MENU

1 de março de 2012 - 13:33Análises, Automobilismo

Habitat perfeito

Rubens Barrichello anunciou oficialmente agora há pouco que vai correr na Indy em 2012. Aqui e ali tenho ouvido falar bastante em recomeço, nova carreira, nova vida, novos ares. Concordo com novos ares, mas discordo do restante. Não acho que seja um reinício, uma nova porta se abrindo depois de outra fechada. Rubens está dando sequência à sua carreira, mudando-se para outra categoria de alto nível e de âmbito internacional. E acredito que, ao término da temporada, vai se questionar os motivos de ter demorado tanto a tomar esta decisão.

Que Barrichello é um piloto de alto nível todos concordam. Mas talvez nunca tenha conseguido conciliar sua grande capacidade técnica com sua personalidade. Como analisou Nelson Piquet em entrevista ao “Fantástico” semanas atrás, para vencer na Fórmula 1 você tem que ser líder na vida. E com seu jeito amigável, às vezes submisso (ainda que com rompantes de agressividade no discurso que nunca convenceram), foi presa fácil na selva da Fórmula 1. Talento para um título nunca lhe faltou. Combinar isso a uma postura que lhe permitisse chegar a tal ponto foi a fagulha faltante para gerar a química que lhe permitisse um maior sucesso na categoria.

Na Indy, porém, as coisas devem ser diferentes. A pressão é menor, o clima é mais ameno. Há rivalidade, há a briga pela vitória, mas há uma camaradagem entre pilotos e equipes que me parece ser o habitat perfeito para Barrichello. Se não tentar vestir a capa de super-herói e embarcar em canoas furadas da mídia como o fez algumas vezes na Fórmula 1, deve ter a serenidade para criar condições em que sobressaia seu grande talento como piloto. Deve brigar por pódios, vitórias, quiçá pelo título. Bem diferente dos últimos anos, quando se acostumou a comemorar um décimo lugar no grid e ainda achar motivação nisso.

Barrichello se colocou de tal forma em sua relação com a Fórmula 1 que virou refém de um mundo que ele mesmo criou. Parecia que não havia vida fora da categoria. Sem condições de tomar as rédeas de seu futuro, foi necessário que a categoria desistisse dele para que fosse procurar novos ares. Por vias tortas, acabou fazendo a escolha certa. A F1 não precisava mais dele, já há alguns anos. A Indy precisa de alguém como ele. As condições são favoráveis, agora é só não perder o rumo.

Comentários do Facebook

comentários

50 comentários

  1. roger v disse:

    É preciso uma coisa só FOCO! Apesar que com a troca de regulamento da F1 ele até seria MUITO útil…
    -agora que os braços da nova categoria se abriram a ele… e abraçar forte e correr até encher o saco!
    Quem teria sido o piloto mais longevo(idade) na Indy?

  2. Odilon barbosa disse:

    bom comentário o seu , mas não vamos nos esquecer de que nas equipes onde correu , Rubens não teve nem o mesmo equipamento que os colegas , ( foi sempre o segundo piloto e carro com as mesmas cores não quer dizer que ele seja igual ao do outro ) e nem teve o tratamento que o piloto necessita para ser campeão . só foi usado como muleta para acertar os carros e colocar os amigos na frente. quando teve o carro nas condições apropriadas , venceu os companheiros na pista . é um grande sujeito , e como todo profissional que gosta do que faz , sempre amou a F-1 , só isso.só que para a maioria de quem assiste só importa vencer , ele acha o melhor emprego do mundo e curte o trabalho.

    • Capelli disse:

      Carro igual ele sempre teve. Tratamento igual, nem sempre. Porém, nada que justificasse o tamanho da diferença para Schumacher em muitos momentos.

      • ranierinery disse:

        alem que foi justamente a personalidade citada no post, que sempre o fez ter o carimbo de segundo piloto.

        depois que sobem em você, não adianta esbravejar.

  3. Joao Costa disse:

    Puts.. um dos artigos mais sensatos sobre Barrichello que ja vi. Parabens!

  4. hendrix disse:

    piloto bundão……………………………..categoria de bundão

  5. Marcelo disse:

    Pachecada tem que segurar o oba-oba, no momento o Brasil não esta “apitando” nada na F1 e nem mesmo na F.Indy, apenas participamos das duas categorias.

    Abaixo quem dominou a Formula Indy 2011.

    Lembrando que, o líder com mais voltas leva pontos(acho que o pole também), esses pontos fazem muita diferença na tabela, todas as equipes em 2011 correram com motor Honda e chassi Dallara. A prova de Las Vegas foi cancelada pela morte de Weldon, logo, só valeu a pole que foi de Kanaan. Em 2011 foi um ano muito ruim para os brasileiros, mesmo com Castro Neves correndo no mesmo time de Power, a forte Penske.

    Kanaan pouco pôde fazer ele corre na mediana equipe KV(imaginem Rubens entrar sem conhecer nada e em equipe mediana, 2012 é um ano de aprendizagem). Rubens pode até vencer uma ou outra corrida na base da “loteria” como aconteceu com: Conway, Weldon,Andretti, Carpenter e Hunter-Ray. O mais importante nesse ano é Rubens não cometer muitas pixotadas como aconteceu nos tempos de F1, se mostrar serviço o resto vem com o tempo. O que o Rubinho vai reclamar de toques em cima do seu carro, mas a Indy sempre foi assim.

    No momento, 3 pilotos tomam conta da categoria, o tetracampeão Franchitti e o bicampeão Dixon que correm pela fortíssima equipe Ganassi.

    Franchitti foi campeão várias vezes muito graças a regularidade, é piloto pra vencer corridas e títulos, ele erra pouco e é um baita estrategista de corridas em qualquer pista. Notem abaixo que, Power fez mais poles liderou e venceu mais, mas acabou vice-campeão. A Falta de experiência em ovais fez falta pra Power ser campeão. Franchitti também venceu a 500 milhas duas vezes.

    Pra Dixon ser bicampeão em 08, teve que bater Castro Neves e Kanaan que estavam em alta no volante, hoje nem tanto. Dixon também já venceu a Indy 500 em 08, tem que ser respeitado.

    Também quem fez bonito nos últimos 2 anos foi Will Power(muito fera em pista mista, teve problemas nos ovais, mas agora vai para seu terceiro ano de Indy, deve melhorar muito). Isso já mostra que Rubens não vai ter vida fácil, vai levar tempo pra pegar a “mão” nos ovais( o fato de ter poucas provas no ano, cinco, dificulta a rápida adaptação nesse tipo de corrida), e vitórias nessas pistas são importantes na briga pelo título.

    Poles:
    Power,8
    Franchitti,2
    Dixon,2
    Tagliani,2
    Kanaan,2
    Sato,2

    Líder por mais voltas:
    Power,7
    Franchitti,6
    Dixon,3
    Briscoe,1

    Vencedor:
    Power,6
    Fhanchitti,4
    Dixon,2
    Conway,1
    Weldon,1
    Andretti,1
    Hunter-Ray,1
    Carpenter,1

    Não façam comparações entre Mansell, Fittipaldi e Barrichello indo correr na Indy.

    Mansell e Fittipaldi eram pilotos “diferenciados”, Rubinho é apenas um bom piloto-limitado!

    Formula Indy não é molesa, mesmo com pilotos de ponta como Castro Neves e Kanaan a tempos Indy, o Brasil nos últimos 10 anos só foi campeão uma vez em 2004 com Kanaan. Castro Neves nunca foi campeão da Indy, mas venceu 3 vezes as 500 milhas. Parece que ele se foca mais nessa corrida que no campeonato, dentro do USA vencer as 500 milhas é até mais importante que vencer o próprio campeonato!.

    Boa sorte ao Rubens, e “peloamordedeus” não caía que nem pato no oba-oba da Band.

    • Gerhard Berger disse:

      Marcelo, concordo com 99% do que você disse.
      Mesmo que o Barrichello chegasse pela Ganassi, não seria tão “certo” ele ser campeão “de prima”.

      Acho que, se ele vencer uma corrida, no sufoco, nessa temporada, terá feito uma grande estréia. Franchitti não joga pra perder.

      Só não concordo com as opiniões sobre Nigel Mansell.
      Todo mundo cita ele ter sido campeão em 1993, no primeiro ano, mas tem que analisar o que aconteceu naquela temporada.
      Claro que Mansell foi competente, mas não foi “moleza” como muitos pensam.

      Se a F-Indy fosse tão fácil para os pilotos de F1, Fittipaldi deveria ter sido “penta-campeão” lá…mas só ganhou um título em 1989. Teve carro pra vencer mais temporadas, mas não levou.
      Em 1994 levou uma surra do “bebum” Al Unser Jr, que também corria pela Penske. Então, não é “tão fácil” ser campeão da Indy.

      Mansell chegou pela Newman-Haas, com um super carro, tendo Mario Andretti, que já estava na Newman-Haas há mais de 10 anos como acertador de carros e um contrato que o colocava com total prioridade já que Mario Andretti já não tinha mais tanto fôlego aos 53 anos (na época). Andretti sabia que não dava mais pra ser campeão e ajudou a equipe a buscar um novo nome que a colocasse em evidência.

      Mansell e Andretti se desentedarm no fim da temporada e Andretti não prestou mais ajuda á Mansell. Assim, Mansell não ganhou nenhuma corrida em 1994 e voltou pra F1 antes do fim da temporada.

      Lembrando que na F1 Mansell foi campeão numa equipe inglesa, com um carro mega-superior e tendo Patrese como acertador de carros e zero competição dentro da equipe.

      Mansell era talenstoso, mas não era “diferenciado”.
      Comparando com Barrichello, acho que não tem comparação, pois são histórias diferentes.

      Boa sorte, Rubens!!

      • Dr. Walter Bishop disse:

        O feito de Mansell me faz lembrar do saudoso RONNIE PETERSON, que, pela minha idade medio-avançada, vi correr.
        Peterson tinha em comum com Mansell o estilo agressivo e a notória incapacidade de acertar carros. Se ele, assim como Villeneuve, tivesse sobrevivido ao acidente que o matou, seria fadado a ter um único título mundial, se bem que não necessariamente com o melhor carro. Quando morreu, o SUECO VOADOR estava no melhor de sua forma, e no acordo com Chapman, seria priorizado no ano seguinte. O mesmo aconteceu na Ferrari com Sheckter e Villeneuve, mas o canadense não deu sorte e não pegou um carro bom no ano seguinte, e acabou tendo o mesmo destino de Peterson: Um dos melhores pilotos de todos os tempos sem ter sido campeão mundial. : /

  6. isaac disse:

    Não gosto do rubens, provavelmente pelo que vc diz em seu texto, aliás, muito bom.

  7. Augusto disse:

    A sua analise esta perfeita.E o comentario do Marciano de Brito diz exatamente o que eu acho.
    Parabéns Capelli!

  8. Francisco disse:

    “curtir”

  9. Dr. Walter Bishop disse:

    Apesar de não ser um piloto excepcional de F1, na Indy ele vai se sobressair, já que o nível técnico é bem menor. Só me preocupa como ele vai se sair contra figuras como E.J. Viso, Takuma Sato, Ryan Hunter-Reay, Alex Tagliani e outros notórios fazedores de merda.
    Quem testou um carro uma vez e de cara o fez andar tem de ser respeitado, não? ; )

  10. Rodrigo Goulart disse:

    Ótimo texto. Parabéns.

  11. Peter Losch disse:

    Excelente análise. Parabéns.

  12. Luiz Ronaldo disse:

    Excelente observação, Capelli.

    Acho difícil o Barrichello lutar pelo título em 2012. Pra mim será uma temporada de adaptação, e 2013 será “O ano”.

  13. Capelli,

    Ótimo post.
    Parabéns pelas colocações sensatas e equilibradas. Raridade, quando se fala de Rubinho, pois normalmente os comentários são sempre extremistas.
    Muito bom mesmo!

    Elson Advogado Online

  14. Diedro Barros disse:

    A análise foi sim muito boa… mas em uma coisa em não concordo totalmente.

    Sim, a F-Indy é um espaço mais ameno, mas isso não quer dizer que seja menos competitivo. Acho tão insalubre quanto a F-1. Não tem muito tempo, e a gente viu o próprio Kanaan sair no braço, literalmente, com o Sam Hornish Jr., e a Danica Patrick foi pagar sugestão pra Milka Duno, que não botou galho dentro e quase supapou a queridinha dos americanos. Sem contar as polêmicas nas formas de pilotar do Paul Tracy, do EJ Viso, agora companheiro de Barrichello e Kanaan, e o pega pra capar na pista que vai rolar entre Penske, Ganassi, Andretti e a própria KV.

    Então, que o Barrichello não espere muita bondade dentro da categoria. Tem muito esquentadinho guiando na F-Indy, e a pouca experiência em ovais no início pode fazer com que muita gente se estresse com ele. Agora, o mais importante foi exatamente o que Barrica disse na coletiva. Aprender, fazer laboratório, e buscar entender qual seu limite e o limite do carro, pra depois pensar em póduins e vitórias.

    E vamos ser sinceros… mesmo com Barrichello, a Indy não vai dar mais audiência do que o Campeonato Brasileiro. E com esse caso de Bandsports/Foxsports, que tá mega mal explicado, não sabemos nem se as corridas serão transmitidas ao vivo. Então, quem tem internet rápida vai poder achar algum canal online que transmita a ABC. Quem não tem, como eu… fica a lamentar.

  15. Glauber disse:

    Que ele arrebente na Indy, mostre seu real talento e cale a boca de muito crítico meia boca que anda por aí.

  16. Fábio disse:

    Texto simplesmente sensacional. Difícil ler um texto tão sensato quando o assunto é Barrichello. Minha opinião, complementando, é a seguinte: morte do Ayrton + imaturidade do Rubens + bombardeio de opiniões da imprensa + falta de um empresário inteligente (principalmente isso). Na minha opinião, essa foi a fórmula que fez dele um perfil como descreveu o Capelli.

    Se o Rubinho tivesse, originalmente, essa personalidade menos aguerrida fora das pistas, com menos tom de liderança, ele jamais teria chegado à F1. Não é qualquer personalidade que topa de frente uma vida hostil e solitária em um mundo desconhecido com apenas 16 anos de idade.

    • Batista Lara disse:

      Só faltou só mais um item, Fábio. No programa Casseta e Planeta, o alcunharam de “Rubinho Pé de Chinelo”. Isso acaba com qualquer um.

    • Mario disse:

      Concordo com vc Fabio, texto sensacional e sensato. Moro no Japao ha 20 anos e a imprensa japonesa e nem os fans do automobilismo nesse pais parte pra baixaria quando o assunto e o Rubinho. Claro que ele nao e tratado como o Senna mas existe muito respeito quando ha algum comentario sobre ele e nao so em relacao a personalidade mas principalmente ao estilo de pilotagem, limpo mas agressivo. Talvez muitos nao valorizem opnioes de um comentarista japones, mas o ex-piloto Aguri Suzuki que hj e comentarista da TV Fuji fez um comentario interessante qdo Rubens se transferiu pra Ferrari. “Estou muito feliz por poder ver o Rubens pilotando um carro de ponta. A partir de agora os fans poderao ver pela tv como eh possivel ser piloto de ponta e pilotar de forma limpa, coisa que nao era possivel correndo por equipe pequena(nao aparece na tv). Por isso gostaria que todos prestassem atencao na pilotagem dele quando a camera on board estiver acionada.” Esse comentario demonstra o respeito que a midia japonesa tem pelo Rubens e acho que nos brasileiros deveriamos ter pois ele merece.

    • Samucon disse:

      concordo… excelente texto… Mas na minha opinião teve também um outro fator… Insistiu e investiu tempo demais na Ferrari. Se ele tivesse saído uns três anos antes. Poderia ter ido no lugar do Coultard para a iniciante Red Bull, ou até mesmo para a McLaren no lugar do Montoya. O mesmo caminho que o Massa está trilhando. espero que ele (Massa) acorde pra isso e veja, que além de Ferrari existem outras escuderias.

  17. Celso Cunha disse:

    Belo texto.
    Muito bem elaborado, Parabens.
    Concordo com o Lucas R. Agora e’ ele sentar no carro e cuidar de continuar a sua carreira e provar as qualidades de piloto e de desportista que ele cha que tem.
    Desejo boa sorte e vou esperar pelo melhor pra ele e para no’s seus fans.
    Veremos…

  18. Felipe Souza disse:

    Uma coincidência. Acho que é a segunda vez que o Barrichello substitui o Takuma Sato em uma equipe.
    Abs, Felipe.

  19. Agora sua choradeira se completa na F-Indy e que ele nunca mais volte a F1 como vovô acima dos 40 anos. Daqui á pouco tempo o nosso desvalorizado Felipe Massa estará procurando uma vaga na F-Indy.

  20. Hugo disse:

    Excelente texto…

  21. andre rodrigues disse:

    Será muito bom para o Rubinho. A Fórmula 1 está ficando ridícula e o mal cartismo impera. Como pode um piloto da categoria de Rubens ficar fora por causa de salário? Desde que teve bons carros ele mostrou qualidade de campeão e só naõ foi de fato por causa do jogo de equipe. É muito melhor que Jenson Button por exemplo.
    Será bom também para o esporte.
    Bravo Rubinho!!!

    • Batista Lara disse:

      Achá-lo melhor que Jenson Button já é demais, não? Convenhamos, o RB é bom, apenas isso, JB está humilhando até o Hamilton na McLaren….

      • Diego disse:

        Ele não é melhor que o Button não… É muito melhor!!!

        • vicente disse:

          Discordo. Button é ótimo piloto. Rubinho, para mim é apenas um pouco melhor que ele. Mas achei genial a associação do ivan sobre o comentário de Piquet. Em 2009 eu não entendia como é que ele reclamava tando do freio e não fazia nada acontecer. Falta de liderança, ou como dizem os argentinos, cujones!!

  22. Lucas R disse:

    Belo texto. Achei interessante a parte que fala que para vencer na Fórmula 1 é necessário ser líder. Taí uma coisa que o Barrichello definitivamente não era na Fórmula 1.

    Lembrando que o verdadeiro líder não é aquele que chega, bate na mesa e diz “quem manda nessa joça sou eu!”, mas sim aquele que faz com que os demais cheguem à essa conclusão sozinhos. E, pelo que se vê imprensa a fora, parece ser exatamente essa a posição do Barrichello na Indy.

    A única coisa que eu não estou gostando nisso é que o pessoal está depositando confiança demais no brasileiro. Como eu li em algum lugar “estão contando com o ovo no galináceo antes que ele seja expelido”! Ele é bom? Sem dúvidas. É capaz de se sair melhor em uma temporada de Indy do que em 19 de Fórmula 1? Com certeza. Mas se ele vai conseguir isso ou não, é esperar para ver. E espero que consiga sim.

  23. Cranio disse:

    Concordo contigo Capelli. Porém o jeito amistoso, pacato não é exclusivo do Barrichello.

    O Button tem um jeitão bem parecido com o dele, humilde, não ofende ninguém, bem diplomático em suas declarações. E hoje, ele, campeão do mundo, ameaça até o Hamilton na Mc Laren, comendo pelas beiradas…

    Claro que não deixou ninguém subir em sua cabeça como o Barrica, mas o jeitão é parecido sim.

    • Capelli disse:

      A diferença: Button jamais foi submisso…

      • Luiz Antonio disse:

        Button fica quieto, e Barrichello falava demais quando deveria ficar quieto. Não é questão de submissão e sim postura, escancarar e bater na equipe via mídia nunca ajudou ninguém e isso Barichello só foi compreender tarde demais.

      • Gerhard Berger disse:

        É fácil não ser submisso numa equipe inglesa, com chefe de equipe inglês, com todo o apoio do seu lado.

        …Queria ver Button ganhar 6 corridas com “dificuldades” no freio como Barrichello.

        Não digo que Barrichello seja melhor que Button, mas…não acho que Button seja tão melhor. Acho que Barrichello foi submisso em 2009 porque já tava de saco cheio de reclamar.

    • André França disse:

      Quer exemplo maior de liderança que esse? O cara chega na Mclaren, onde o mimimi mimadinho do Hamilton era o queridinho, mostrou serviço, deu uma surra no “piloto da casa” e hoje é parte essencial da equipe. Lembrando que o Hamilton conseguiu tirar o também mimimi mimadinho Alonso da equipe…

      • nandofigueiredo disse:

        Andre, o Alonso que saiu da Mc Laren, pois viu que lá a “cabeça” da equipe estava todo voltada pro “filhote” inglês.

        Mas a equipe viu que o Hamillton não é o “lider” que a equipe pensou que era. O Hamilton é bom pra chegar, sentar e andar, não é do perfil dele levar um projeto a frente.

        O Button chegou tomou as redeas do desenvolvimento do carro, ou seja caiu como uma luva, claro é inglês também não podemos esquecer.

  24. João Carlos disse:

    Só espero que possamos ver Barrichello correndo em vez de curintia curintia e sao paulo

    • Luiz Antonio disse:

      Duvido João, é capaz de vermos Catanduvense x Corinthians e não vermos parte da corrida. Ano passado tiveram o disparate de em um amistoso da seleção passar o mesmo jogo na Band e no Bandsports e passar a corrida em VT depois do Milton Neves. Não espere que levem o automobilismo a sério como nós.

  25. Alexandre Lourenço disse:

    Puxa onde é que eu assino?
    Vc foi brilhante neste seu comentário, ahh se vc sempre fosse assim !!!!
    Grande Russo reencarnado !!!!

  26. lubbi disse:

    PERFEITO O COMENTÁRIO

    GOSTAMOS MUITO DO SEU BLOG

    ABS

  27. fabio freire disse:

    comentário lúcido, de alguém q realmente conhece automobilismo.

  28. Marciano de Brito disse:

    Finalmente, leio alguém fazer uma análise perfeita do Rubens sem partir para a gozação ou desprezo. O problema do Rubens na F1 foi exatamente o que você escreveu. Parabéns, Capelli!

    Abraço!

    • Flávio Munhoz disse:

      Tens toda a razão Marciano de Brito, uma análise mais do que serena e justa, de um profissional brasileiro, tão exacrado pelos próprios torcedores e imprensa. Principalmente no episódio do Pânico na entrevista com Schumacher, onde deram a tartaruga. Falta de respeito com o profissional e homem Barrichello………..Mas sei que será muito bom a ele e a nós como torcedores………

  29. Marcelonso disse:

    Capelli,

    Acredito que o Gonçalves terá nas mãos uma “faca de dois legumes”. A pressão não vai deixar de existir – a midia e a torcida cobrarão resultados. Na F1, isso fazia parte do passado…

    O veterano piloto brasileiro tem condições de fazer um bom campeonato, é verdade. Mas não será sopa no mel como alguns sugerem, hoje tem muita gente boa na Indy.

    abs

    Será pressionado pela mídia e pelos torcedores

  30. Daniel disse:

    Boa sorte ao rubens, principalmente nos ovais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>