:

    Lendo o texto, achei fraco: não tem cabimento discutir que Senna fosse “bastião da ética”. O cara era piloto, competidor, só via um resultado aceitável, que era vencer.
    Nunca tinha visto essa defesa do Senna super-homem (só a de super piloto, o melhor de todos, na minha opinião).
    Mas me rendo: 207 comentários! Defesas apaixanadas, críticas apaixonadas…
    Parabéns Capelli, gol para você e para o seu belo blog.

  33. Carlos Gil disse:

    Na minha modesta opinião, que acompanhava a F1 desde o início da década de 70, pois atualmente não acompanho mais. Graças ao Galvão Bueno. O Ayrton Senna nem é o melhor piloto brasileiro, título que cabe ao Emerson Fittipaldi que foi bi-campeão nas duas principais categorias do mundo automobilístico (F! e Indy) e de quebra ainda venceu por duas ocasiões a 500 milhas de Indianápolis!!! Sendo que no tempo dele era o piloto que fazia a diferença. Em seguida, vem o Nelson Piquet que foi tri na F1, com um pouco de tecnologia, mas em sua totalidade no braço!!! Já o Senna, que tem os seus méritos, obviamente, foi também tri-campeão, mas na sua grande maiores com carros de ponta, bem superiores aos demais!!! Então é analisar friamente!!! E por quê também não “endeusam” estes dois a até mesmo o Chico Landi, que foi o precursor disso tudo!!! Pois é, mas o Galvão Bueno tem os seus motivos, era sócio do Ayrton numa empresa!!! Não vale a pena levar o Galvão Bueno a sério ele é um insano. Galvão, faça-nos um favor desapareça!!!!

  34. Arthur de Oliveira Cavalcante disse:

    Acho que só há uma coisa a dizer sobre toda essa palhaçada nos comentários. No Brasil, ou você pensa igual a maioria (bando de “zé ruela”) ou então você é atacado com mil pedras. É um país onde você é PROIBIDO de pensar. Ou você acata o que te dizem e o que a maioria acha, ou então você é um ser desprezível, miserável. Isso me lembra várias épocas da história mundial, e uma delas culminando na nossa segunda grande guerra. Porque alguém se julgou SABER mais que o resto e então todos que pensavam diferentes eram vermes inferiores. A diferença é que aqui no Brasil não dá pra usar o argumento da raça ariana né, pq o método é igualzinho.

    Bando de idiotas que fazem justamente tudo ao contrário do que “pregava” o “monge Ayrton Senna”… agem igual a ele, posando de heróis, mas não passam de gente cheias de defeitos como todos os outros.

    Tem horas que dá vergonha de ser brasileiro…

  35. robson disse:

    vou falar uma coisa todos jogadores de futebol tem alguem para jogar juntos com eles,mas o airton senna era um piloto de primeira foi tri-campeao mundial sem ajuda de ninguem,eu queria ver se fosse na quela epoca se o schumacker teria todos esses titulos que tem hoje,tem que fazer homenagem ao senna em todas as corridas nao pode esquecer esse genio,era bonito toda manha de domingo que tinha corrida, acordar e ouvir a musica tocando a vitoria dele nas pistas segurando a bandeira brasileira,dava muito gosto de ver as ultrapassagem.

  36. RIDICULO!!!!!!!!!!!!!!!!!! Isso não merece comentar.

  37. Capelli, bom dia! Quem eh vc para escrever sobre Senna e ainda mas comprar com Maradona do pó. Acho que vc como jornalista conseguio chamar a atenção do povo brasileiro, acho que vc deveria ficar calado, caladinho. O que a familia Senna faz pelas crianças do Brasil eh coisa sobrenatural como vc fala. Acho que esse comentário ridiculo nem merece ser comentado.

  38. felix disse:

    É MUITO ENGRAÇADO ! QUANDO FALAM DE ÍDOLOS DE OUTRA NACIONALIDADE TODA A MÍDIA OS COLOCAM COMO SEMI-DEUSES , MAS COMO ERA UM BRASILEIRO TEM GENTE QUE SE DÁ AO TRABALHO DE ESCREVER COLUNAS ,TEXTO ETC PARA NOS LEMBRAR DE QUE ERA UM HUMANO ,QUER DIZER QUE MARADONA PODE ATÉ TER UMA IGREJA COMO SE O REI DO PÓ FOSSE SANTO E O AYRTON NÃO PODE SE LEMBRADO COMO UM GÊNIO ?? , QUE DE FATO FOI .NÃO É COMPARA-LO A DEUS MAS É ÓBIVIO QUE TODOS OS ELOGIOS E REFERENCIAS DEVEM SER PRESTADOS PARA SENNA QUE FOI HUMANO MAS SOBRE TODOS OS ASPECTOS FOI DIVINO TAMBÉM .

  39. Senna, simplesmente o melhor de todos e mais nehuma palavra.

  40. António Barbosa disse:

    Capelli

    Este seu texto acaba sempre por ser uma tentativa de malhar no Senna e explico porquê:

    - só quem não sabe o que é um heroi é que acha que um heroi não tem defeitos…o que faz dele heroi é que tendo os defeitos que todos nós temos tem qualidades que se sobrepoem aos defeitos que não se verifica na pessoa comum ou não se verificam com tal intensidade

    - enumerar defeitos humanos de Senna é como olhar para as suas corridas e ver as vezes em que ele desistiu em comparação com as vezes que venceu e segundo o seu ponto de vista como não venceu bem mais corridas do que aquelas em que participou seria um fraco piloto…neste caso você parte do facto de ele ter cometido erros como ser humano ( e atenção erros segundo a sua moralidade ou a moralidade comum , há condutas que são erradas ou certas consoante o ponto de partida) e faz destaque delas para provar o que todos nós sabemos : que era humano.

    O que você não consegue com isso é desmontar aquilo que de bom ele tinha..da mesma forma que não consegue dizer que ele era um mau piloto porque perdeu mais corridas do que ganhou..logo por ai se vê a desonestidade intelectual do seu pensamento.

    Se eu quiser partir do ponto vista negativo de qualquer pessoa…todos nós temos coisas más..o que muitos de nós não temos é aquilo que Ayrton tinha…é ai que entra a diferença.

    Uma nota final : tenho-me deparado com vários escritos como estes que tentam virar as coisas do avesso e tentam fazer ver ás pessoas as coisas da maneira que lhe convêm…ora não é virando a casa ao contrário que eu obtenho a verdadeira perspectiva das coisas…é isso que você faz virando a casa ao contrário.

    Desonestidade intelectual não…eu prefiro muito mais alguêm que ataque directamente Senna do que fazendo um texto aparentemente conciliador virar a perspectiva das coisas para fazer vencer uma tese : que Ayton não era isso tudo…se você não gosta fale dos pilotos que gosta ou ataque Senna…mas não tente fazer dos outros idiotas virando a casa ao contrário.

    Há vários comentadores no brasil que fazem isto : não vale a pena, estão apenas a cair no ridiculo…enaltecam os vossos pilotos e deixem seus adeptos enaltecer o deles.

    E agora diga que são as viuvas…olhe antes viuva que desonesto intelectualmente que é isso você está a ser….alguêm numa vida faz 100 coisas boas e 20 más..você parte das 20 más para provar a sua tese.

    Vocês que não gostam de Senna não se dediquem a ese trabalho de negar uma evidência porque caiem no ridiculo…obriga sempre a ver a coisa pelo lado negativo porque não conseguem pelo lado positivo…enaltecam as qualidades dos pilotos que gostam em vez de tentarem falar mal de alguêm que tinha muitas mais coisas boas do que más.

    Se não gostam de Ayrton Senna não consumam mas deixem quem gosta consumir..vive e deixe viver já ouviu falar ?

  41. RCRG72 disse:

    Capelli, costumo frequentar o blog do Flávio Gomes. Passei por aqui e vi seu texto. Você tem toda razão. Mesmo que alguns achem que ajudar a humanizar o Senna seja errado, devemos e podemos fazer isso. Pois Senna se tornaria tão interessante como figura esportiva quanto Nelson Piquet.
    Essa coisa de manipulação de informações é coisa muito feia. A RGT adora fazer isso.
    Senna era e sempre foi meu piloto favorito. Absurdamente rápido. Mas sei reconhecer nossos outros pilotos. Do passado e do presente. Os que idolatram Senna não sabem tratar com respeito os outros pilotos que também nos representam ou representaram.

  42. Capelli, duas coisas:
    - o sujeito que tinha a bandeira do Brasil quando Senna venceu em 1986, em Detroit, é daqui da minha cidade, Poços de Caldas (MG). Em breve deverei publicar a entrevista que fiz com ele.
    - gostaria que você detalhasse como foi essa briga do Senna com o Reginaldo Leme. Sempre leio que ela existiu mas jamais soube o que aconteceu.

    Parabéns pelo texto.

  43. Francesco disse:

    Senna era o melhor naquilo que fazia, praticava filantropia sem que ninguem soubesse e era focado sempre em se superar e evoluir ao máximo em sua atividade. Isso é admirável em um ser humano, e é suficiente para gerar muitas admirações, por todo o mundo. Somado a esses fatos, em condições extremas e arriscadas de corrida (leia-se chuva), prevalecia seu talento perante todos os outros, talento esse conquistado após muita pratica nessas condições de pista, pois quando novo ele tinha na pista molhada seu calcanhar de aquiles, então quis se superar e ser o melhor no molhado! Esses fatos já são suficientes para alça-lo à condição de ídolo, herói de diversas nações!
    Obviamente, errou em vida (atitudes vingativas), como todos nós erramos nesse planeta chamado Terra, mas suas virtudes superam de loooonge seus equívocos. Fato!

  44. Hélio (Vitória-ES) disse:

    Capelli não passa de um torcedor do Piquet com dor de cotovelo por não ver seu ídolo elevado ao mesmo nível do Senna. Sinto, mas a verdade é essa. Senna foi um gênio superado na história apenas por Fittipaldi e Fangio.

  45. rudney disse:

    Olha meu amigo, redator deste testo. como todo mundo senna e realmente um ser humano como qualquer outro, porem niguem tem coragem de fazer o que ele fez pra o bem e reconhecimento de uma nacao. Naquela hora q ele astio a bandeira pela primeira vez foi pra prova que o cidadao brasileiro e competente pra fazer e se superar. discutir e briga todos tem q fazer, pra alcancar o q deseja. cada um tem um pesamento proprio e sempre a briga entre pessoas e familias, mas acha que AYRTON SENNA nao deve ser considerado mito ate um semi deus (humano c/ deus – mitologia), isto e um abisurdo. Todos tem q lugar pelo q deseja, mesmo que grande parte ja contra… o que me diz dos outros personagem, eles conserteza fez algo de errado e niguem tem q fica sem expressar seu pensamento. E SIM ELE E UM SEMI-DEUS! como sao poucos os dignos de coracao e rico em lutas.

  46. Mauricio POA disse:

    È facil falar de alguem que já morreu,,,esta ai acima escrita é a história de um TRICAMPEAO.Vai lá e tenta afzer o que ele fez e dpois me conta.
    Abrçç

  47. Mateus disse:

    Senna não fez mais do que qualquer piloto deveria fazer.
    A globo apenas se aproveitou do Pão-e-circo para transformá-lo na parte do circo.
    E criou um bando de viúvas e anti-sennistas que perdem tempo discutindo o sexo dos anjos… eu posso dizer que me diverti lendo os comentários de ambos os lados.
    Ídolo mesmo, ou melhor, exemplo de vida é um cara como Alessandro Zanardi, por motivos óbvios.
    E não poderia deixar de mencionar, que: Capelli, ótimo texto. de novo.
    abraços!

  48. Cláudio disse:

    Ele comeu a XUXA, e o Pelé tbm comeu. Coisa mais humana !

  49. Ewerton Romulo disse:

    Excelente, texto!
    O texto realmente trata Airton Senna como humano, como nós, como todas as pessoas. Excelente! Parabéns!

    Muitas das informações eu não sabia. E um trecho me chamou atenção:
    “…no final dos anos 80, quando Ayrton tentou expulsar Reginaldo Leme da Rede Globo. Os dois ficaram anos sem conversar, mas a atitude de vetar entrevistas e prejudicar o trabalho do competente jornalista por causa de uma desavença pessoal mostrou o quão baixo um ser humano pode ser quando assume uma postura vingativa.”

    Teria algum problema em você descrever que desavença foi essa?

  50. Paulo Cesar disse:

    Senna = Bernardinho? Viajou hein? O Bernardinho é tosco. Senna = Oscar? Outra viagem. Os maiores pilotos de toda a história da F1 são quase unânimes em dizer que Senna foi o melhor, perguntem para os maiores jogadores de basquete do mundo se o Oscar foi o melhor… Senna = Guga? aff, sem comentários. O texto desta coluna é patético, era melhor ter ficado calado ou falar sobre outro assunto. Senna é inquestionável como ídolo.

    • Francesco disse:

      Comparar Senna com Bernardinho, Guga, Oscar, Hortencia??? kkkkk Aí vai é sacanagem né???

      Capelli, vai trabalhar em análise de sistema que é o melhor que voce faz!!

      Senna é quase uma unanimidade quando se fala no melhor esportista do seu esporte (F1). Vc não pode comparar Senna com – sem desmerecê-los – estes esportistas! Seria mais feliz e sábio de sua parte – ou melhor, do seu texto – compará-lo com profissionais que foram/são reconhecidamente os melhores naquilo que fizeram: Michael Jordan, Muhammad Ali, Tiger Woods e por aí vai.

  51. Julio disse:

    Se ele for humanizado, torna-se uma pessoa comum e portanto, deixa de ser ídolo. Parece que o seu cérebro tá cagado.

  52. Alfredo disse:

    Capelli,

    Você é um estraga-prazeres. Todos nós sabemos que assim como o Senna, o Raul Seixas, John Lenon e vários outros ídolos eram humanos e portanto, sujeito a falhas. Entretanto, não vale a pena lembrar disso depois que eles morreram. Muito baixo.

    Se quiser falar de defeitos, deveria tê-los apontado enquanto o Senna era vivo. Aliás, na época você era o que mesmo… deixe-me lembrar. Ah, o que você é hoje: um covarde.

  53. Marcello disse:

    Galera, esses pulhas do blog só atacam o Senna, porque dá uma infinidade de post’s, e então eles falam: Viu? 500 mil post’s no meu blog… Vamos nos ligar!!!

  54. Norson Botrel disse:

    Um dos textos mais sóbrios que já li sobre Ayrton Senna. Excelente.

  55. veciops disse:

    Pela humanização do ídolo (Ayrton Senna) : http://bit.ly/95ZFtC

  56. MARCOS ALVES disse:

    Valeu Guto, gostei, quem é Capelli?????
    Arthur vc caiu em contradição, um gênio quando morre vira mito.
    Quanto aos outros Piquetistas frustrados, será que voces não estão massificados demais pela Internet, talvez muito mais do que pela Globo que vcs detestam tanto, mais não param de assistir.

    • Arthur de Oliveira Cavalcante disse:

      Entrei em contradição pq “Gênio quando morre vira mito”? LOL…

      Sério… o que me deixa impressionado é que mesmo o automobilismo sendo um esporte mais seletivo, onde pra gostar geralmente precisa ter mais que o tico e o teco, ainda assim tem muita gente que simplesmente não consegue raciocinar por conta própria.

      Então é cara… Senna é deus, Oh, glória ao deus. Agora vão me dizer que é real também aquela história de outra dimensão e que viu Nossa Senhora durante a corrida? Sério… o cara era foda, mas tem horas que brasileiro chega a ser patético…

  57. MARCO ANTONIO A. DUARTE disse:

    ELE REALMETE ERA UM HUMANO, MAS O HUMANO MAIS OBCECADO PELA PEFEIÇÃO QUE JÁ CONHECI. ENQUANTO ALGUNS PILOTOS DE PONTA DA ÉPOCA SE SATISFAZIAM COM O SIMPLES FATO DE ESTAREM MELHORES QUE OS DEMAIS CONCORRENTES ELE CONTINUAVA A BUSCA PARA NÃO SER APENAS O MELHOR, MAS SIM, MUITO MELHOR. DEIXAVA SER UMA DISPUTA COM OS OUTROS PARA VIRAR ALGO PESSOAL. UMA BUSCA INSSESSANTE PELO PERFECCIONISMO. NÃO ERA PERFEITO COMO HOMEM, MAS BUSCAVA OS LIMITES MUITO MAIS DO QUE OS OUTROS COMO NÓS. NISSO É QUE AYRTON ERA INCOMPARÁVEL. TODOS NÓS SOMOS CAPAZES DISSO, MAS NÃO TEMOS A OBSTINAÇÃO NECESSÁRIA. ELE NÃO TINHA A PALAVRA “ACOMODAÇÃO” EM SEU DICIONÁRIO.

  58. Guto disse:

    Todos os blogs do Grande prêmio falam a mesma lingua, quando se referem a Senna. Sem personalidade vocês hein? Tudo que o seu chefe mandar!!! Quem é Capelli????

  59. Luiz Mazzoni disse:

    Ayrton foi um genio e morreu um idolo, goste o Sr.ou nao!
    Como o Sr.mesmo afirmou o Ayrton era ser humano como todos nos, e sijeito a erros como todos nos; mas seus feitos sobrepujaram em muito sua existencia.
    percebo que o Sr. tomou as dores do Reginaldo Leme, mas deve ter existido algum motivo muito forte para o Ayrton ter feito o que o Sr. afirma, pois conhecendo-o pessoalmente afirmo que o Ayrton era um ser humano exemplar, corretissimo, honesto, dedicado e acima de tudo caridoso.
    Se este episodio realmente existiu o mesmo foi apagado pelas inumeras caridades que ele prestou e ainda presta atravez da fundacao Ayrton Senna.
    me admira muito ver varios jornalistas, e ate os nao jornalistas mas curiosos, que usaram o sucesso do Ayrton em materias quando do seu sucesso, e que hoje nem se lembram do aniversario de sua morte sito o Flavio Gomes como um deles, fato que me fez nunca mais comentar algo no site.
    Os jornalistas em geral fazem aquilo que chamamos vulgarmente de “Cuspir no prato que comeu”.

  60. Paulo Carvalho disse:

    Herói? melhor piloto da categoria? Tudo falso e de uma chatice ímpar.
    Senna estava transformando a F1 numa chatice sonolenta tanto quanto o schumacher fez, até que fosse “gentilmente” convidado a se aposentar “contra sua vontade” para o bem do esporte.
    Nenhum País precisa de heróis, e se existe algum no Brasil, atende pelo nome de Maestro João Carlos Martins. Fora ele, somente os milhões de “zé manés” que tem que dar de comer para várias bocas com um salário mínimo.

  61. Arthur de Oliveira Cavalcante disse:

    O que falar deste texto? Simplesmente perfeito.

    Por mais que as pessoas sejam tapadas e induzidas pela massa de idiotice Global, qualquer pessoa com um mínimo de imparcialidade (e atenção) sabe que o Senna é sim humano e que no meio de muitos gestos lindos, houveram outros não tão nobres assim. Uma das coisas que me chateia profundamente é o fato da imprensa tornar o Ayrton quase um mito. O santo, o exemplo, o rei enquanto outros pilotos, (que talvez não fossem tão gênios assim) como Piquet, etc são os “ovelhas negras”. Porque isso? Senna era um gênio, sem dúvida, mas na minha opinião a ultrapassagem mais espetacular da história da F1 foi justamente em cima dele e de autoria do nosso grande Nelson Piquet que já fazia drift com F1 quando isso ainda estava longe de ser moda automobilistica rs. Então, acho o texto perfeito por isso. Bota os pingos dos i em seus devidos lugares, sem desmerecer e sem aumentar o gênio Ayrton Senna.

    Grande abraço!

  62. Diego disse:

    Achei um texto infeliz, mas essa é minha opnião.
    todos nos sabemos que o senna não é um santo, mas quem é digno de ser um santo ninguem nesse mundo.
    Senna cometeu muitos erros como homem e como piloto, mas o Ayrton era especial como todos os outros atletas sitados no texto,problema que o senna foi além, entre todos eles existia algo especial que faz com que as pessoas ficassem fascinada por ele ate os dias de hoje.
    tenho ideia que santo são as pessoas feitas de carne e osso que durante a vida lutaram por ideal não importa em que parâmetro seja, o Ayrton lutou pelo dele, bravamente, talvez por isso ele seja lembrado ate hoje.
    tenho ele como exemplo de vida, ele sabia onde queria chegar e ele chegou como sempre.
    valeu senna!

  63. David disse:

    Texto infeliz Capelli, ao menos, em parte.
    Não há dúvidas de que em cada esporte há o seu ídolo. Pelé, por exemplo, sempre que se fala em futebol ele é lembrado (sobretudo em tempos de Copa do Mundo), sem que isso possa ser chamado de “endeusamento”. Diga-se o mesmo em uma transmissão de Basquete, no qual o nome de Oscar será corrente.
    Ayrton Senna foi o maior piloto de Fórmula 1 de todos os tempos. Uma fatalidade lhe tirou a oportunidade de continuar alegrando os nossos domingos (meu irmão sempre dizia que, “domingo sem macarronada e Ayrton Senna não é domingo!”).
    Ninguém é Deus! Nisto concordo. Senna, Pelé, Guga, Oscar e todos os demais grandes ídolos são seres humanos… SUPERÁVEIS!!!
    Creio que, no Brasil, há um maior “endeusamento” de Pelé do que com relação à Ayrton Senna. Sempre se referem ao craque do futebol como insuperável (o que não acredito, afinal, se concordasse, para que continuaria assistindo a um esporte sem evolução? Um esporte que estaionou no tempo e nunca será mais o mesmo? Não faz sentido).
    Ayrton Senna foi o maior piloto de Fórmula 1 da História. Isso não se discute. Os defeitos pessoais que tinha (e todos nós temos), não são suficientes para macular este fato.
    Pode até ser que algum dia apareça algum outro piloto com o mesmo talento (e Deus o queira que apareça e seja brasileiro!), mas, por enquanto, resta-nos a lembrança do gênio do automobilismo, das corridas fantásticas em pista molhada, das ultrapassagens arrojadas e sem temor!
    Até que venha o aperfeiçoamento… Senna é insuperável!!!

  64. Não creio que ainda não havia lido esse texto fodástico do @ivancapelli sobre o Senna. Vale cada linha, palavra e letra! http://is.gd/cwSoF

  65. Felipe F. disse:

    - Senna Meu Idolo, não meu Deus.

    Valeu Senna.

    :D

  66. Felipe disse:

    Senna é tão endeusado quanto “anti-reconhecido”. Da mesma forma que o povão só lembra do Senna “bonzinho”, uma panela da imprensa (incluem-se aí você e o Flavio Gomes) fazem questão de colocá-lo apenas como “um grande piloto”, ao passo que rasgam elogios e afagos ao “alemão voador”.

    Há um sentimento “anti-amor” ao Senna. Quase que uma campanha para abrir os olhos do povo, e, ao tentar fazê-lo, tira-o do posto que o colocaram, muito acima do que era, e passa dos limites, colocando-o abaixo do que realmente é (agora, não é tanto o seu caso).

    Vejo parte da imprensa “especializada” brasileira fazendo verdadeiras reverências ao Schumacher e até mesmo ao Piquet, em uma medida desproporcional ao reconhecimento que também seria devido à Senna.

    Opiniões devem sempre ser respeitas. Mas não entendo como não há, entre esse grupo do Grande Premio, pelo menos um que considere Senna como o melhor de todos os tempos. Novamente, não que não tenham direito à opiniões discordantes. Mas considero o fato de não haver, entre uma quantidade de jornalistas, pelo menos UMA opinião que vá de encontro com a eleição feita com os próprios pilotos sobre quem foi o melhor piloto de todos os tempos, algo que evidencia este forte sentimento de depreciar um piloto apenas por ele ser aclamado excessivamente pela multidão dos “não-entendidos”

    Parece que considerar Ayrton Senna como o melhor de todos os tempos é fator capaz de tirar a credencial de “jornalista entendido” para certo grupo da imprensa.

    • Guilherme disse:

      Concordo plenamente com o que o Felipe disse em seu comentário, ainda digo mais, não existe para o grupo de jornalistas do Grande Premio um piloto brasileiro que seja realmente bom, sempre os outros são melhores, o Senna foi considerado pelo grupo mais especialista do mundo como o melhor piloto de F1 de todos os tempos, mas para o Grande Premio isso é lorota, pois para eles, o “Mais” importante é que o alemão, espanhol, finlandes, indiano, chines ou qualquer outra nacionalidade é sempre melhor do que um brasileiro. São os próprios Jornalistas do GPremio que falam que o povo brasileiro considera que seja um Santo, mas ninguem considera que o Senna fez milagre apos a sua morte (para ser considerando santo ou até mesmo Deus teria que ter um milagre atribuido)nós, amantes da F1, consideramos o Senna o melhor piloto que já vimos correr e ponto, concordo que possa haver discordância entre torcedores mas não entre profissionais que tem como prioridade a informação do público. E olha que eu tenho acompanhado a F1 desde os meus 4 anos vendo o Piquet sendo campeão do mundo. Mas nesses quase 30 anos que acompanho a F1 não vi e ainda não vejo ninguem que faça com um carro de corrida o que o Senna fez, com tanta dedicação e competência, além disso nunca vi um esportista carregar a bandeira de um país com tanto orgulho quanto ele, começou como uma brincadeira contra os franceses, tudo bem, mas depois não tinha mais esse tom jocoso. Então Capelli, Flavio Gomes, Victor Martins, Felipe Paranhos e toda equipe do Grande Premio como um fã incodicional da F1 peço que respeitem a carreira de todos os pilotos, respeitem as outras mídias, principalmente as pioneiras na transmissão da F1, afinal sem elas provavelmente vocês não teriam um site sobre automobilismo aqui no Brasil que por sinal é um dos melhores, senão o melhor, mas está pecando pelo excesso de críticas perdendo espaço para as notícias que realmente interessam.

    • Luiz Eduardo disse:

      Compartilho com vc esta opinião.

  67. Guilherme disse:

    Todos são humanos como eu e você. Se for olhar por este lado, não existe herói.

    PS: Até a maior autoridade da igreja católica fez “vista grossa” para casos de pedolifia.

  68. Mac disse:

    Tem que ser muito MACHO pra escrever esse post, principalmente a parte:

    “Tão ruim quanto a ocorrida no final dos anos 80, quando Ayrton tentou expulsar Reginaldo Leme da Rede Globo. Os dois ficaram anos sem conversar, mas a atitude de vetar entrevistas e prejudicar o trabalho do competente jornalista por causa de uma desavença pessoal mostrou o quão baixo um ser humano pode ser quando assume uma postura vingativa.”

    “Vc não tem medo que façam um atentado terrorista em seu Blog Capelli? Pode haver retaliação com bombas de vírus na sua cx-postal…rs”

    Não vejo o Capelli querer minimizar o Senna(mas que tem torcedor guspindo fogo, isso tem…rs), fazer o que são fatos verdadeiros que aconteceram na vida do piloto,seus torcedores tem que engolir, muito feio isso que o Senna fez ao R.Leme, querer prejudicar o emprego de um profissional é um golpe muito baixo! Senna se meteu em várias baixarias na Formula 1, falo sobre as agressões físicas entre vários profissionais como fiscais de pista, jornalistas, pilotos e até um mecânico seu da Mclaren, isso mancha muito a vida da pessoa. O Senna deu sorte de dar soco na cara de gente de país civilizado, por que se ele faz isso pelas ruas do Brasil…ai ai ai, o cara volta e passa fogo! Esse lado negro do Senna a Globo e sua torcida sempre procura “abafar”, o Galvão já meteu o pau no Raikkonen simplemente porque ele empurrou um fiscal, o Galvão desceu a ripa no finlandes, mas esquece as atitudes do seu piloto favorito no passado! O mesmo Galvão questionou dias atrás a ética de Alonso na Formula 1(como se o Galvão tivesse ética para abrir a boca, nessa hora ele nem lembra o que significa ética). Meteu o pau no espanhol, mas e a ética do Senna ao vetar um piloto na Lotus? Cadê a ética de Senna ao quebrar um acordo de homem pra homem com o Prost em Imola? Pensou em ética ao acredir várias pessoas? O Senna sempre jogou com o Marketing a seu favor no Brasil e isso sempre deu resultado, sua amisade com o Galvão e com a principal emissora de tv do país fez ele virar “herói” nacional, a Globo é mestre em conquistar pelo emocional, brasileiro cai que nem pato…outro exemplo é acreditar em políticos e em igrejas, mas deixa isso pra lá…rs Quando falam que Senna era obstinado, brilhante, gênio, sofredor da a impressão que só ele foi o único batalhador na F1, mas não foi…e temos vários casos de bravura na pista, o que dizer de Lauda depois de seu acidente em 76, 45 dias depois estava pilotando sua Ferrari, até mesmo a batalha de Massa após o acidente são exemplos de grande bravura, pois foram acidentes gravíssimos! Senna teve seus méritos mas não vejo ele maior que outros pilotos, quando estava vivo ele não era melhor que Fangio e nem Prost, pois estava atrás em número de títulos, isso é fato! Depois de morto é que se torna o melhor? Evidente que a morte o colocou em um patamar maior, outro caso é do Gilles Vileneuve, poucas vitórias mas muitos o colocam a frente de muitos campeões, mas achar é uma coisa, ir lá e ser campeão é muito diferente, a morte também é um fator a ser superado na Formula 1, não é justo colocar um piloto sem títulos a frente de campeões, por isso existe a estatística oficial da FIA, o curioso é que Moss aperece a frente de campeões(esses ingleses), Moss pra mim foi o melhor dos pilotos sem títulos, mas não há dúvidas que Senna esta entre os 4 maiores da Formula 1, porque se for colocar pilotos antes da F1 da época de Tázio Nuvolari, aí sem chance aqueles pilotos estão em um patamar muito maior, nem da para comparar, as pistas e os carros eram muito mais desafiadores que na Formula 1 moderna, pista de Avus, Nurburgring e Monza(oval) eram coisa surreais de desafiar. O que eu não concordo é querer colocar o Senna como “santinho” lindo maravilhoso e colocar o Prost/Piquet/Mansell/Schumacher/Alonso como grandes vilões, todos eles tinham ambições idênticas a Senna, tiveram seus feitos seus méritos, mas erravam também e cada um tinha sua dose de egoísmo, por isso venceram muito, as vezes erravam feio como essa sequencia de agressões de Senna na F1, uma atitude deprimente, pois é muita gente agredida e só o Senna certo, as vezes ele ouvia algo que não gostava e como era pavil-curto partia para a agressão, e se teve agressão física pra mim já perdeu a razão.

  69. Bear disse:

    A imprensa em geral e a TV Globo em especial são de fato as grandes culpadas por esta “divinização” de esportistas, artistas. A TV, mestre em maquiar personalidades, em exagerar os aspectos positivos e esconder os negativos, vive dos ídolos, age como se dependesse deles para vender. TAnto que se faltam ídolos, a TV logo fabrica um. Tem comentarista esportivo (alguém pensou no Galvão Bueno?), absolutamente tendencioso, que “viaja” tanto em seus comentários, que eu às vezes me sinto ofendido. Será que ele pensa que nós somos idiotas?

    Daí, é sempre bom ver alguém da imprensa trazer um posto como este. Acho que faz mais justiça à nossa inteligência.

  70. Luiz Eduardo disse:

    Antes que me chamem de viúva quero dizer que eu era piquesista. Mas colocar o Oscar e Bernardinho no mesmo nível do Senna não dá. A Globo enchia o balão do cara, mas achar que sua dimensão se devia sómente a isto é amnésia. Gritem, esperneiem, façam o que quiserem: no automobilismo Senna tem a companhia de Fangio, Clark e Schumacher. Depois vem todo o resto. O cara foi um dos maiores, talvez o maior que o mundo já viu naquilo que ele fazia. Não o façam um semideus, mas não queiram diminuir seu feito. No próprio meio da F1, pilotos inclusive, seu nome é reverenciado.

  71. Lenardo de Lara disse:

    Olha.Concordo com o que diz.Acho que não devemos endeuzar ninguem, porém acho que isso é normal. As pessoas são muito criticas com o Brasil pois esse tipo de atitude acontece nos EUA com Elvis Presley entre outros, na Inglaterra os Beatles são assim, Na Argentina Maradona é assim,Schumacher na Alemanha.Somente no Brasil se é criticada a paixão a uma pessoa q representou o pais fora e marcou a vida de algumas pessoas de seu povo. Ninguem critica quando Beatles são considerados deuses da música. Pelo cotnrario, apoiam. Acho que isso é normal. Virou mito. Acho que assim como outros paises nos Brasileiros temos esse direito (ou defeito). Só sou contra aqueles fãs que não respeitam opinião alheia, que se jugam acima da verdade sendo ate agressivo com os outros. Mas isso não vem só de quem gosta do Senna. Falo que as vezes os anti-Senna são piores.Abraço.

  72. Anderson disse:

    Com todo o respeito ao pessoal ai, mas tem gente que ja se desviou da msg do post. Eu defino tudo o que o capelli disse com apenas uma analise: Senna nada mais era do que um ser que ia ao banheiro todos os dias, como todos nós eu acredito!, bem sucedido na sua profissão, mas com todo bom elemento racional feito de carne e osso, era alguem suscetível a erros e acertos, a vitórias e derrotas,a frustrações e alegrias e tb a pisadas nas bolas como todos nós somos e como bem disse o capelli, ele não estava acima de tudo isto como a globo tenta impor ao público, ou alguem vê a emissora repetida vezes mostrar o soco de ayrton senna no Edie Irvine?

  73. Peba disse:

    a globo criou essa imagem!

  74. Cláudio F1 disse:

    Olá Capelli,

    Excelente texto!! Mas, aproveitando que tocou no assunto durante este post, gostaria de saber se você poderia explicar um pouco mais das razões que desencadearam a briga entre Senna, Reginaldo Leme e Galvão Bueno.

    Valeu!!!

    Cláudio F1

    • Croatan disse:

      Piquet.

      A desavença com Reginaldo foi decorrente da “divisão” brasileira na F-1, gerada pelos atritos entre Senna e Piquet. Senna acreditava que Reginaldo estaria “do lado” de Nelson, e por isso abandonou o jornalista.

      Capelli, corrija-me se estiver errado.

      Abraços

      • Roberto Magno disse:

        Errado amigo croatan, a desavença foi porque Reginaldo Leme convidou SENNA para um jogo de tenis e o material para jogar tenis tinha um patrocinio de um amigo de Reginaldo, então SENNA se sentiu usado, pois foi fotografado e filmado com a marca desse material, e os patrocinios de SENNA cairam de pau nele ou seja: se sentiu lesado pelo Reginaldo…..depois ficaram amigos de novo.
        abraços
        Roberto Magno

  75. RT @ivancapelli: Pela humanização do ídolo http://bit.ly/bujbo0

  76. Wagner Campos disse:

    A imagem de um herói é construída a partir da intensidade de suas ações, é claro q há de pender mais para o lado do moralmente “bem”; pender, mas não se limitar. Indo pela via do seu “demasiadamente humano” vai aí uma frase do Nietzsche pra ilustrar: “Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade”.

  77. Rodrigo disse:

    Esse era o cara!! simplesmente ” THE BEST ”
    Saudade dele, mais que demais!!!

  78. Marcos Pfeifer disse:

    Capelli, peno apenas por não usares mais da tua mordacidade para comentar esportes, mas em meu primeiro comentário aqui, queria simplesmente dizer qie não se mistificam ídolos, mas sim MITIFICAM, sem o “s”, que cai melhor no plural de idiota e de viúva, e toda essa erudição demonstrada pelos apaixonados cai por terra no estupro da gramática.
    Apreendam primeiramente a escrever, para depois emitir opiniões…ou. continuem “mistificando” ídolos….

    • Roberto Magno disse:

      Essa é a sua geração, cheia de erros.

    • Leonardo de Lara disse:

      Marcos Pfeifer

      Olha odeio soberba.Isso mostra que tão idiota quanto os que você julga ser “viúvas” é sua avaliação. Se diz o portugues tao correto o q significa QIE na sua tão correta ortografia.Não compreende nem o significado das palavras.Rapaz acima disse Mistificando vindo de místico como diz no 6:
      mís.ti.co1
      adj (gr mystikós) 1 Que diz respeito à vida espiritual. 2 Que se refere à vida religiosa. 3 Que se relaciona com o espírito, e não com a matéria. 4 Dado à vida contemplativa e espiritual. 5 Misterioso, alegórico, figurado (falando das coisas religiosas que envolvem razão oculta e incompreensível). 6 pop Bom, são, perfeito. 7 pop Gostoso, saboroso. 8 pop Bem arranjado, catita. sm 1 O que professa o misticismo. 2 O que se dá à vida contemplativa, espiritual. 3 O que escreve sobre o misticismo.

      Acho que tão quão absurdo seja os que são os fãs mais calorosos do Senna quanto os que são os anti-Senna, todos se nivelando na mesma ideia de enxergar somente o que querem evitando de ouvir algo que não seja partidario.Mas na minha humilde opinião, os que são anti-senna são piores que os sennistas.

    • Rafael Affonso disse:

      Antes de despejar sua arrogância, tenha certeza do que escreve.
      Não há erro nenhum em “mistificando” e cabe muito bem no texto.

  79. Bruno Neiva disse:

    Então porque Senna?!! Pois Senna foi grande, de uma forma apenas diferente de Pelé.
    Ele foi um gigante em demonstrações publicas de solidariedade, compaixão ao povo brasileiro, ele mostrava-se humano, e era visível o seu esforço enquanto competidor, todos podiam ver o seu esforço de alcançar o limite em busca da vitoria, não que muitos outros esportistas nao o tenham feito. Provavelmente muito o fizeram até de uma forma maior, mas Senna demonstrava ao povo esse “sofrimento” pela vitoria… o que proporcionava o fenomeno de milhares, milhoes de pessoas comuns identificarem-se com este homem.

    “ve-lo sangrar” para buscar obstinadamente a vitoria, a “qualquer custo”, por isso e apenas por isso, Senna é Senna …

    MISTIFIQUEM SIM O HEROI AYRTON SENNA DA SILVA

    • Pedro disse:

      Pô Bruno,
      eu acho que é exatamente isto… eu acho que o Pelé foi tao ou mais obstinado e batalhador quanto o Senna, basta ver o ultimo documentario lançado sobre ele, que inclusive saiu no cinema. O cara levava porrada e continuava jogando! Ele inclusive tinha ( digo tinha, por que acho que nao esta mais tao empenhado) uma consciencia social bem pronunciada, pelo menos na intençao,tanto que dedicou o seu gol 100 “às criancinhas de todo o Brasil” etc…. Agora, a grande diferença, que eu acho, é que Senna além de estar numa época muito mais midiatizada, tinha esta personalidade sofrida, acho inclusive que ele devia ser um cara meio estranho no trato pessoal, até com uma certa dificuldade de socialisar, pelo que eu li no livro do Ernesto rodrigues. Enfim, eu acho que ele devia ser uma personalidade bem complexa, devia ser um cara muito encucado…muito preocupado com oq pensavam dele e bem egocentrico, como eu ja li aglumas pessoas falarem dele, fora que era um cara meio mistérioso. E ai somado tb ao fato dele ser um brasileiro “dominando um universo técnologico de 1° mundo”, parceirissimo da Globo,o fato que ele morreu na pista… à carencia de “idolos morais” do nosso povo, pronto! Nasceu um héroi!

      E inclusive, segundo Frank Willians, Senna disse que gostaria de se tornar presidente do Brasil! Imagina, o cara iria se eleger com récorde de apoio no 1° turno!
      Mas enfim, espero que um dia o Brasil tenha outros idolos que nao somente esportistas e BBB’s. E que nosso “idolo” Senna possa descansar em paz

      • Pedro disse:

        Definiçao de Heroi:

        Herói é uma figura arquetípica que reúne em si os atributos necessários para superar de forma excepcional um determinado problema de dimensão épica. Do grego ‘hrvV, pelo latim heros, o termo herói designa originalmente o protagonista de uma obra narrativa ou dramática. Para os Gregos, o herói situa-se na posição intermédia entre os deuses e os homens, sendo, em geral filho de um deus e uma mortal (Hércules, Perseu), ou vice-versa (Aquiles). Portanto, o herói tem dimensão semi-divina.

        Ou seja, Senna, dramatico e midiatico, obstinado e brilhante como era, morrendo no auge….acho que nao so no brasil mas em qualquer sociedade, teria virado um heroi

      • Edward Fernandes disse:

        Se ele fosse candidato contra o Lula ou contra a Dilma eu votaria nele de olhos fechados e o nosso Brasil estaria bem melhor, ladrão ele não era.
        Abraços

        Edward

    • André Colombo disse:

      Muito bem colocado Bruno, não me admira nada estas palavras “Capelli” vir de um gremista, que vive sonhando com uma imortalidade burra, que canta ao quatro ventos que vai ao estádio para ver um milagre e não um jogo de futebol, etc.

      Eu jamais vi um Brasileiro querer canonizar Ayrton Senna, sempre vi todos falando o exemplo de ser humano e quanto era o MAIOR e MELHOR piloto de automobilismo do Mundo !!!

      Sem mais …

      #sennavive

    • Anti_heroi disse:

      Bruno Neiva – A MAIOR das VIÚVAS.

  80. Bruno Neiva disse:

    Sr. Capelli, acompanho seu blog a pouco mais de uma ano acho eu… e esta é a primeira vez que efetivamente faço algum comentario em um texto seu… desta vez nao me contive

    Li… e concordo em parte.
    Acho que racionalmente o Sr.Capelli está 100% certo, isso é indiscutível. No entanto as ações de mídia relacionadas ao período de pós-morte de Senna, acabam preenchendo uma lacuna “social”.

    Deixe-m explicar, trata-se de um fenômeno semelhante ao Maradona na Argentina, um “mal necessário”. Diversas vezes, por motivos distintos, povos necessitam de Heróis que rompêm a restrita esfera do esporte, devem-se tornar Heróis de fato, mesmo que a realidade factual comprove que “não passavam de humanos”.

    Senna errou, foi vingativo em algumas ocasiões?! SIM. Mas em que ponto da história em mais de 2.000 anos não se mistificou um homem e se contruiiu a imagem de um herói?

    Vou mais longe, porque Senna foi alçado a esse patamar, e por exemplo não Pelé?! Pelé foi um Deus do futebol, após anos de jejum deu ao brasil uma copa do mundo, nasceu para o mundo do futebol no início da era das transmissões de Tv’s, e é o Rei do esporte mais popular do planeta o futebol, E AINDA no país do futebol.

  81. mauricio disse:

    Acho que, na verdade, esse endeusamento já havia iniciado antes mesmo da sua morte, pelas mãos da Globo e por uma atitude teatral do próprio Ayrton.
    Como exemplo, podemos lembrar os excessos midiáticos na vitória em Interlagos (1991) e também o papo de “túnel em outra dimensão”, jamais (infelizmente) esquecido pelo Galvão Bueno.

    • Guilherme disse:

      Prezado Mauricio, voce disse que foi um excesso midiático na vitória de um piloto com apenas a sexta marcha?? desculpa mas isso não é excesso da mídia e sim excesso de qualidade do piloto, se você ainda duvida do desfecho daquela corrida, procure na internet para rever as 10 últimas voltas daquele GP e procure perceber que a mão do Senna não vai mais ao cambio para trocar de marcha e perceba ainda o som do carro quando ele começa a subida para chegar a reta principal, se acha que isso é para qualquer um faça o seguinte, tente subir um morro de quinta marcha no seu carro (mesmo embalado o que não era o caso lá pois ele tinha que diminuir na curva da junçao antes de iniciar a subida do “curvão”) e você irá perceber que isso não é para qualquer um. Senna não foi Deus mas somente foi, e ainda é considerado no mundo inteiro – não só no Brasil – o melhor piloto que a formula 1 já viu. Segundo quem realmente entende do esporte,(pilotos,ex pilotos e dirigentes)ele é o melhor de todos os tempos e isso não é “endeusamento” é somente o reconhecimento do melhor profissional que a categoria já teve.

      • Italo disse:

        Do episódio da marcha, lembro da frase de um piloto, se não me engano Nigel Mansell, desacreditando o fato:
        “Se ele fez tudo isso apenas com a sexta marcha, então não temos mais por que correr ou não temos mais o que fazer aqui”

  82. samu disse:

    dindo capello belo texto,o grande problema que os brasileiros nunca sao safados,nunca erram,sao exemplos de dignidade,ae falar do semi deus é uma heresia!belo texto!

    • Rodrigo disse:

      Com certeza Senna era humano, assim como todos aqui no blog do Capelli, porém, Senna tinha algo de sobrenatural. Especialistas da neurociência já admitiram isso, Senna usava o poder do cérebro acima do limite, pessoas normais usam no máximo 10%, gênios usam em torno de 60 a 70%, Senna usava 93%.

      • José disse:

        De onde foi que você tirou essa besteira? Como se quantifica o uso do cérebro se mal e porcamente estamos começando a entender o papel das conexões sinápticas!

        • Rodrigo disse:

          Amigão, estude o assunto sobrenatural x neurociência, depois vamos conversar. A literatura é bem abrangente, é só procurar, já lhe adianto que o Instituto mais remonado no mundo, encontra-se na França. As principais imagens do assunto vc pode verficar principalmente nas corridas em Mônaco, em especial GP MÔNACO 1988. Abraços.

        • Al disse:

          Você não sabe nada, José…
          Na verdade, o Senna foi abduzido por ETs que implantaram eletrodos em seu cérebro e puderam avaliar o seu percentual de uso…
          Tudo puramente científico e fartamente documentado em literatura científica de credibilidade. Assista MIB e Arquivo X para entender…:-)

        • Rodrigo disse:

          Gozações não são pertinentes ao caso em tela, o assunto é sério, sobrenatural x neurociência, pesquise e não discorra inutilidades. Pra quem quiser o site, deixe e-mail que mandarei, são publicações francesas e suíças.

      • geovani fonseca da silveira disse:

        gentileza enviar para meu e-mail o estudo citado no cometário . obrigado

      • Schumi disse:

        De onde voce tirou isso cara ? Isso é que é ser viuva mesmo !

  83. Sandro disse:

    Senna “Duas-Caras”: o lado bom e o lado mau!
    E o lance de Monaco 85 aconteceu mesmo! Senna marcou a pole e depois atrapalhou os demais!

  84. Gustavo disse:

    O texto não considera a subjetividade da construção do ídolo. Acredito que todos saibam que Ayrton Senna era humano e falho. Assim como Piquet, e Schumacher, por exemplo. Entretanto, Piquet jamais foi ou seria um ídolo como Senna, assim como Schumacher não é, apesar de seus inúmeros recordes. Por quê? Se Ayrton Senna fosse um “santo” para merecer a “canonização” a que tentam elevá-lo, ele jamais teria tido êxito o suficiente para ser passível dessa canonização. Dito de outra forma, jamais teriam enxergado suas virtudes como pessoa e piloto, se ele não tivesse seu lado humano e falho. Como ele teria sido bem sucedido na Fórmula 1 se tivesse um caráter irretocável? Uma vez que se permitia falhar como homem para poder vencer como piloto, pôde ser alçado à condição de ídolo e mito. Sua morte, como se deu, veio apenas consolidar seus carisma e virtuosidade subjetiva. O que prova seu carisma e virtuosidade? O fato de as pessoas enxergarem essas características nele, e não em outros pilotos. Esta é a subjetividade que explica o mito. Inegavelmente, atribua-se isso a conveniência, marketing, promoção; ou a um caráter de fato genuíno de sua personalidade, Senna se diferenciava de alguma forma de todos os outros pilotos. Tanto que ele foi escolhido para ser o mito, e não outro, e apenas isso basta. Essa subjetividade o elevou a categoria de ídolo antes de sua morte, e de mito logo após. As pessoas precisam de mitos, e acreditam no que querem acreditar. Textos como esse são importantes na medida em que nos fazem “racionalizar” o mito “Ayrton Senna”. Mas não se consegue desconstruir um “mito irracional” de forma racional. Abraço!

  85. Marcio disse:

    Acho q ate o Senna iria gostar do q foi dito.
    Pelo menos não conheço ninguem q gosta de ser lembrado por ser o certinho e q aceita as regras sem questionar a razão e os motivos da mesma.
    SEnna foi um genio na pista como muitos outros foram, e muitos ainda serão, porém todos devemos enteder q o tempo distancia os pilotos a ponto de não permitir comparações.
    “E o melhor Piloto de todos os tempos, será sempre o melhor Piloto do seu tempo.”
    Ayrton foi fantasticamente humano.

  86. Samuel disse:

    Concordo com seus texto.

    No site grande prêmio nas entrevistas com algumas personalidades que conheceram Senna, como próprio Reginaldo, comentaram dessa postura humana do piloto, eu gosto dessa característica humana do Senna, quem aqui nunca foi equivocado em alguma decisão, perdeu, venceu, sofreu, foi vingativo, a nova geração tem que saber que Senna também errou, mas evolui como ser humano e até sua morte demonstrava atitudes de um grande ser humano.
    Samuel Figueiredo

  87. Hess disse:

    “Arrogantemente deseducado com uma tradutora numa entrevista coletiva”

    Essa eu não sabia, pensei que ele SÓ tinha agredido fisicamente fiscais de pista, jornalistas, pilotos e um mecânico da Mclaren…Fora as trapaças técnicas como correr com carro irregular(GP AUS/87, BRA/88), trapaças esportivas nos treinos de MON/85, JPN/89, JPN/90! Como pode ver Galvão o Senna também ERRAVA MUITO FEIO! De “bonzinho” não tinha nada, o Prost ao lado do Senna foi “santo”, quantas vezes o francês foi pego sacaneando na pista? Que eu saiba, aconteceu somente o caso JPN/89, mas o próprio Senna provocou essa situação, pois quebrou um acordo com Prost em Imola/89. Deve ter pensado o francês ao jogar o carro em cima do brasileiro: “Vc fica com a vitória de Imola e eu Fico com o título”…ou seja o francês só deu o “troco”. O que eu nunca concordei foi “endeusar” o brasileiro e tentar de todas as formar colocar outros pilotos como grandes vilões, dessa vez o alvo do Galvão é o Alonso, até questionou a ética do espanhol na F1, mas o Senna pensava na ética ao cometer as barbaridades acima, querer levar vantagem na pista é coisa normal no esporte, mas agredir fisicamente vários profissionais, aí passou de todos os limites, sempre o Senna estava certo e os outros errado, não é muita gente errada e só ele certo? Senna passou longe de ser o bom moço que a Globo/Galvão tanto fala, aliás Senna tinha dupla personalidade dentro e fora do mundo da F1, na frente das câmeras da Globo se fazia de bom moço, mas dentro do mundo da F1 tinha uma personalidade difícil! Na minha visão o que vale pra um vale pra todos, se o piloto errou e foi punido então fim de papo, já pagou pelo erro! O que não da para engolir é o Galvão em toda corrida querer minimizar pilotos consagrados, inclusive campeões como: Schumacher/Raikkonen/Hamilton/Alonso além de questionar sempre o Vettel, o Senna errava uma barbaridade na pista e ninguém fala nada, jogou várias vitórias fora quando liderava sozinho um GP, também passou pelo drama de fazer corridas ruins, largou mal várias vezes saindo da pole, mas quando acontece com um piloto atual o Galvão fala horrores, Schumacher/Hakkinen/Alonso em início de carreira foram duramamente criticados pelo imbecil narrador(ele sabia que os mesmos eram potenciais estrelas surgindo), aliás o Galvão (caga nas calças) de medo de aparecer outro Schumacher na F1, para ele e para os pachecos não é interessante que outros pilotos sejam tetra/penta/hexa/hepta campeões, pois superaria o Senna em títulos…ridículo! Na cabeça do Galvão só brasileiro pode se dar bem, se não acontecer isso, então estão sacaneando…tenha dóóó! A Formula 1 é um esporte de altíssimo nível, todos “ralaram” muito para chegar onde estão, muitos pilotos estão batalhando apenas para sobreviver na categoria. O Senna tinha coragem, destemor, persistência e obstinação, mas só ele que tinha isso? Claro que não! O Senna tinha defeitos e pontos fracos como qualquer grande piloto, esta muito longe dessa “perfeição” que sempre foi taxado, mas aqui no Brasil os outros sempre serão os grandes vilões e nós os eternos injustiçados que só vencem dando duro! O termo herói pra mim vai para os bombeiros, médicos e policiais que salvam vidas, piloto de F1 esta muito longe disso, mas é uma ótima “ferramenta” para as emissoras de tvs ganharem IBOPE!

  88. Fernando Mozart disse:

    Capelli, meus parabéns.
    Poucas vezes li um texto tão bom quanto o seu, estremamente equilibrado. Não foi ofensivo com os fãs e esclarecedor para quem não viveu naquela época.
    Sempre fui e serei fã do Senna, piloto que acompanhei de 1984 a 1994. Foi a história de um homem que queria vencer e se tornar uma lenda da F1 e isso ele conseguiu. Não precisa ficar inventando estórias bobas e sem sentido. Suas vitórias falam por ele e suas derrotas também
    Brigou e fez as pazes com Prost, porém brigou com Piquet e nunca mais se falaram, mesmo tendo a impressão de que o Nelsão queria acertar as coisas entre eles.
    Um grande piloto que infelizmente e confundido com santo pelos ignorantes.

  89. Juliano disse:

    Texto bem oportunista Capelli. Afinal, falar sobre o Senna, ainda mais sem endeusar-lo, vai sempre causar polêmica.
    Concordo que eu sou contra atribuir valores que ele não tinha. Mas normalmente vejo seu nome ligado a : determinação, garra, vitória e superação. Concordo PLENAMENTE com os 3 primeiros. O cara foi, e é sinônimo de vitória, garra e determinação. Quanto a superação, concordo, não porque todas as vitórias dele foram sofridas, mas porque, como ele mesmo disse uma vez. “Você sabe que tem um limite e quer tocar nele, e quando toca neste limite, você sabe que pode ir um pouco além e quer ir um pouco além”. Ele SE superava, e procurava ser o melhor no que fazia, da maneira que dava.

    Agora, porque existe a canonização de Senna ? Porque, para uma grande maioria das pessoas, ele foi o melhor piloto que já existiu, e morreu na pista.
    Assim como Gilles, assim como Clark. Que também são considerados semi-deuses por seus admiradores. Ou você acha que F-1 no Canadá é sinônimo de que ? De Gilles, da mesma maneira que aqui.

    Apenas acho, que o texto, num geral foi desnecessário, assim como na homenagem aos 50 anos do nascimento dele, lembrar das burradas na pista. Sim, obvio que ele não perfeito, ele era apenas humano, e errava como todos nós erramos. Mas moramos num país carente de motivação, e num país onde é comum endeusarmos aqueles que se foram. Por que fazer diferente? Para gerar polêmica, ou você acha que honestamente, Senna será um melhor exemplo para as gerações futuras se todos souberem de seus erros e defeitos ?

    Dificil dizer, mas de qualquer maneira, foi um texto oportunista.

    Sinto-me privilegiado de ter podido acompanhar o ultimo titulo de N.Piquet, e de ver uma geração brilhante nas pistas, com Piquet, Senna, Prost, Mansell brigando por titulos e vitórias.
    E tenho certeza que se Piquet, Prost ou Mansell, tivessem deixado este mundo da maneira que o Senna deixou, seriam idolatrados da mesma maneira. Porém, a vida os levou por um caminho diferente. Resta a nós, lembrar-mos dos bons momentos e tentar produzir outros momentos tão bons quanto o passado.

    Escrevi demais, desculpa.

    • Paulo Alves disse:

      Não acho oportunista.
      Só tocou em um ponto que ninguém toca.
      O cara era humano e por ser humano, seus feitos são ainda mais relevantes. Fica ainda mais brilhante.
      A mídia em geral só quer vender o lado bom de Senna, mas apontar o lado ruim, analtece ainda mais o lado bom…esse o “X” da questão….
      Parabéns Capelli.

  90. marcus zangari disse:

    CApelli, parabens pelo texto!
    senna era genio, ms nao santo! e por isso ele foi o genio q foi, dentro das pistas!
    mas eu acredito que é bom pra um povo como o brasileiro ter um idolo tao como vc disse, “canalizado”, assim!
    afinal o que fica na memoria coletiva sao as coisas boas, e nao as artemanhas de um ser humano normal como foi senna!

  91. Willian78 disse:

    Grande texto Capelli. Acho que passou da hora desse assunto ficar no devido lugar sem excessos: na área dos esportes.

    Agora sacanagem foi o que o pai dele fez em relação aos trabalhadores da fazenda dele na Bahia, colocando os mesmos na condição de escravidão, enquanto a sua filha dirige um programa social.

    Estranho como na época esse assunto não deu repercussão nenhuma tirando uma matéria rápida do Grande Prêmio. Recordo-me que você fez uns comentários muito interessantes sobre esse assunto lá no DF.

    Olha só como está o andamento desse processo.

    http://observatoriosocial.org.br/portal/index.php?option=content&task=view&id=4203&Itemid=114

  92. Willian78 disse:

    Grande texto Capelli. Acho que passou da hora desse assunto ficar no devido lugar sem excessos: na área dos esportes.

    Agora sacanagem foi o que o pai dele fez em relação aos trabalhadores da fazenda dele na Bahia, colocando os mesmos na condição de escravidão, enquanto a sua filha dirige um programa social.

    Estranho como na época esse assunto não deu repercussão nenhuma tirando uma matéria rápida do Grande Prêmio. Recordo-me que você fez uns comentários muito interessantes sobre esse assunto lá no DF.

    Queria saber como está o andamento desse processo.

  93. Capelli…Vc foi quase perfeito…!!!!Parabéns…!!!!!!Não minto que tenho saudades do mesmo quando vejo revistas e videos…Porém não é por isso que irei Canonizar o cara…!!!!vc disse tudo ele era Humano como todos nós…!!!Parabéns por mais uma vez…!!!

  94. niko disse:

    pelos comentários fico feliz em saber que não sou o único a NÃO idolatrar Senna como um deus.

  95. Jose Inacio disse:

    “Humano capaz de negar um autógrafo ao menino Felipe Massa”
    “Humano capaz de ser arrogantemente deseducado com uma tradutora numa entrevista coletiva”

    É isso aí, humano como nós. Mas mesmo assim, bem menos arrogante e babaca que seu amigo Flavio Gomes. Ao menos o Senna foi um ícone, fez algo, não era apenas uma tentativa frustrada de piloto ou de estrela de televisão. Ele tinha mérito e podia se dar ao luxo de ser uma pessoa arrogante, ao contrário de seres prepotentes por aí que se acham mais do que são.

    • “Ele tinha mérito e podia se dar ao luxo de ser uma pessoa arrogante, ao contrário de seres prepotentes por aí que se acham mais do que são.”

      Os fanáticos tentam parecer sensatos, ams sempre caem das tamancas!!!

  96. Guito disse:

    Concordo plenamente.Senna foi um piloto extremament brilhante.Nada mais, era uma pessoa como eu e você.O brasileiro tem dificuldade de perceber isso graças a uma imagem criada pela Rede Globo.

  97. Welington disse:

    O melhor texto que já li aqui!
    Abraço

  98. Roberto Magno disse:

    Acho que não tem nada a ver essa comparação que dizem que os brasileiros acham SENNA um semi-deus. Agora vamos comparar, voces já participaram de campeonato de futebol amador, os jogadores faz ofensas com o time adversario, ximgam a mãe do cara, diz que o cara é viado, passa a mão nas coisas do cara….enfim, tudo para deixar o adversario maluco, nervoso, provocando o maximo para ate que o juiz o expulsse, agora imagine como é no estadio de futebol com jogadores profissionais,a mesma coisa ou pior, ou seja: em todos os esportes é assim, inclussive na F1, quando voces falaram que o SENNA fez isso com PROST e outras coisas mais, acho que voces tem que entender que, humanamente isto acontence, é normal um adversario desestimular outro adversario, para que erre na hora do vamos ver, enfim, não vejo nada de errado, voce vai competir com flores nas mãos? claro que não, vai competir com cara feia, falando alto para desestimular o adversario, faz parte do jogo. Agora o problema particular com REGINALDO, o SENNA deveria ter seus motivos e vice-verssa, o importante é que os dois se conciliaram (isto acontece tambem com o futebol, o reporte fala mal do jogador, e o mesmo fica de biquinho, tudo normal no esporte em geral. Para o mundo do automobilismo,SENNA sempre será o melhor de todos, um ponto de referencia, como o proprio MARK WEB falou apos vencer em MONACO: É um prazer esta no ROOL dos vencedores de MONACO ao lado de AYTON SENNA. Abraços.

  99. João disse:

    Senna=Pros=Piquet=Schumacher=Hamilton=Alonso=Mansell=etc.

    Todos são campeões, todos querem/queriam vencer a qualquer custo.. quem disser o contrário ou nunca viu uma corrida de F1 ou então só via o seu ídolo (independentemente de qual piloto).

  100. Ever Rupel disse:

    Sou muito fã do Ayrton Senna, mas concordo contigo. Ótimo texto!

  101. [...] Capelli Publicado em: 19 de maio de 2010 às [...]

  102. Júlio R. disse:

    Belo texto!!

    Também concordo que transformá-lo em um semideus é exagero. Senna era humano e com habilidade e talento para a pilotagem especiais, só isso.

    Parabéns, há muito tempo não lia um texto tão lúcido sobre ele.

  103. Ótimo texto sobre o ídolo Ayrton Senna: http://bit.ly/b7Vn0O Concordo plenamente.

  104. Leandro disse:

    Acho interessante que tudo que o Ayrton Senna fez é levado pela minoria que já escreveu também nesses comentarios, foi porque a RGT aumentou, a RGT fez aquilo, a RGT fez aquilo outro ou porque a RGT não fala mal dele etc.
    As pessoa da F1 elegeu ele o maior da historia,tecnicos da Lotus, Mclaren e outros que trabalharam com ele dissem que ele era único,paises do mundo acham ele sensacional como pessoa é pilto,ele também assistem a RGT lá?(para alguns aqui devem achar que ele vem a RGT ,mas que beleza vou pra Europa nem vou precisar falar inglês,todos na Europa devem falar português fluentemente).
    Eu tinha poucos anos quando o Senna morreu,tem poucos anos que acompanho a F1,há uma supervalorização da RGT por alguns pessoas dando mais valor do que ela tem nas ideias das pessoas e do que ela fez,faz o seguinte põe no mudo a tv e coloca na radio fica otimo,já que a RGT não tem nenhum programa que fala da F1 é só passa o treino é a corrida ai vocês não vão ser alienados kkkkkkkkkkk,tem que ser muito mané pra ser alienado por uma tv(a RGT faz tanta campanha pro-Senna que todo dia passa uma frase do Senna na tv uma corrida não é verdade?!),eu considero o Ayrton Senna como um idolo, mais não olho para os feitos dele fora das pistas para considera-lo um idolo,eu olho por sua pilotagem que era sensacional,essa questão de canonização e muito mais falado por quem não gosta do Senna tentado desvalorizar os feitos dele é dizendo que são pessoas alienadas pela RGT é sua mentiras e tudo mais,ainda bem que ele não é santo nem semi-deus é um de nós que tem defeitos, teve dificuldades na vida para chegar aonde chegou e venceu nela,é literalmente um ser humano com nós,se 16 anos depois da sua morte ainda estão falando dele olhem a força do nome Senna,definitivamente ele vai se sempre lembrado como um idolo,um ser humano, um exemplo.

  105. Flavio disse:

    Senna= Vitórias + arrogancia + marketing + lambeção da Globo – carater impecavel

  106. Belo texto de @ivancapelli sobre o Ayrton Senna. Ele também fazia besteiras e nem por isso deixa de ser um grande cara. http://is.gd/chf30

  107. Fernando disse:

    Quanto mais essa imagem propagada pela mídia se consolida como mito, menos chances existem da história verdadeira surgir. E quem mais replica isso é uma geração que conheceu Senna através da publicidade e dos VT’s da televisão.

    Eu vi o homem correr. Era genial, raçudo, “sangue nos zóio” como disse aquele outro piloto. Mas não era infalível. Era um homem.

  108. Sheldonn Rêis disse:

    Ótimo texto Capelli. Coeso e bastante equilibrado como tens sido ultimamente, a maturidade jornalística chegou para ficar!
    Concordo com as suas palavras. O Senna realmente foi um piloto de um talento notório que realmente fez história na F1. O seu nome, mesmo após 16 anos, ecoa como sinônimo de garra, determinação e vitória, mas realmente esse endeusamente incomoda e incomoda muito, mas também incomoda o que algumas pessoas vem falando sobre uma possível facilidade nas conquistas do Ayrton e você, eu e muitos outros que acompanharam a carreira dele vimos que não foi bem assim. Em 1988 Senna tinha um superfoguete nas mãos, mas quem estava ao seu lado era “somente” o professor Alain Prost, que de bobo nem o nariz tinha. Em 1990 e em 1991 haviam as Williams que infernizavam a vida de todos grid, sem contar que em 1990 a Ferrari despontou bem com o Prost. E o que dizer do ano de 1993, ano em que Senna com uma McLaren inferior às Williams e Benetton deu show em pelo menos 3 provas? De fato o Senna foi e é humano, cometou muitas bobagens na pista, fora dela, cultivou algumas inimizades e promoveu inúmeras discórdias, no entanto o seu talento deve ser dissociado disso, afinal de contas quando ele fechava a viseira o alvo era a vitória e isso ele sabia fazer como poucos.

  109. Marcio Pacheco disse:

    Ô Capelli, vc deve estar se divertindo cara!!! Vc sabe qualquer post sobre Senna vai dar discussão…engraçado cara!!!

  110. RT @pvbsousa: A desmistificação do mito Ayrton Senna: http://bit.ly/95ZFtC

  111. RT @brunofontenele: Sou um grande fã de Senna. E admiro o que @ivancapelli falou. http://www.blogdocapelli.com.br/2010/05/pela-humanizacao-do-idolo/

  112. João disse:

    Texto viesado e desnecessário! Patético…

    • Flavio disse:

      Patético é você, João. Deve ser daqueles que compra qualquer coisa que a Globo vende. Eu vi todas as vitórias do Senna e sei que ele era bom, mas tenho ao menos senso crítico suficiente para saber que quem vence nesse esporte não tem nada de santo ou bonzinho. Senna sabia fazer seu marketing emotivo, coisa que costuma dar muito certo com brasileiros. Veja o Galvão e sua mania de querer valorizar tudo para o lado emocional. Pessoas sem pensamento crítico, como você, caem nessa firula…

      • Roberto Magno disse:

        Caro flavio, realmente não tem que ser santo ou bonzinho não.So na F1 não, tambem é no futebol, basquete, volei, etc em qualquer esporte o atleta não pode competir com flores nas mãos, o atleta tem que competir com a cara feia, falando alto, tentando o maximo de desestimular o adiversario, chamando para briga etc ou voce nunca participou de qualquer competição? O PIQUET arrumava briga com todo mundo, inclussive com os jornalistas.
        abraços.

  113. IlGuerrieri disse:

    Parabéns Capelli! Com essa você entrou na minha lista de herois pessoais. E olhe que ela é bem restrita!

  114. Daniel disse:

    Excelente texto. Não mudo nem uma vírgula. É tudo que eu falaria sobre o Senna. Essa “canonização” realmente incomoda. Assim como também incomoda ouvir que ele era um piloto “apenas bom”.

  115. Eduardo Casola Filho disse:

    O Senna era realmente um piloto acima da média, mas era um piloto que quer vencer a qualquer custo. Senna era um herói, mas um herói humano!

  116. Nuno Falcão disse:

    olá Capelli!
    Eu, como português que sou, acredito e aceito todas as tuas palavras. No entanto, e para que fique, prefiro manter o imaginário, e preservar tudo o que o Ayrton teve de bom e nem lembrar o mau. Porra o homem morreu, e com ele para mim,morreu quase definitivamente a F.1.Para quê lembrar o negativo?! O Ayrton foi, e não quero saber do resto, a minha alegria de viver, não estou a brincar, pois eu comia e bebia F.1 durante os anos 80 e até o Senna morrer, e depois disso nada, mas nada mesmo fez sentido nunca mais, muito menos a F.1, e não será nenhum Warwick, nem nenhum jornalista da globo e muito menos uma tradutora, que me vão tirar este sonho lindo que éra acordar em domingo de f.1 para ver Ayrton correr. Nunca mais senti isso, mas todos os dias continuo fazendo a minha homenagem ao Ayrton, olhando para a réplica do seu capacete que comprei em visita e homenagem no morumbi, e meu filho, quando for mais crescido um dia irá saber quem foi o grande Ayrton. Coisa ruim já éra Capelli, vale pena recordar o homem pelas coisas boas que fez…
    Nuno Falcão
    Promoblock Lisboa

  117. Walterney Angelo Reus disse:

    Parabéns, Capelli. Texto referência. Senna ganhou três títulos mundiais com uma Mac Laren que ganhava 15 de 16 corridas (um campeonato foi assim). Piquet (Para ficarmos no exemplo brasileiro) ganhou três títulos mundiais, sendo que o primeiro foi com uma carroça puxada por cágados. Se as vitórias de Senna foram “sofridas”, outro trilhão de vitórias de bilhões de pessoas são sofridas na mesma proporção, sem que, por tal sofrimento recebessem tantos louros quanto Senna recebeu por fazer aquilo que DEVIA. Afinal, o que um piloto num carro de ponta DEVE fazer??? Ganhar corridas…

    • C_S_A disse:

      Por isso Irvine de Ferrari foi campeão, Rubinho de Ferrari, Couthard de Williams e McLaren e tantos outros exemplos. Meu, na boa, procura mais informações sobre 1988 q garanto a vc, fácil não foi.

      • Leonardo disse:

        Irvine campeão? Meu, na boa, procura mais informações sobre 1999 q garanto a vc, fácil não foi.

        • C_S_A disse:

          Me refiro a afirmação do colega de que a obrigação de quem corre em carro de ponta é vencer. Conheço bem a F1 em 1999, Hakkinen Bi, Schumi com as pernas quebradas… Já pra quem diz que 1988 foi fácil, vamos procurar mais um pouco pois correr de Ferrari ao lado de Irvine e Rubinho, convenhamos, é bem mais fácil que correr de McLaren com Prost. Queria saber que carroça puxada por cágados é essa. Se fôr a Brabham BMW ou a Williams Honda acho que vc tá enganado…

  118. Realista disse:

    Depois daquele post ridiculo anti-Schumacher, tenho que admitir que esse é um ótimo post.

    Senna = só marketing. Arrogante, prepotente, mesquinho, covarde, sujo.

  119. Ale Gom disse:

    O Senna levantou a auto estima do brasileiro, numa época em que nosso país estava uma draga ao sair da ditadura e cair nas mãos do Collor. Ele foi uma das principais ferramentas que levantou o Brasil e nos mostrou ao mundo, quando todo mundo aqui só ficava ajoelhado aos pés dos gringos.

    Ele merece ser um símbolo nacional e ter tratamento especial, pois na sua época ele foi importante e hj ainda é. Nós gostamos do “Ayrton Senna do Brasil” pois ele foi e é importante para nós, assim como os americanos idolatram seus ex-presidentes até hj, (já que presidentes por aqui anda meio difícil de admirarmos). Hoje o Ayrton em pesquisas (BAV da agência Young & Rubican) ainda é a maior celebridade nacional, a frente do Lula e dessa debandada de jogadores de futebol.

    Ou seja, ele não está onde está à toa.

  120. Belo texto do @ivancapelli sobre Ayrton Senna, pela humanização do ídolo: http://bit.ly/95ZFtC

  121. Luiz G disse:

    Perfeito o texto, Capelli.
    Isso é o que chamo de perfeição. Meus parabéns.

    Se alguém ler o livro “Ayrton, o herói revelado”, vai descobrir que, em seu enterro, começou sua canonização. Milhares de pessoas jogavam papeizinhos pedindo coisas para o “espírito” de Ayrton.
    Pediam dinheiro, ajuda para livrar alguém de uma doença, do alcolismo…tinha de tudo.

    O Brasileiro é expert em rezar para que “os outros” resolvam suas vidas. Ayrton dava seu jeito de vencer por mérito próprio. Isso é tão raro no Brasil que deve ser por isso que o consideram um semi-Deus.

  122. Ron Groo disse:

    Você não precisa do meu elogio. Mas ele vai aqui do mesmo jeito: MARAVILHOSO TEXTO.

    • Roberto disse:

      Já na página inicial do blog há uma foto em tamanho grande de Ayrton Senna. Abaixo, à esquerda, há outra, de Michael Schumacher. Claro, hão de argumentar que “isso acontece devido às atualizações, e sempre a matéria mais recente fica acima”. Ótimo.
      (Antes de continuar, é importante lembrar que o site GP, na edição de maio de sua nova revista virtual, resolveu prestar uma “homenagem” a Ayrton Senna, lembrando a data de sua morte: 16 desempenhos marcantes do piloto: 8 bons e 8 ruins – uma bela iniciativa falar de erros cometidos quando se recorda uma data especial, não? Sem contar que os comentários sobre as ‘grandes’ corridas foram sempre no sentido “porém, contudo, todavia, entretanto”. Mas isso não vem ao caso, agora).
      O texto que fala sobre Ayrton tem o seguinte título: “Pela humanização do ídolo”. Já o relativo a Schumacher é chamado “No Limite da Legalidade”.
      Aqui já podemos começar a pensar em Pêcheux. Ambas as frases têm quatro palavras. A primeira inicia-se com a preposição “pela”. Tal palavra (qual “por” e “para”) indica o(a) motiv(açã)o ou proposta de algo. Já “no” (em + o) indica lugar, situação. Portanto, a principal diferença que se nota é que enquanto a segunda frase apenas localiza a ação a ser discorrida, ficando neutra, a primeira assume uma postura defensiva, pois está escrevendo em razão de determinado objeto.
      “Humanização” X “Limite”: o substantivo ‘humanização’ vem do verbo ‘humanizar’, que significa ‘tornar humano’. Obviamente, você só torna humano algo que não o é. Já ‘limite’, também um substantivo, em certos casos pode ser visto como fronteira, marca (física ou imaginária) que separa dois pólos. Assim, tanto uma quanto outra palavra estão se referindo a alguma espécie de mudança ou transformação.
      “Do” e “Da” (junção de “de” + artigo) são usadas para preceder os substantivos “ídolo” – palavra que pode ser também usada como adjetivo – e “legalidade” (substantivo, apenas). A palavra ídolo, em sua origem, era usada no campo religioso: lembremos que a Bíblia condena a existência de ‘ídolos’ do ínicio ao fim. Portanto, o “ídolo” é a materialização de algo que não é humano – como visto de ínício.
      Já ‘legalidade’, que vem do adjetivo ‘legal’ (significando ‘pertencente à lei’), se refere a coisas do mundo, dos humanos, do dia-a-dia, a coisas a que todos estão sujeitos.
      Analisando ambas as frases, fica tudo muito claro: a sobre Schumacher quer mostrar que ele é, como eu e você, humano; a relativa a Senna quer dizer a mesma coisa: humano como nós (e o autor até explicita isso na gravata de seu texto).
      “Ora, então são iguais”. Aí é que vem a diferença.
      Iremos usar apenas mais duas frases de cada texto, afinal, “é questão de espaço e também de tempo”, como diria Lulu Santos. Não se trata de tirar citações do contexto, até porque os links estão aí e você pode lê-los na íntegra. É apenas para mostrar como a teoria de Pêcheux se aplica: a ideologia está sempre por trás das palavras.
      No texto “humanizante” lemos: “Ayrton Senna é isso: um herói do esporte, tão grande quanto Oscar Schmidt ou Bernardinho. E tão humano quanto Diego Maradona.” Já no “legalizante”: “Como se vê, em nenhuma dessas ações Michael Schumacher e sua equipe foram deliberadamente maldosos. Apenas agiram no limite do regulamento.”
      Reparem: no texto que fala de Senna, Bernardinho e Oscar são usados como “grandes exemplos esportivos”, e são vistos como ‘iguais a Senna’, para o autor. Já Maradona é usado como “exemplo de humanidade” – com sentido negativo -, seja por seu ‘gol de mão’ ou por seu envolvimento com drogas.
      Sem questionar a grandeza pessoal de Oscar e Bernardinho, por que Maradona (responsável pelos únicos títulos da história do Napoli, campeão mundial com a Argentina praticamente sozinho, autor do maior gol da história das copas, etc) não é mencionado por seus feitos esportivos?
      No caso de Schumacher, o autor, após citar diversos “erros” (como fez no texto de Senna, também) da carreira do piloto, trata de absolvê-lo de tais, afirmando que ele “não agiu com maldade”, e chega a dizer, até, que tais atitudes “se não são nobres, não são de todo ilegais”.
      Resumindo: “Senna pode ter sido grandioso como os dois, mas também foi vil como o outro”. “Schumacher pode ter feito algo pouco louvável, mas agiu nos limites”. Perceberam a oposição?
      E essa constante ideia de contraste nos dois textos (que seriam, juntos, mais ou menos como um músico que lança um “álbum duplo”, ou então o cineasta que filma as “partes 1 e 2″ de determinado filme) mostra-se inquestionável no final.
      O texto sobre Senna termina assim: “Vencedor, campeão, gênio das pistas. Mas humano”.
      Já o de Schumacher, dessa forma: “Controverso, mas um piloto muito talentoso e inteligente”.
      Todo mundo sabe a função da conjunção “mas”.
      Certa vez, Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim (o grande ‘Tom’), instado a falar sobre qual seria a diferença entre Nova York e o Rio de Janeiro, respondeu: “Lá [NY] é bom, mas é uma merda; aqui [RJ] é uma merda, mas é tão bom”.

      • Eduardo - Niterói disse:

        Seguinte, gostei de seu texto e ainda acho que a preposição a antes do pronome induz a se concluir que estamos diante de uma posição pré antes do nome pro.

        Anda que saibamos que tudo que sobe tem que descer, vale lembra que nada sobe se não se fizer força, mas não se pode fazer muita se não boa coisa não vai acontecer.

        E que a rebimboca da requeta da parafuzeta se não tiver bem atarraxada pode fazer a gracheta bater biela.

        Ai eu pergunto porque não chamaram o guarda quando o Chandock atropelou o volante do Barriquinho?? Nem entrou ambulância.

        Então é isso.

  123. Gabriel Maia disse:

    Muito bom o texto , como citaram acima, tudo isso tem no livro Ayrton o herói revelado.

    Senna é como schummy, como piquet, entre outros que faziam de tudo pela vitória,passvam por cima de tudo e de todos, errava e acertava como qualquer outro ser humano.

    Sou fã dele, assim como de piquet, por falar o que pensa.

    Abraços

  124. RT @f1brasil: Ayrton Senna: Pela humanização do ídolo http://migre.me/GjPZ #f1

  125. RT @f1brasil: Ayrton Senna: Pela humanização do ídolo http://migre.me/GjPZ #f1

  126. Luiz Toledo disse:

    RT @f1brasil: Ayrton Senna: Pela humanização do ídolo http://migre.me/GjPZ #f1

  127. Fábio Saran disse:

    RT @f1brasil: Ayrton Senna: Pela humanização do ídolo http://migre.me/GjPZ #f1

  128. Ayrton Senna: Pela humanização do ídolo http://migre.me/GjPZ #f1

  129. Ceres Miranda disse:

    RT @ivancapelli: Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  130. Tambêm acho que você falou tudo com esse texto :). Lí na revista e tenho que reconhecer que gostei ainda mais do que os textos sobre os 70 anos do circuito de Interlagos.
    Tambêm faço as palavras do Felipe Portela as minhas: “E basta fazer um giro pela internet, que verá que Senna tb eh admirado por pessoas que nunca ouviram a voz de Galvão Bueno.”
    De fato, eu nem sou do Brasil (sou colômbiana), mas aprendí o português quando criança na escola. As vezes penso que sou agradecida porque não precissei da Globo pra sentir algum tipo de admiração pelo Ayrton, após de tudo, vai lá, sou fã dele.

    Vou ser honesta: Se ele fosse perfeito eu o odiaría porque não tería nenhum tipo de interese pra mim. Pensem nisso, precissamente porque era humano como cualquer um de nós é que era interesante, aparte tambêm das suas capacidades como piloto. Acho que no caso dele era ainda mais evidente. Outra coisa é que a Globo não ajuda nessa…

    A Globo Esporte e Fantástico não só deveríam postar isto, o Galvão não só devería ler isto a ver se deixa tanta bobagem, porque ví muitas no YouTube, eles deveríam tambêm se disculpar públicamente com o Brasil por ter engatusado dessa forma aos brasileiros durante tanto tempo. E que não voltem a caír no mesmo erro.

    Muito obrigada, e meus parabéns desde Colômbia!

    Até logo :)

    • Rodrigo disse:

      Se vc entende que a mídia brasileira criou este semi deus. Como explicar a adoração no Japão, Inglaterra e tantos outros lugares onde a mídia brasileira pouco importa?
      É uma pena que a tendencia é de se diminuir com o tempo as conquistas e o valor das pessoas.
      Mas isso ai continua nessa sua linha que com certeza vai ter sucesso. Afinal é pisando na conquistas dos outros que se sobe.

  131. [...] uma da série “leitura em dia, preguiça de escrever”. Esse veio do Blog do Capelli. Sempre tive certeza de que boa parte da quase canonização a que foi submetido Ayrton Senna se [...]

  132. Marcelo Ribas disse:

    Acho o mesmo desde o enterro como herói nacional. Eu, que sempre adorei F1, não aguentava mais escutar tema da vitória funebre. Por melhor piloto que fosse (e foi o melhor, pelo menos da era moderna, na minha opinião), era um piloto, esportista, não um herói da pátria, nem curou leprosos.

  133. RT @ivancapelli: Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  134. Lauro disse:

    Capelli,

    Achei muito correta e direta a maneira como você abordou este assunto. Pelos exemplos citados por você, Senna mostrou adjetivos que em nada se comparam aos atribuídos ao seu nome. Como piloto, fantástico. Um quase perfeito, exatamente pela porção humana que cabe o erro, e que por algumas vezes o atormentou.
    Outro dia assisti ao programa Altas Horas, com a presença da Viviane Senna, falando do tal cartão virtual comemorativo dos 50 anos, etc.
    Num determinado momento ela disse algo como se os brasileiros tivessem de se espelhar nas vitórias de Senna pois estas eram sofridas, brigadas, nunca facilitadas, exemplo de dedicação, etc, etc, num total desmerecimento à qualquer outro vencedor. Obviamente, foi aplaudida. Fiquei com uma impressão ruim de que esse “processo de canonização” ainda vai longe.
    Claro que o fato de ter morrido na pista, liderando um GP, o eterniza como herói, fato que eu mesmo citei em um texto que escrevi sobre ele em março último. E naquele texto, ainda citei algumas coisas que lembrei como o pódium de Jacarepaguá 1986, onde ele estava visivelmente constrangido ao lado de Piquet, e o abandono em Interlagos 1992, aparentemente sem nemhum problema no carro, deixando o autódromo quase que no mesmo instante por saber que o carro não era competitivo.
    Sempre o admirei. Vibrei, torci, xinguei e até idolatrei, mas foi exatamente a sua morte que me fez imparcial ao ver que o mundo o admirava e nós brasileiros, numa situação inversa, não somos capazes de reconhecer ídolos que não tenham passado dificuldades ou não sejam “bons moços” ainda que apenas diante das câmeras.
    Um abraço e parabéns!

    • Luciano Falkowski disse:

      Acho incrível isso. Claro que o cara era bom. Mas quer falar de exemplo de dedicação, com nada facilitado, e com conquistas MUITO maiores do que as do Senna? Falemos então de João Carlos Martins (ex-pianista, hoje maestro).

      Esse cara sim que merece uma estátua.

      Não estou desmerecendo o que o Senna fez, é meu piloto favorito. Mas agora querer colocar ele acima do certo e do errado, quando ele nunca fez nada de tão espetacular, e quando sabe-se que utilizou-se de artifícios dúbios para consquistar seu espaço, aí já é demais.

      Queremos um exemplo para idolatria? João Carlos Martins. Pra quem não conhece, vale a pena pesquisar. Ele foi retratado no último capítulo da novela “Viver a Vida”, naquela parte dos depoimentos…

  135. Jonas Martins disse:

    Cacete Capelli, disse tudo!! Esse texto deveria ser lido no Fantástico, no Globo Esporte, na Ana Maria Braga, justamente pra galera que só vê o que quer, só enxerga o que lhes é pertinente, conseguir entender a verdade, conseguir entender que o cara foi sim o melhor de todos, mas era como todo mundo. Muito bacana, parabéns!

  136. Rafael Dias disse:

    yeah! RT @ivancapelli: Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  137. Robson Moraes disse:

    O Senna foi sepultado com honras reservadas apenas a Chefe de Estado. Um exagero, quanto mais levando em conta que a sua morte foi retratada como uma tragédia nacional. Não foi. Ele morreu fazendo aquilo que mais gostava e sabia dos riscos. Foi uma fatalidade, apenas isso. Tragédia é uma pessoa ser atropelada na calçada por um motorista bêbado.

    • Gabriel Pedroso disse:

      Pior eh que existem pessoas capazes de processar o atropelado, ainda por cima… kkk

      Mas aew: parabéns pelo texto, Capelli. Quando tiramos esse tipo de venda dos nossos olhos, percebemos que, no final das contas, perdemos o nosso tempo praticando o “culto a São Ayrton.” Com certeza ele foi um piloto fora-de-série. Mas outros também foram. E tragédia por tragédia, os recentes acidentes aéreos, que se tornaram os piores de toda a história brasileira, acabam se tornando matéria corriqueira, se for comparar o nível de atenção dado. Senna morreu há 16 anos, e recebe odes, louvores, tendo até pessoas que se digladiam em nome de seus feitos e memória. E o desastre ocorrido no aeroporto de Congonhas em 2007? A cada ano que passa, vai se tornando menos lembrado, menos importante. E a justiça, que eh o que mais importa nessas horas, é deixada de lado. Espero que me desculpem, se estiver falando algo nada pertinente, mas creio que, como o Capelli brilhantemente escreveu, é necessário reconhecer que Ayrton Senna foi gênio, campeão, vencedor. Algo que cada um de nós, com esforço, sabedoria e fé, consigamos ser, agora ou mais adiante.

    • Pedro disse:

      Nao Robson, segundo o pessoal que gosta de teatro, tragédia é quando um evento de força maior causa a morte de um héroi.

      Por isso acho que para o povoo brasileiro a morte de Senna foi uma tagédia mesmo.

  138. Lastikas disse:

    Muito bom. Acho que essa “deusificação” (argh) do Ayrton se dá principalmente, é claro, pela sua morte e também pela nossa falta de heróis.

  139. Felipe Portela disse:

    Isso faz parte da personalidade de grande parte dos pilotos. Hamilton joga pesado qnd da, ja armou pra cima do Trulli na Australia e outras coisinhas. O Schumacher ja fez várias armaçoes como o proprio Capelli ja postou e o Piquet era mestre nas malandragens. Senna ainda sim é meu ídolo pelo desempenho e garra nas pistas. É o cara que representou o país na minha época. Hj, continuo torcendo para os pilotos brasileiros, mas não deixo de admirar os pilotos adversários como Kubica, Vettel e Alonso. Não é porque a RGT supervaloriza os pilotos que eu tenho que escolher outro piloto pra torcer. E basta fazer um giro pela internet, que verá que Senna tb eh admirado por pessoas que nunca ouviram a voz de Galvão Bueno.

  140. Piet Hageland disse:

    Concordo com tudo o que você disse, Capelli. Excelente post!
    Senna era um piloto sem igual, mas ainda não entendo o porque tachá-lo de herói, se o que ele fez foi apenas ganhar títulos, coisa que o Piquet fez e na mesma quantidade e não leva consigo esse título. Não, não me esqueci da sua fundação e outras coisas, mas também há um monte de celebridades nacionais que possuem ou fazem coisas parecidas com as que ele fez e não são chamadas de heróis. O próprio Massa, que tomou aquela porrada na Hungria no ano passado e arrumou um pódio na 1ª corrida do ano. Fora que ele também tá patrocinando um novo campeonato de automobilismo nacional que vai dar chances para que os pilotos que se derem bem nesse campeonato possam um dia ingressar na F1. O cara organiza o Desafio das Estrelas todos os anos e doa o dinheiro arrecadado para instituições de caridade. Mas aí me vão e dão mais atenção pro Rubinho, que não faz a metade que ele faz, seja dentro ou fora das pistas.

    Como disse o Capelli: menos, minha gente. Ele era um ser humano como nós e também fazia suas besteiras.

  141. Wagner Ponce disse:

    Ótimo o texto do @ivancapelli RT @fred_sabino: Excelente e coerente texto do meu chapa Capelli sobre Senna. Aqui: http://bit.ly/9oEe4g

  142. Aline disse:

    Agora é tarde. Vejo senhoras que não sabem nem em que canal passa corrida andando com bolsas, pastinhas e agendas com fotos do piloto a bordo da McLaren , bandeira do Brasil em riste. A imagem já não tem muito a ver com o esporte.
    P.S – Eu, ingenuamente, fui falar sobre o episódio do veto a Warwick há uns 6 anos atrás, numa aula de espanhol, e quase fui expulsa de sala. Ali eu percebi que devia deixar os idólatras em paz.

  143. Assisto a F1 desde o ultimo título de Piquet e portanto acompanhei todos os de Ayrton Senna. Por algum motivo, talvez por causa da Globo ou por causa da cara de chorão, Senna se tornou um ídolo “maior” que os outros, coisa que eu discordo, mas essa é apenas minha opnião. Para o restante do país Senna é um ídolo de uma grandeza jamais vista e em um país que tende a desvalorizar seus ídolos como é o caso do Brasil, acho até interessante que o vejam como um semideus ou algo do gênero, já que aqui não se valorizam os ídolos, não temos heróis nacionais e isso é necessário a qualquer nação.

    • Rob disse:

      Essa sua análise sobre o brasil não valorizar seus ídolos e senna ser um semi-deus no brasil é mais interessante que o texto do capelli.
      Que diga-se é genial tb quando está inspirado.

      • Pedro disse:

        Essa analise eu respondo da seguinte maneira:

        O problema do Brasil é que nao sei poque, nos so aceitamos o primeiro colocado, o campeao.Inclusive o proio Senna falou isto.

        Todos os outros idolos até agora nos vimos ascençao, apogeu e déclinio… menos o Senna.

        Agora me digam, se o Pelé tivesse morrido apos a copa do mundo de 70 num acidente de aviao por exemplo…. se nao tivessemos ouvido a quantidade de besteiras que ouvimos quando ele era comentarista na rede globo. Vocês nao acham que ele seria “Deus” também?

        É claro que seria!

  144. RT @ivancapelli: Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  145. Recomendo a leitura, excelente texto do @ivancapelli sobre Ayrton Senna, pela humanização do ídolo: http://bit.ly/95ZFtC

  146. @RegiLeme Reginaldo, bom dia, estou enviando este texto a você. Um excelente texto sobre Ayrton Senna http://bit.ly/95ZFtC

  147. Ronaldo Schork disse:

    Parabéns pelo texto Capelli, excelente… o Galvão Bueno deveria ler isso, e parar de falar tantas bobagens durante as transmissões.
    ;-)

    • Roberto Abe disse:

      Concordo contigo Ronaldo.o Galvao deveria pensar um pouco antes de falar…

      • Sheldonn Rêis disse:

        Não sou esse fã do Galvão, mas o que ele falou na transmissão do GP de Mônaco no último domingo a respeito do Senna e suas 6 vitórias no principado, que poderiam ter sido 8, não foi nada além da verdade. Não considero esse comentário dele como besteira.

    • Paulo Alves disse:

      Ronaldo Schork, grande ícone do GP4 brasileiro!
      Senna é ídolo e não Deus.
      Pelé quebrava pernas, dava cotoveladas.
      Idolo não é Deus.
      É até compreensível que tentem colocar Senna como um Deus, pois após ele, não tivemos nenhum piloto que vingasse e continuasse colocando o Brasil como celeiro de pilotos do cenário mundial.
      Na verdade amargamos 15 anos sem umpilot dep onta na F1 e provavelmente vamos amargar mais 15 ou mais.
      Nelsdinho Piquet que despontava como grande promessa, murchou. Felipe Massa não vingou.
      Não digo que não teremos campeões, pois ser campeão é a reunião de uma série de fatores, mas piloto bom como Senna, Piquet e Emerson, vamos aguardar mais uns 50 anos.

      • nando.31 disse:

        Concordo, não vi ao vivo Pelé jogar, mas todos que viram falam de suas entradas mais que maldosas.
        Mas a historia é sempre contada pelos vencedores, nunca perguntam aos vencidos.
        Prost era o pior ser humano na face da terra pela rinha com Senna, e só quando ele veio ao Brasil para o funeral de Senna foram lhe dar ouvidos.
        A midia constroi e destroi idolos em qualquer area, não só na esportiva.
        Mas é nela que se tem maior foco, nos anos 80, esportes onde outrora fomos soberanos estavam em baixa, no futebol ia mal, no basquete nem se fala, no volei só uma medalha de prata.
        Só na F1 se tinha destaque, e como Piquet devolveu a Globo a falta de interesse que ela lhe deu no seu começo na F1, ela se apoiou toda em Senna.
        Construiu a imagem de um idolo acima do bem e do mal, e ai daquele que fale-se contra. E Senna morreu em combate (corrida) virou Heroi.
        Senna foi um grande piloto, correu em grandes carros e empurrados por motores acima da média.
        Nunca se rendeu ao ter um equipamento inferior, apesar de não poder fazer-lhes frente.
        Por isso deve-se dizer era um exemplo de persistencia, uma busca intensa pelo melhor carro. Essa era sua meta, o resto é historia.

  148. RT @ivancapelli: Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  149. Disse tudo, Capelli. RT @ivancapelli: Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  150. Jorge Okamoto disse:

    Ótimo post Capelli. Abraço.

  151. Corretíssimo. Um gênio, mas humano @ivancapelli Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  152. Tróia disse:

    Capelli,

    Eu cresci vendo Ayrton Senna e tenho a mesma visão que tu. Não sei se nós, brasileiros, estamos carentes de uma imagem positiva, mas, acabamos esquecendo justamente isso: ele também era um ser humano como nós. Lembro que me disseram uma vez que Senna fazia gracinhas e outras coisas já na posição de largada para irritar Alain Prost e tirar a sua concentração! :D

    Sempre serei fã do Senna não só pelo bom piloto que era mas, também, por refletir de certa forma um aguçado espírito competitivo. Ele queria ganhar e ganhou. Como? Como qualquer um de nós através de seu talento e de outros meios…

  153. RT: @bmantovani: RT @ivancapelli: Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  154. Fred Sabino disse:

    Excelente e coerente texto do meu chapa Capelli sobre Ayrton Senna. Aqui: http://bit.ly/9oEe4g

  155. Senna ñ era tão bom, nem tão ruim. Era humano. Humano capaz d negar 1 autógrafo ao menino Felipe Massa. Leia tudo! > http://bit.ly/bCcc8Z

  156. Pablo disse:

    Mandou bem capelli!

  157. Pedro Pereira disse:

    Parabéns pelo texto. O cara era bom, mas essa “canonização” dele faz com que o assunto Ayrton Senna se torne chato e ufanista.

    • marcel disse:

      achei ridiculo o texto deste cara…acho que ele não tem noção da fotrça dessa marca e como hoje é imoprtante preserva-la e estimula-la pois quem se beneficiára é o proprio Brasil popis seus valores sua determinação, sua garra é um exomplo e o trablho do seu instituto é no mesmo nivel. falta de pauta isso, eu acho.

      • Capelli disse:

        Quase. Na verdade, foi fauta de palta.

        • Leonardo MIlhomem disse:

          Capelli,

          Parabés, excelente texto.

          Para quem gosta e acompanha o Automobilismo em geral (não só a F1) acredito que saiba interpretar isso sem se sentir ofendido.

          Essa proteção não é necessária, o cara teve os seus méritos, estão ae para todos ver. Mais o pessoal quer sempre mais, pode até falar mal das mães deles, só não levantem nenhuma suspeita sobre o Senna.

          E quem acompanha o automobilismo sabe que o Senna não foi o melhor, no máximo, mais está entre eles.

          Acontece que o pessoal força muito a barra. Virou Santo, mérito para a Rede Globo.

          Infelizmente não vivi para acompanhar mais quem me admira mesmo é o tal do Jim Clark rs

          Se eu pudesse voltar no tempo para escolher uma corrida para ver ao vivo…. concerteza seria uma do Jim Clark, nem por isso eu deixei de ser Brasileiro (que não desiste nunca rsrs)

          *Comecei a acompanhar a F1 por volta de 1992, e desde então não parei, viciei.

        • Klauss Tofanetto disse:

          Capelli, tudo do que você falou aí pra mim é não é novidade. Exceto uma coisa: essa desavença que ele teve com o Reginaldo Leme…

          Gostaria de ter mais informações a respeito! Afinal, o que rolou?

          Abraço!

        • ELF_TL72 disse:

          Se não me engano (e eu costumo muito me enganar) a história com o Reginaldo Leme foi uma desavença por causa de umas fotos.
          Antes disso havia uma amizade entre os dois no mesmo nível da amizade de Senna com o Galvão Bueiro.
          Parece que num final de semana o Reginaldo Leme marcou uma partida de tênis entre amigos e convidou o Senna. O problema foi que todo material esportivo da partida foi fornecido por uma empresa de um amigo do Reginaldo Leme e, providencialmente, o Senna foi fotografado durante o jogo por alguns fotógrafos profissionais usando coisas dessa marca.
          O que era para ser só um joguinho entre compadres acabou virando uma peça publicitária da tal marca do amigo do Reginaldo Leme e o Senna se sentiu usado por ambos.
          Pelo menos é o que me lembro da história que ouvi há muitos anos atrás. Fonte? Desconheço. Nem sei se isso é verdade. Quem me contou? Nem lembro. Espero que alguém possa confirmar ou desmentir isso tudo e por fim a essa dúvida.

  158. RT @ivancapelli: Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

  159. [...] This post was mentioned on Twitter by Capelli, Leonardo Pimenta. Leonardo Pimenta said: Pela humanização do ídolo http://bit.ly/a8Cpza #F1 [...]

  160. Capelli disse:

    Agora no blog, a coluna da @revistawarmup #2. O assunto: Ayrton Senna. http://bit.ly/95ZFtC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>